O ADEUS DE PICCININI

Divulgação FIPAV

As quadras de vôlei não terão mais o frescor da beleza da italiana Francesca Piccinini. No mês passado, infelizmente, uma das musas do vôlei anunciou a sua despedida da modalidade. Ela já não defendia mais a seleção de seu país havia três anos. Agora escolheu definitivamente se aposentar. Uma pena para os amantes da graciosidade da atleta.

Como não esquecer a sua passagem pelo Brasil! Ainda jovem, no início de carreira, Piccinini jogou pelo time de Bernardinho, encantando a torcida brasileira, na temporada 1998/1999 da Superliga. Nosso país sempre foi um amigo íntimo da jogadora. Foi pelas mãos de um brasileiro, no caso o técnico Marco Aurélio Motta, que ela foi revelada ao mundo.

Porém, a culpa pelo sucesso da carreira da bella ragazza italiana não foi somente de um brasileiro. Um acidente de percurso, levou a jogadora a prática profissional da modalidade. Segundo consta em algumas entrevistas, Piccinini se apaixonou pelo esporte, após a leitura de uma mangá japonês, em que os personagens jogavam vôlei.

Os críticos desdenhavam do desempenho da atleta em quadra. Para muitos, sua presença na seleção da Itália era midiática. Sua performance quase sempre foi questionada. Tudo inveja! O problema era sua beleza. Certa vez, na Vila Olímpica, em Sydney 2000, ela e suas companheiras de seleção chamaram tanta atenção, que foram assediadas no refeitório.

Com seu talento e patriotismo, a Itália foi campeã mundial, bicampeã europeia, da Copa do Mundo, da Copa dos Campeões. Faltou a medalha olímpica. Problema dos deuses… Pelos clubes, na Europa, Piccinini foi por várias vezes campeã, seja na Liga Italiana ou na Champions League. Por duas vezes, no principal torneio da Europa, calou os críticos, sendo eleita MVP, em 2010 e 2016.

Seus planos para o futuro são um segredo. No último Campeonato Europeu ela foi comentarista da RAI, TV pública italiana. Em entrevistas recentes, disse que não gostaria de ser treinadora, mas trabalhar nas categorias de base.

Seja o que fizer a partir de agora, Piccinini entrou para o rol das atletas inesquecíveis da história da modalidade. E que fique claro, sobrava qualidade e categoria em seu voleibol. Como diria o compositor, cantor e poeta brasileiro Vinícius de Moraes: “Que me perdoem as feias, mas beleza é fundamental”.

Divulgação COI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s