COPA DO BRASIL FEMININA 2021

Começa hoje a Copa do Brasil feminina 2021. Os oito primeiros colocados do turno da Superliga feminina 2020/2021 enfrentam-se no sistema de mata-mata, em jogos únicos, com 1ºx8º, 2ºx7º, 3ºx6º, 4ºx5º. As finais da competição serão disputadas no Centro de Desenvolvimento do Vôlei (CDV), em Saquarema, em Fevereiro, nos dias 5 e 6. Em virtude da pandemia do coronavírus, a partida entre Osasco e Curitiba, vice-líder e 7º colocado do turno da Superliga feminina 2020/2021, respectivamente, foi adiada para o dia 2 de Fevereiro.

Quartas-de-final

Hoje, três jogos marcam o início das quartas-de-final da Copa do Brasil feminina 2021. Às 19h, em Belo Horizonte, o líder do turno da Superliga, Itambé/Minas, enfrenta o Pinheiros, 8º colocado. Também no mesmo horário, na capital fluminense, no duelo mais equilibrado dessa fase, o Sesc/Flamengo, 4º colocado do turno, joga contra o Sesi/Bauru, 5º colocado, no ginásio Hélio Maurício, na Gávea. Um pouco mais tarde, às 19h30, em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, o Praia Clube, 3º colocado do turno, decide a vaga nas semifinais contra o São Paulo/Barueri, 6º colocado. Todos os jogos terão transmissão do Canal Vôlei Brasil.

Em conversa com a assessoria da CBV, a levantadora Claudinha do Praia, destacou o serviço como ponto forte contra o adversário. “Esperamos uma partida difícil. O São Paulo/Barueri vem apresentando muito evolução e vem de uma vitória contra o Osasco na Superliga. Estamos preparadas para tudo, jogar bem taticamente é muito importante, nosso saque será um ponto importantíssimo para tentar tirar um pouco da velocidade do jogo delas. O fundamental é pensar na evolução da nossa equipe a cada partida”.

Já a levantadora Jacke do São Paulo comentou sobre o momento de sua equipe. “Ficamos felizes com a vitória contra Osasco, mas passou, foi um jogo muito importante para nós, porém agora trabalhamos para continuar crescendo e melhorando. Jogaremos contra o Dentil/Praia Clube pela Copa Brasil e, apesar de ser um campeonato diferente, é a continuação do mesmo trabalho que fazemos. Estamos concentradas para manter a regularidade que tivemos nos últimos jogos para seguir taticamente o que é estabelecido, pois sabemos que que será um jogo muito importante para nós”.

O time do Sesc, atual campeão da Copa do Brasil/Divulgação CBV

Fonte: CBV

OS CLASSIFICADOS DA COPA DO BRASIL MASCULINA

Foram definidos três semifinalistas da Copa do Brasil masculina de vôlei 2021. Fiat/Minas, Vôlei Renata/Campinas e EMS/Funvic/Taubaté conquistaram a classificação em partidas disputadas durante a semana. Um dos confrontos da próxima fase também já está definido. Vôlei Renata/Campinas e EMS/Funvic/Taubaté enfrentam-se em uma das semifinais. Já o Fiat/Minas, espera o vencedor do duelo entre Cruzeiro e América.

Para avançar de fase, jogando em casa, o Fiat/Minas passou pelo Uberlândia/Gabarito, com um triunfo por 3×1, com parciais de 25/18, 25/15, 22/25, 25/22. O central Matheus, comemorou o resultado, em conversa com a assessoria da CBV. “A equipe está de parabéns por ter superado o Uberlândia. Nós pecamos um pouco no saque, temos que dar o nosso máximo o tempo todo para não deixar o adversário crescer. Temos sempre que estar no nosso ritmo para conseguir o resultado, como fizemos hoje. Agora é esperar para saber o nosso adversário para estudar bem o time e ir para cima”.

Já o Vôlei Renata, conseguiu uma virada espetacular para conquistar a classificação. Mesmo com uma atuação individual exuberante do oposto Renan, do time adversário, o Itapetininga, o Vôlei Renata/Campinas reverteu uma desvantagem de 2×0 no placar, para vencer no tie-break, dentro de casa, com parciais de 22/25, 18/25, 25/22, 27/25, 15/12.

O experiente oposto Vissoto destacou a força de seu time, que não contou com o ponteiro Vaccari e o técnico Horácio Dileo, testados positivos para o coronavírus. Ele conversou com a assessoria da CBV sobre essa superação. “Hoje foi trabalho de equipe. Hoje superamos as ausências. O time se abraçou, lutou, passou por dificuldades, mas essa é uma característica do nosso time, lutar até o final”.

O oposto Vissoto em ação de ataque/Divulgação Vôlei Renata/Pedro Teixeira

Encerrando o rol de classificados na semana, o EMS/Funvic/Taubaté bateu o Apan/Blumenau, por 3×0, com parciais de 25/15, 25/23, 25/21. Após o jogo, o ponteiro João Rafael do Taubaté falou com a assessoria da CBV sobre a classificação. “Foi um bom jogo. Na primeira parcial jogamos muito, o sistema defensivo funcionou bem. Na segunda parcial, eles encostaram um pouco mais e foi mais apertado. O terceiro também. Mas, no momento decisivo, conseguimos crescer, mostrar nosso jogo e finalizar em 3×0”.

Sada/Cruzeiro e Finais

Em reunião virtual entre a CBV e os representantes dos clubes participantes da Copa do Brasil 2021, na última quarta-feira, 13 de Janeiro, ficou decidido que as finais da competição serão disputadas no Centro de Desenvolvimento do Vôlei (CDV), em Saquarema. As datas das finais foram alteradas. Ao invés da próxima semana, a definição do título acontecerá no mês de fevereiro, nos dias 11 e 12.

Também ficou decidido, que o América Vôlei será o substituto do Guarulhos, impossibilitado de competir devido ao coronavírus. Com isso, o time mineiro terá pela frente o clássico estadual contra o Cruzeiro. O jogo está marcado para a próxima quarta-feira, dia 20 de Janeiro, em Contagem, no ginásio do Riacho. O confronto define o adversário do Fiat/Minas nas semifinais da competição.

Fonte: CBV

CBV DIVULGA TABELA DA SUPERLIGA B FEMININA

Na última segunda-feira, 11 de Janeiro, a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) divulgou a tabela da 1ª fase da Superliga B feminina 2021. Em sua oitava edição, a competição serve de acesso à elite da Superliga, dessa vez em formato diferente em virtude da pandemia do coronavírus.

Com oito equipes, a disputa será realizada no modelo de Grand Prix, em duas etapas. A tabela divulgada na segunda pertence à primeira etapa. Divididos em dois grupos, com quatro times, com confrontos entre si. Os dois melhores de cada grupo avançam para as semifinais, com a final no dia seguinte.

A sede da primeira etapa do Grand Prix será o ginásio Chico Neto, no Paraná, na cidade de Maringá. A competição acontece no mês de fevereiro, entre os dias 22 e 26. A classificação final da primeira etapa definirá a composição dos grupos da etapa final com sede e datas a serem definidas posteriormente pela CBV.

No grupo A da primeira etapa estão o Sesc/Flamengo sub-21, Bradesco Esportes, Bluvôlei e Minas Náutico. No grupo B estão o Valinhos, Itajaí Vôlei, Franca e Amavôlei Maringá, time da casa. O campeão e o vice da Superliga B feminina 2021 garantem o acesso à Superliga Feminina 2021/2022. Os times classificados nos dois últimos lugares disputam a Superliga C 2021.

No link abaixo, você acessa a tabela completa da primeira etapa da Superliga B feminina.

https://superligab.cbv.com.br/tabela-de-jogos-feminino

Fonte: CBV

COPA DO BRASIL MASCULINA 2021

Começa amanhã a Copa do Brasil Masculina 2021. Os oito primeiros colocados do turno da Superliga Masculina 2020/2021 enfrentam-se no sistema de mata-mata, em jogos únicos, com 1ºx8º, 2ºx7º, 3ºx6º, 4ºx5º. As finais da competição serão disputadas em sede específica, a ser divulgada pela CBV, com transmissão do SPORTV 2. Em virtude da pandemia do coronavírus, o Vôlei Guarulhos, 8º colocado do turno, foi desclassificado. Para o seu lugar, a CBV convidou o América Vôlei, 9º colocado, que não aceitou, segundo o site Webvolei, por questões de logística. Com isso, o Sada/Cruzeiro, líder do turno, garantiu vaga nas semifinais, sem entrar em quadra, de acordo com o Jornal O Tempo.

Em quadra

Ainda em Minas Gerais, na capital, na Arena Minas, Fiat/Minas e Uberlândia/Gabarito, 4º e 5º colocado, respectivamente, iniciam a disputa da competição, amanhã, às 19h. Também amanhã, às 19h30, o Vôlei Renata, 3º colocado, enfrenta o Vôlei Itapetininga, 6º colocado, no ginásio do Taquaral, em Campinas, com transmissão do Canal Vôlei Brasil, segundo a assessoria de imprensa da CBV. Na sexta-feira, 15 de Janeiro, é a vez do EMS/Taubaté, 2º colocado, receber em seus domínios, no ginásio do Abaeté, no Vale do Paraíba, o 7º colocado, Apan/Blumenau, às 19h.

Em conversa com a assessoria da CBV, o técnico do Minas Nery Tambeiro comentou sobre a expectativa do confronto com o Uberlândia, dentro de casa. Ele lamentou o desfalque do ponteiro argentino Lazo. “Vamos enfrentar um adversário que já conhecemos bem, pois jogamos contra eles no Mineiro e pela 1ª fase da Superliga. O que muda para esse jogo é a nossa equipe, é ausência do Lazo, ele se machucou antes da nossa última partida. Estamos buscando a nossa melhor formação para a equipe se apresentar da melhor forma possível. Ainda temos que crescer, mas nossa expectativa é sempre positiva”.

Já o técnico do Uberlândia, Manoel Honorato, pediu motivação para sua equipe. “É sempre difícil jogar contra o Minas Tênis porque eles têm uma linha de passe muito boa. A expectativa é tentar focar a cabeça dos nossos jogadores para essa competição. Vamos fazer um único treino amanhã pela manhã e esperamos fazer uma boa partida”.

O Sada/Cruzeiro pentacampeão da Copa do Brasil/Divulgação CBV

Fonte: CBV

O 1º TURNO DA SUPERLIGA FEMININA

Com poucos dias do início do ano de 2021, com a vitória do Sesc/Flamengo sobre o Fluminense por 3×0, ontem, 8 de Janeiro, praticamente, foi encerrado o 1º turno da 27ª edição da Superliga Feminina. Resta apenas a realização do jogo entre Fluminense contra São José dos Pinhais, pela 11ª rodada do turno, para definir posições. As duas equipes estão com 6 pontos cada, com duas vitórias em 10 jogos. Uma vitória por 3×0 ou 3×1 nesse confronto de ambas equipes, pode tirar o Brasília da 9ª colocação, com 8 pontos. No entanto, os confrontos da Copa do Brasil já estão definidos.

Esse suspense em torno do último classificado para a Copa do Brasil 2021 virou o ano, em virtude da pandemia do coronavírus. Aliás, essa foi uma das marcas da competição no 1º turno, ao contrário do naipe masculino. No feminino, praticamente todas as equipes tiveram casos do vírus, provocando o adiamento dos jogos, além do revezamento de jogadoras pelas comissões técnicas dos times. Enquanto no masculino isso aconteceu por opção técnica para poupar os atletas, no feminino o revezamento foi utilizado como forma de driblar o vírus. Em alguns casos, ficou evidente nas partidas, a falta de ritmo das equipes por causa da pandemia.

Mas sem dúvida alguma, um dos destaques da competição, até o momento, é o desempenho do Osasco. Um dos principais motivos para o sucesso do time comandado pelo técnico Luizomar de Moura no turno, é o rendimento da equipe no bloqueio. As centrais de Osasco não estão deixando passar nada! Em algumas partidas, o time conseguiu a marca de 24 pontos no fundamento, ou seja, quase um set inteiro de pontos no bloqueio. Destaque para a jovem central Mayany. Será uma grande surpresa se ela ficar de fora da lista de convocação de José Roberto Guimarães para defender a seleção na temporada.

Outra desempenho individual que pode explicar a boa campanha de Osasco é a atuação da levantadora Roberta. Mais experiente, ela está distribuindo o jogo de Osasco de forma equânime. O que é um feito para um time que conta com a melhor atacante do voleibol brasileiro, que recebe muitas bolas durante as partidas, a oposta Tandara. Não fosse o tropeço dentro de casa para o Brasília, por 3×2, Osasco teria encerrado o 1º turno na liderança e invicto. Certamente, esse resultado poderá fazer falta no fim da fase de classificação, quando forem definidos os confrontos nos playoffs.

Falando nisso, a briga pela última vaga na fase eliminatória da Superliga Feminina promete esquentar. Quatro times disputam a 8ª colocação da competição no returno. No momento, Pinheiros leva vantagem, com 10 pontos, em 8º lugar. Há duas temporadas o time não disputa os playoffs. A classificação seria uma questão de honra. Porém, Brasília, Fluminense e Pinhais estão logo atrás. Os confrontos diretos entre essas equipes no returno devem decidir quem fica com a vaga. Caso fique de fora dos playoffs, será a pior campanha do Fluminense na Superliga desde o retorno para a elite do voleibol feminino brasileiro, na temporada 2016/2017.

COPA DO BRASIL 2021

Encerrado o 1º turno, foram definidos os confrontos da Copa do Brasil 2021. A competição reúne os oito primeiros colocados do turno da Superliga 2020/2021, em partida única eliminatória. Assim, o 1º enfrenta o 8º, 2ºx7º, 3ºx6º, 4ºx5º. As datas dos confrontos serão divulgados na próxima segunda pela CBV. As finais serão disputadas em uma sede específica. Abaixo você confere os duelos de quartas-de-final da Copa do Brasil 2021.

Itambé/Minas (1º) x (8º) Pinheiros

Osasco/Audax (2º) x (7º) Curitiba Vôlei

Praia Clube (3º) x (6º) São Paulo/Barueri

Sesc/Flamengo (4º) x (5º) Sesi/Bauru

A EXPERIÊNCIA MALSUCEDIDA DOS 21 PONTOS

Há quase 8 anos, mais precisamente na temporada 2013/2014 da Superliga, tanto no masculino, quanto no feminino, a maior competição de voleibol do Brasil foi palco de uma polêmica experiência. Para atender a demanda da televisão e dos seus patrocinadores, a CBV decidiu diminuir a pontuação para fechar os sets. Para ganhar uma parcial seriam necessários 21 pontos e não mais 25 pontos. O objetivo seria reduzir a duração das partidas, de modo que coubessem na grade de programação das emissoras detentoras dos direitos de transmissão.

Deu tudo errado. A começar pelo principal objetivo. Ao contrário do que se esperava, os jogos não tiveram diminuídos os tempos de duração. Em alguns casos, chegaram até mesmo a extrapolar o tempo médio de duração dos confrontos. Outro ponto falho da experiência, já apontado pelos atletas no lançamento daquela edição da Superliga, foi o impacto causado na capacidade de reação dos times durante as parciais. Apesar de manter a média de duração dos jogos, era quase impossível reverter uma situação adversa, caso o oponente disparasse no placar.

Para completar o quadro de fracasso geral, ao invés de terem as suas marcas com mais exposição, os patrocinadores tiveram que aceitar um pequeno espaço na grade de programação da detentora dos direitos de transmissão, que previa apenas a exibição dos duelos decisivos das semifinais e das finais em jogo único, nos dois naipes.

25 pontos

Não foi a primeira vez que a Superliga serviu de laboratório de experiências. Na temporada 97/98, quando a FIVB se empenhava em medidas duras para tentar diminuir o tempo de duração dos jogos, para atrair mais patrocinadores e o interesse da televisão pelo mundo, a Superliga lançou uma novidade também um pouco estranha. Os jogos eram disputados por tempo. Assim que estourassem o relógio determinado, os pontos que eram disputados com vantagem, passavam a ser disputados de forma direta, como um tie-break, até fechar a parcial em 15 pontos.

Obviamente, não foi para a frente. Porém, esse experimento serviu para inspirar a regra atual. Desde 99, em nível internacional, a nova regra dos 25 pontos estabelece a disputa ponto a ponto sem a vantagem. O tie-break permaneceu com 15 pontos diretos. No Brasil, o pioneiro da nova regra foi o Campeonato Paulista 1998. Tal fato aconteceu porque o estadual foi disputado antes da Superliga 98/99, primeira edição da competição com a regra dos 25 pontos.

Nos últimos anos, também pressionada pela televisão e patrocinadores, a FIVB também testou novas regras para tentar diminuir o tempo de duração dos jogos. Nos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016, os tempos técnicos foram abolidos. No Mundial de base sub-23 2017, os sets foram jogados em 15 pontos diretos, com vitória para a equipe que vencesse 4 parciais. Portanto, as partidas tinham até 7 sets de 15 pontos. No entanto, a proposta não avançou.

No link abaixo, você confere a final do Campeonato Paulista feminino de 1998, entre Leites Nestlé e BCN/Osasco, disputada pela 1ª vez na regra dos 25 pontos.

SUPERLIGA B 2021

Antes do feriado de Natal, a CBV – Confederação Brasileira de Vôlei divulgou a data de início da Superliga B (divisão de acesso da competição), além de confirmar os participantes dos dois naipes do torneio. O início da Superliga B está marcado para o próximo dia 23 de Janeiro de 2021, com a versão masculina. Ao todo, serão 8 participantes nas duas categorias. Os formatos da competição serão distintos.

No masculino, 8 equipes disputam um turno único na 1ª fase, com todos contra todos. As quartas-de-final e as semifinais serão decididas em melhor de três jogos. A grande final acontece em jogo único. Já no feminino, os clubes escolheram um formato de Grand Prix, com dois grupos com 4 equipes, com sedes distintas, sendo uma fase classificatória e outra fase final. As semifinais serão disputadas pelos dois melhores de cada grupo. A CBV aguarda a definição das sedes para divulgar a tabela da Superliga B feminina.

Participam da Superliga B, no naipe masculino, os seguintes times: Unimed/Aero (RN), Vôlei Futuro (SP), Anápolis Vôlei (GO), Upis/Brasília (DF), Juiz de Fora Vôlei (MG), Vila Nova (GO), Niterói Vôlei Clube (RJ), SMEL/ASPMA/Berneck (PR). Já na versão feminina, disputam a competição: Minas Náutico (MG), Bluvolei/FURB (SC), AFV/Franca (SP), Bradesco Esportes (SP), Itajaí Vôlei (SC), Valinhos (SP), Maringá (PR), Sesc RJ/Flamengo (RJ). Nas duas categorias, campeão e vice garantem vaga na Superliga 2021/2022, enquanto, 7º e 8º colocados, passam a disputar a Superliga C 2021.

Fonte: CBV

AS CONSEQUÊNCIAS DO BANIMENTO RUSSO

No último dia 17 de Dezembro, o CAS, Corte Arbitral do Esporte decidiu banir a Rússia de todas as competições esportivas por 2 anos, sob alegação de doping generalizado e obstrução de investigação. O caso se arrastava há quatro anos. A sentença também incluiu o direito a sediar eventos de qualquer modalidade. Até 2022, a Rússia não receberá eventos esportivos, como punição. Por incrível que possa parecer, ao saber da decisão, dirigentes russos comemoraram a sentença, em virtude da pena branda e do direito dos atletas “limpos” competirem sob bandeira neutra.

Para o vôlei, a sentença pode gerar algumas consequências imediatas como: a mudança da sede do Mundial masculino de 2022. Em 2018, a Rússia foi anunciada como sede do evento. Após a sentença do CAS, isso provavelmente mudará. A Federação Internacional de Vôlei (FIVB) ainda não se pronunciou. Assim que saiu a sentença pediu mais detalhes ao CAS. Dado que os últimos três Mundiais do naipe masculino foram na Europa, o blog aposta que a nova sede do Mundial de 22 será o Japão, ou até mesmo o Brasil.

Além disso, a FIVB precisa correr contra o tempo para tomar decisões importantes sobre a questão. Como ficará a participação dos russos na Liga das Nações durante o período de punição? Poderão os atletas russos competir na Liga das Nações sob bandeira neutra ou a Rússia perderá a vaga para outro país? Mais, será que a Federação Russa conseguirá formar uma equipe competitiva, tanto no masculino, quanto no feminino, excluindo os jogadores com caso de doping? E o que vale para os Jogos Olímpicos de Tóquio também será o mesmo para a Liga das Nações? É bom lembrar que a Rússia estava programada como sede da Ligas das Nações 2021 e 2022.

Outras questões podem ser levantadas por partes interessadas. Por exemplo, no caso dos esportes individuais é claro que a vaga olímpica conquistada pertence ao atleta. Porém, nos esportes coletivos, esse conceito poderá ser colocado em xeque. A classificação russa para os Jogos de Tóquio 2020, nos naipes masculino e feminino do vôlei, pertencem ao país. Portanto, passível de questionamento por outras federações. Afinal, a classificação olímpica pertence ao país ou aos atletas?

Existem várias saídas para esse imbróglio. Em 1992, nos Jogos de Barcelona, por se tratar de uma questão política, os russos competiram sob a bandeira neutra da Comunidade dos Estados Independentes (CEI). Mas ao que parece, a situação agora é outra: um grave caso de corrupção esportiva. Dependendo da decisão tomada pela FIVB, mais polêmicas poderão surgir. Em caso de eliminação da Rússia, sem poder competir sob bandeira neutra, como será decidida a seleção substituta? Um novo qualificatório olímpico ou um convite por índice técnico através do controverso novo ranking?

Em tempos de pandemia, não dá pra cravar com certeza como será o amanhã. O coronavírus já obrigou o Comitê Olímpico Internacional (COI) a adiar o seu maior evento esportivo por um ano. O calendário de competições das modalidades foi bagunçado. Há o risco de não acontecer as Olimpíadas. Não dá pra descartar a desistência de delegações em participar dos Jogos de Tóquio, mesmo que ele ocorra, ainda em plena pandemia, com plateia vazia. Logo, a eliminação russa é apenas uma das surpresas que poderão acontecer.

O 1º TURNO DA SUPERLIGA MASCULINA

Há poucos dias do fim de 2020, o 1º turno da Superliga Masculina foi encerrado com o confronto entre os principais favoritos ao título: Taubaté e Cruzeiro. Com uma vitória por 3×1, o Cruzeiro terminou a primeira metade da fase regular na liderança da competição. Apesar disso, o time mineiro teve uma derrota no turno, para o rival Minas, na 3ª rodada. Algo que não acontecia há muito tempo.

No entanto, como previsto antes do início da Superliga, a diferença técnica entre os grandes concorrentes ao título e as demais equipes foi a marca do 1º turno. Muitos jogos protocolares, com vitórias previsíveis, em que Taubaté e Cruzeiro se deram ao luxo de poupar jogadores. Competitividade mesmo, apenas no duelo entre eles e contra Minas e Campinas.

Falando nisso, a briga por vagas nos playoffs está quente! Sete equipes brigam por 4 vagas. Dependendo de quem sejam os classificados, podemos ter uma Superliga versão café com leite, no mata-mata, com times apenas dos estados de São Paulo e Minas. Um sinal da falta de representatividade de outros estados na competição. Porém, o bom trabalho realizado por essas duas federações deve ser destacado.

O candidato a estragar a festa de paulistas e mineiros, é a equipe do Apan/Blumenau de Santa Catarina. Também não pode deixar de ser citado a surpreendente campanha do Uberlândia/Gabarito. Como também é bom o Sesi/SP ficar atento ao risco de rebaixamento. Em décimo lugar, com 11 pontos, pela 1ª vez o Sesi ficou de fora da Copa do Brasil. A queda do investimento, explica boa parte desse resultado, até o momento.

COPA DO BRASIL

Encerrado o 1º turno, foram definidos os confrontos da Copa do Brasil 2021. A competição reúne os oito primeiros colocados do turno da Superliga 2020/2021, em partida única eliminatória. Assim, o 1º enfrenta o 8º, 2ºx 7º, 3ºx 6º 4ºx 5º. Os confrontos estão previstos para o dia 13 de Janeiro. As finais serão disputadas em uma sede específica, escolhida pela CBV. Abaixo você confere os duelos de quartas-de-final da Copa do Brasil 2021.

Sada/Cruzeiro (1º) x (8º) Vôlei Guarulhos

EMS/Taubaté (2º) x (7º) Apan/Blumenau

Vôlei Renata/Campinas (3º) x (6º) Vôlei Itapetininga

Fiat/Minas (4º) x (5º) Uberlândia/Gabarito

O JOGO DA RODADA – Sada/Cruzeiro assume liderança da Superliga

Pela temporada 2020/2021 da Superliga Masculina, em jogo válido pela última rodada do turno, o Sada/Cruzeiro venceu o EMS/Funvic/Taubaté, em disputa direta pela liderança da competição. Jogando em seus domínios, no ginásio do Riacho, em Contagem, o time celeste bateu o Taubaté, de virada, por 3×1, com parciais de 22/25, 25/20, 28/26, 25/22. O oposto Alan do Cruzeiro foi o maior pontuador do confronto com 23 pontos. Ele ainda foi eleito o melhor em quadra, em votação popular pela internet, com 28% dos votos.

Ao final da partida, ele comentou sobre o jogo, em entrevista ao SPORTV. “Os dois times jogaram muito bem, mas nós tivemos muito altos e baixos ao longo da partida. Nós soubemos sair destes momentos de dificuldades. No 1º set estávamos com a vantagem e deixamos eles virarem. Nas demais parciais entramos mais concentrados, sacamos bem, atacamos bem e bloqueamos bem, conseguimos neutralizar alguns pontos fortes deles”.

Com o resultado, o Taubaté perdeu a invencibilidade e a liderança na competição. Já o Cruzeiro, encerrou o turno da temporada, em 1º lugar, com 31 pontos, 10 vitórias e uma derrota, em 11 jogos. Na próxima rodada começa o returno da Superliga Masculina 2020/2021. O Taubaté enfrenta o Uberlândia/Gabarito, em casa, na terça-feira, 22 de Dezembro, às 19h, com transmissão do Canal Vôlei Brasil, enquanto o Cruzeiro recebe o Volei Guarulhos, em Contagem, também na terça-feira, 22 de Dezembro, às 20h, com transmissão do Canal Vôlei Brasil.

SADA/CRUZEIRO Cachopa (4), Alan (23), Conte (11), López (15), Isac (11), Otávio (8), Lukinha (L). Entraram: Pingo (1), Filipe (0). Técnico: Marcelo Mendez

EMS/FUNVIC/TAUBATÉ Bruninho (3), Filipe Roque (18), Maurício Borges (13), João Rafael (7), Maurício Souza (6), Lucão (13), Thales (L). Entraram: João Franck (5), Fabiano (0). Técnico: Javier Weber

OUTROS RESULTADOS – 11ª rodada do turno

Caramuru 0x3 Vôlei Renata/Campinas 23/25, 10/25, 14/25

Uberlândia 3×1 Vôlei Itapetininga 25/21, 23/25, 25/18, 25/21

Pacaembú Ribeirão 1×3 Apan/Blumenau 18/25, 21/25, 25/22, 16/25

Sesi/SP 1×3 Vôlei Guarulhos 23/25, 25/23, 23/25, 25/27

O oposto Alan em ação de ataque/Agência i7/Divulgação Sada