AS ESTATÍSTICAS DA SUPERLIGA MASCULINA

Após seis rodadas da temporada 2020/2021 da Superliga Masculina, já é possível realizar um panorama do desempenho individual dos atletas, com base nos dados estatísticos da CBV. Nesse momento da competição, o oposto Renan do Itapetininga lidera no quesito pontuação. Ao todo, ele já marcou 114 pontos, quase 30 pontos de diferença para o 2º colocado, Escobar do Minas, que marcou até agora 85 pontos.

Renan também lidera as estatísticas na média de pontos por set, com 6 pts. Nesses números, o oposto Franco do Blumenau aparece em 2º lugar, com média de 4,82. Na 3ª posição, está o jovem oposto Darlan do Sesi/SP, com 4,76 de média. Lembrando que tanto Franco, quanto Darlan, possuem jogos a cumprir em virtude da pandemia do coronavírus.

No fundamento ataque, dois centrais estão na frente com maior aproveitamento. São eles: Michel do Campinas e Lucão do Taubaté. O primeiro com 71% de eficiência e o segundo também com 71% de eficiência. A diferença fica nos critérios de desempate. O terceiro colocado é o argentino Conte do Cruzeiro com 67%.

No bloqueio, mais um central do Taubaté aparece entre os destaques. Trata-se de Maurício Souza com média de 1,29 pontos no fundamento por set. Nos números totais, Maurício Souza também lidera com 22 pontos de bloqueio na competição até o momento. Em 2º lugar, está o central Michel do Campinas, com 14 pontos totais. Em 3º, está o central Léo do Sesi/SP, com 13 pontos.

Já na recepção, a disputa pela liderança está entre os dois mais fortes concorrentes para a posição de líbero da seleção brasileira nos Jogos de Tóquio. No caso, o líbero Thales do Taubaté e o líbero Maique do Minas. Com 79% de eficiência no passe, Thales está em 1º, seguido de perto por Maique, com 77% de aproveitamento no fundamento.

Encerrando a leitura dos números da CBV, uma análise do serviço. Nos números totais, o ponteiro Rammé do Guarulhos lidera com 10 pontos no fundamento, seguido de Pinho do Uberlândia com 8 pontos. Em 3º lugar, com 7 pontos, está o levantador Bruninho do Taubaté. Já na média por set, a liderança pertence ao central Riad do Taubaté, com média de 1 ponto. Em 2º está o ponteiro Rammé com 0,53. Fechando o top 3, na média, aparece o ponteiro Álvaro do Cruzeiro com 0,5.

O time dos sonhos da Superliga Masculina 2020/2021, até agora, segundo a CBV, é formado pelo levantador Cachopa do Cruzeiro, o oposto Darlan do Sesi, os centrais Maurício Souza e Riad do Taubaté, os ponteiros Maurício Borges do Taubaté e Rammé do Guarulhos, e o líbero Maique do Minas.

Fonte: CBV

OS TÉCNICOS ARGENTINOS NO BRASIL

O voleibol brasileiro sempre teve as portas abertas para os nossos vizinhos argentinos. Seja dentro de quadra ou fora dela, eles sempre estiveram presentes em nossas competições. Nem por isso, a rivalidade entre os dois países na modalidade deixou de existir. No entanto, o intercâmbio entre os dois países contribuiu para o crescimento da excelência no esporte. O maior exemplo disso é a forte presença de técnicos argentinos na história da Superliga Masculina.

Em se tratando de história da Superliga, no naipe masculino, 5 treinadores argentinos já disputaram o certame. Com menor destaque, Jon Uriarte e Daniel Castellani. O primeiro comandou a Austrália no ciclo de 2000 a 2004, sendo vice-campeão da Superliga com o Minas na temporada 2004/2005. Mais tarde, na última década, ele voltou a ser técnico da seleção australiana masculina.

Já o segundo, Castellani, teve passagem turbulenta pelo Taubaté, na temporada 2018/2019, sendo substituído por Renan Dal Zotto. Após a sua saída, o Taubaté foi campeão da Superliga pela 1ª vez. Em seu currículo, consta o primeiro título europeu masculino da Polônia em 2009. Em comum entre Uriarte e Castellani, está a conquista da medalha de bronze pela Argentina, nos Jogos de Seul em 1988, como jogadores.

Os outros três treinadores com passagens por equipes brasileiras masculinas na Superliga disputam a atual edição da competição. São eles: Horácio Dileo, Marcelo Mendez, Javier Weber. Cada um deles, com currículos de fazer inveja a Bernardinho, José Roberto Guimarães e Bebeto de Freitas.

Marcelo Mendez (Divulgação FIVB)

Campeão de tudo com o Cruzeiro, a frente do projeto do Sada há mais de dez anos, atual treinador da seleção masculina da Argentina, Marcelo Mendez representa como ninguém o sucesso do intercâmbio técnico da Superliga, seja fora ou dentro de quadra. Seu legado para o vôlei brasileiro é tão importante, que ele foi cogitado a treinar a seleção nacional após a saída de Bernardinho.

Javier Weber/Divulgação FIVB

Único estrangeiro a ser campeão como treinador e jogador da Superliga Masculina, Javier Weber é um grande conhecido da modalidade no Brasil. Responsável pelo desenvolvimento de jovens talentos em seu país, ele despontou como técnico após conquistar a Superliga Masculina pela Unisul na temporada 2003/2004. Entre suas conquistas está o bronze em Seul como atleta, além da hegemonia nacional no vôlei argentino com o Bolívar, como treinador. Também esteve presente nos Jogos Olímpicos como treinador de seu país em 2008 e 2012.

Horácio Dileo/Divulgação Vôlei Renata

Atual campeão paulista pelo Campinas, Horácio Dileo já é uma figura constante na Superliga. No Brasil, desde 2016, Dileo alcançou a marca de mais de 130 jogos como técnico do Campinas. Profundo conhecedor de vôlei, seu trabalho foi reconhecido por ninguém menos que Marcelo Mendez, outro técnico argentino da Superliga. Atualmente, além de dirigir o Campinas, Dileo é assistente de Marcelo Mendez na seleção masculina da Argentina. Juntos, no ano passado, eles conquistaram o ouro no Pan de Lima.

O JOGO DA RODADA – Sesc/Flamengo conquista terceira vitória consecutiva

Pela Superliga Feminina 2020/2021, em jogo válido pela 3ª rodada da competição, o Sesc/Flamengo conquistou a terceira vitória consecutiva no torneio. Jogando fora de casa, na capital paulista, no ginásio Henrique Villaboin, o rubro-negro carioca venceu o Pinheiros, por 3×0, com parciais de 25/10, 25/14, 27/25. Após a partida, a levantadora Juma do Flamengo recebeu o troféu Viva Vôlei. Ela foi eleita a melhor em quadra, em votação popular pela internet, com 51% dos votos.

Em conversa com a assessoria de imprensa da CBV, Juma comentou sobre o desempenho do time contra o Pinheiros. “Não esperávamos uma vantagem tão grande. Conseguimos impor nosso ritmo desde o início, com um bom saque. Elas acabaram acionando muito pouco as centrais, o que ajudou bastante. Fico feliz com o reconhecimento e o troféu, mas não foi uma boa atuação só minha. Foi uma vitória do conjunto”.

Com o resultado, o Sesc/Flamengo manteve a invencibilidade na competição. Já o Pinheiros sofreu o terceiro revés, em 3 jogos. Na próxima rodada, na sexta-feira, 20 de Novembro, a equipe paulista joga contra o Praia Clube, às 19h30, em Uberlândia. O Sesc/Flamengo recebe o Curitiba Vôlei, no Rio, no ginásio Hélio Maurício, no sábado, 21 de Novembro, às 19h, com transmissão do SPORTV 2.

OUTROS RESULTADOS – 3ª rodada

Fluminense 1×3 Sesi/Bauru 16/25, 25/17, 21/25, 16/25

Curitiba Vôlei 1×3 Itambé/Minas 25/22, 15/25, 14/25, 21/25

São Caetano 0x3 Praia Clube 9/25, 10/25, 10/25

São Paulo/Barueri 0x3 Osasco/Audax 22/25, 20/25, 21/25

Brasília Vôlei 1×3 São José dos Pinhais 25/17, 20/25, 24/26, 17/25

A jovem Ana Cristina do Flamengo no ataque, ela marcou 12 pontos no jogo/Divulgação ECP

O JOGO DA RODADA – Sada/Cruzeiro se recupera de derrota para o Minas

Pela temporada 2020/2021 da Superliga Masculina, em jogo válido pela 4ª rodada da competição, o Sada/Cruzeiro recuperou-se da derrota para o Minas na rodada anterior. Jogando em Contagem, no ginásio do Riacho, em seus domínios, contra o Vôlei Renata de Campinas, o time celeste saiu de quadra com a vitória. O placar final do confronto ficou em 3×1, a favor dos cruzeirenses, com parciais de 25/21, 23/25, 28/26, 25/18.

O ponteiro cubano López do Cruzeiro foi o maior pontuador da partida com 23 pontos. Ele foi eleito em votação popular pela internet, o melhor em quadra, com 22% dos votos. Ao final do jogo, ele entregou o troféu Viva Vôlei para o técnico do seu time Marcelo Mendez, como reconhecimento pelo trabalho dele.

Com o resultado, o Vôlei Renata perdeu a invencibilidade no torneio. Já o Cruzeiro conquistou a terceira vitória, em 4 jogos. Na próxima rodada, no próximo sábado, 21 de Novembro, o Cruzeiro joga contra o Itapetininga, fora de casa, no ginásio Ayrton Senna, às 16h30, com transmissão do SPORTV 2. O Vôlei Renata recebe o Minas, em Campinas, no ginásio do Taquaral, no domingo, 22 de Novembro, às 21h30, também com transmissão do SPORTV 2.

SADA/CRUZEIRO Cachopa, Alan, Conte, López, Otávio, Pingo, Lukinha (L). Entraram: Rodriguinho, Álvaro. Técnico: Marcelo Mendez

VÔLEI RENATA/CAMPINAS Gonzalez, Vissoto, Temponi, Vaccari, Michel, Barreto, Bello (L). Entraram: Cristiano. Técnico: Horácio Dileo

OUTROS RESULTADOS – 4ª rodada

Sesi/SP 0x3 Uberlândia/Gabarito 18/25, 23/25, 23/25

América Vôlei 3×0 Pacaembú/Ribeirão 25/19, 25/10, 25/15

Caramuru 1×3 Itapetininga 20/25, 25/12, 26/28, 22/25

O central Pingo do Cruzeiro em ação de ataque/Divulgação Cruzeiro

A 1ª RODADA DA SUPERLIGA FEMININA

Começou a temporada 2020/2021 da Superliga Feminina. A rodada inaugural da competição aconteceu no início dessa semana, na última segunda e terça-feira, nos dias 9 e 10 de Novembro. No total, foram 6 jogos, válidos pela 1ª rodada do torneio. Confira abaixo um panorama da abertura da Superliga Feminina.

1ª rodada

Na segunda, 9 de Novembro, em Curitiba, no ginásio do Colégio Positivo, o Curitiba Vôlei recebeu o Osasco/Audax de Tandara, no primeiro jogo da temporada. O atual campeão paulista encontrou dificuldades, mas saiu de quadra com a vitória. O placar final do jogo ficou em 3×1, para o Osasco, com parciais de 25/19, 17/25, 25/22, 25/13. Destaque para o bloqueio osasquense que alcançou a marca impressionante de 24 pontos diretos no fundamento.

Na sequência da rodada, ainda na segunda, na capital paulista, o Pinheiros enfrentou o Sesi/Bauru. Na estreia do novo técnico da equipe, Rubinho, o Bauru quase deixou escapar a vitória por 3×0, mas conseguiu fechar a partida por esse placar, com parciais de 25/18, 25/17, 30/28. A ponteira Tifanny foi a maior pontuadora do jogo com 15 pontos.

A ponteira Tifanny no ataque/Divulgação ECP/Ricardo Bufolin

No fim da tarde de terça-feira, 10 de Novembro, no Rio de Janeiro, o Fluminense jogou contra o São Paulo/Barueri. No duelo de tricolores, melhor para o time paulista. Com grande atuação individual da ponteira Karina, o São Paulo do técnico José Roberto Guimarães venceu a partida, por 3×0, com parciais de 25/13, 25/19, 25/23.

No mesmo dia, um pouco mais tarde, o Itambé/Minas estreou na competição contra o São Caetano, fora de casa, no ABC Paulista, no ginásio Lauro Gomes. Sem dificuldades, o Minas derrotou o São Caetano pelo placar de 3×0, com parciais de 25/20, 25/15, 25/13. A central Thaísa do Minas foi a maior pontuadora do jogo com 13 pontos.

Ainda na terça, no Paraná, em São José dos Pinhais, no ginásio Ney Braga, foi a vez do Praia Clube entrar em quadra pela 1ª rodada da Superliga Feminina contra o time da casa. O atual tricampeão da Supercopa não tomou conhecimento do debutante da Superliga Feminina, com uma vitória convincente por 3×0, com parciais de 25/13, 25/16, 25/16.

Fechando a 1ª rodada, no Rio de Janeiro, no ginásio Hélio Maurício, o Sesc/Flamengo tomou um susto na primeira parcial do jogo com o Brasília Vôlei. Cometendo muitos erros, sem poder contar com Lorenne, o time de Bernardinho perdeu o 1º set, por 25/14. Com uma troca simples de levantadoras, o Sesc/Flamengo retomou o controle do jogo, fechando a partida em 3×1. A líbero estreante Marcelle, quarta opção do elenco para a posição, entrou no jogo, sendo eleita a melhor em quadra pelos internautas.

O Flamengo em comemoração de ponto/Divulgação Flamengo/Paula Reis

Fonte: CBV

SUPERLIGA FEMININA 2020/2021

Começa nesta segunda-feira, 9 de Novembro, a 27ª edição da Superliga Feminina. Pela 1ª rodada da competição, dois jogos acontecem hoje. Na capital paranaense, no ginásio do Colégio Positivo, às 19h, o Curitiba Vôlei recebe o Osasco, com transmissão do Canal Vôlei Brasil, no primeiro jogo da temporada. No complemento da 1ª rodada, ainda hoje, às 21h30, na cidade de São Paulo, no ginásio Henrique Villaboim, o Pinheiros enfrenta o Sesi/Bauru, com transmissão do SPORTV 2.

Amanhã, 10 de Novembro, a rodada segue com mais 4 jogos. Às 17h, com transmissão do Canal Vôlei Brasil, no Rio de Janeiro, o Fluminense joga contra o São Paulo/Barueri. Na sequência, às 19h, com transmissão do SPORTV 2, no ginásio Lauro Gomes, em São Caetano, o time da casa entra em quadra contra o Itambé/Minas.

Fechando a rodada, mais duas partidas. No Paraná, em São José dos Pinhais, às 20h, com transmissão do Canal Vôlei Brasil, o atual tricampeão da Supercopa, Praia Clube estreia na Superliga, fora de casa, diante do São José dos Pinhais, debutante na competição. Mais tarde, às 21h30, com transmissão do SPORTV 2, o Sesc/Flamengo, time do técnico Bernardinho, enfrenta o Brasília Vôlei, também pela 1ª rodada da temporada.

Disputa do título

Apesar da pandemia do coronavírus, o cenário da disputa da Superliga Feminina não sofreu tantas alterações em relação ao naipe masculino. A grande novidade da temporada, é a fusão do Sesc/RJ com o Flamengo. Apesar disso, em comparação com a última edição da Superliga, o pelotão de frente favorito ao título manteve-se intacto. Compõem esse grupo, com chances maiores ou menores de conquista do troféu da temporada, 5 equipes. São elas: Praia Clube, Itambé/Minas, Sesc/Flamengo, Osasco/Audax e Sesi/Bauru.

Pela disputa de vagas nos playoffs, um segundo pelotão formado por quatro times deve brigar entre si por 3 vagas nas fase eliminatória da competição. São elas: São Paulo/Barueri, Fluminense, Curitiba Vôlei e Pinheiros. Por fim, São Caetano, São José dos Pinhais e Brasília formam o terceiro pelotão da Superliga Feminina 2020/2021. As três equipes lutam contra o rebaixamento.

PELA 2ª VEZ, EM UMA SEMANA, PRAIA CLUBE CONQUISTA TÍTULO

Pela Supercopa Feminina de Vôlei, na abertura da temporada da Superliga, o Praia Clube de Uberlândia conquistou o tricampeonato consecutivo da competição. Anteriormente, em 2018 e 2019, a equipe do Triângulo Mineiro foi campeã contra Osasco e Minas, respectivamente. Neste ano, jogando em Campo Grande (MS), na decisão do título, diante do Sesc/Flamengo, o Praia bateu o time de Bernardinho por 3×1, com parciais de 25/16, 23/25, 25/21, 25/18. Com o resultado, o Praia conquistou o seu segundo título na temporada. Na semana passada, o time de Uberlândia venceu o Troféu Super Vôlei também contra o Sesc/Flamengo.

Após a vitória, a levantadora Claudinha do Praia comentou sobre a conquista do título e os desafios da temporada com a assessoria da CBV. “Sabemos que ainda temos muito a evoluir. Hoje foi um jogo de altos e baixos, mas a força da nossa equipe está fazendo muita diferença. Quando uma cai um pouco, outra bem, coloca pra cima e a força da equipe é algo que vem sendo fundamental. Que venham cada vez mais, vamos enfrentar muitas dificuldades pela frente, sabemos disso, mas temos um grupo muito forte para superar tudo isso”.

DENTIL/PRAIA CLUBE Claudinha, Martínez, Walewska, Carol, Garay, Buijs, Suelen (L). Entraram: Monique, Mari Paraíba, Michelle, Laís (L). Técnico: Paulo Coco

SESC/FLAMENGO Fabíola, Lorenne, Juciely, Milka, Amanda, Sabrina, Drussyla (L). Entraram: Gabirú, Juma. Técnico: Bernardinho

O tricampeão da Supercopa/Divulgação CBV/Célio Messias/Inovafoto

A 1ª RODADA DA SUPERLIGA MASCULINA

Teve início a temporada 2020/2021 da Superliga Masculina. A rodada inaugural da competição aconteceu no fim de semana, sendo encerrada na última terça-feira, 3 de Novembro. O jogo entre Itapetininga e Blumenau foi adiado para o dia 18 de Novembro. O time do interior paulista sofreu um surto de coronavírus no fim de Outubro, tendo sua partida da 1ª rodada adiada. O Itapetininga ainda ficou de fora do Super Vôlei em virtude do COVID-19. Confira abaixo um panorama da abertura da Superliga Masculina.

1ª Rodada

No sábado, 31 de Outubro, em Ribeirão Preto, na Cava do Bosque, o Pacaembú/Ribeirão recebeu o Fiat/Minas, no primeiro jogo da temporada. O atual vice-campeão mineiro não teve dificuldades para vencer por 3×0, fora de casa. O oposto cubano Escobar foi o maior pontuador do confronto, com 13 pontos. Pelo Ribeirão, André Luiz anotou 8 pontos.

Na sequência da rodada, ainda no sábado, o Sesi/SP enfrentou o Caramuru, dentro de casa, na Vila Leopoldina, em São Paulo. Sob o comando de Marcelo Negrão, com uma equipe renovada, o Sesi/SP estreou com vitória na Superliga. O placar final do duelo ficou em 3×1, com parciais de 25/16, 25/21, 21/25, 25/21, a favor da equipe do bicampeão mundial Murilo.

No domingo, em Guarulhos, o Cruzeiro não deu chances ao mandante estreante na história da Superliga. Poupando o ponteiro Conte e o central Isac, o Cruzeiro venceu com autoridade, por 3×0, com parciais de 25/19, 25/21, 25/19. O oposto Alemão do Guarulhos foi o grande destaque individual do jogo. Ele anotou 16 pontos. Pelo Cruzeiro, o também oposto Alan marcou 14 pontos.

Anteontem, em Montes Claros, foi a vez de América e Vôlei Renata/Campinas entrarem em quadra. Desfalcado do ponteiro Vaccari, o atual campeão paulista encontrou alguma resistência, mas bateu o América, fora de casa, por 3×1, com parciais de 25/18, 21/25, 25/19, 25/17. O ponteiro Bruno Temponi do Campinas foi apontado pelo GE como o fator de desequilíbrio do jogo.

Ainda na terça-feira, 3 de Novembro, o Taubaté, bicampeão da Supercopa e do Super Vôlei, jogou fora de casa, em Uberlândia, contra a equipe da casa. O time de Bruninho e Lucão tomou um susto na segunda parcial, mas saiu de quadra com a vitória. O placar da partida ficou em 3×1, com parciais de 27/25, 23/25, 25/16, 25/18. Uma curiosidade do jogo foi o sistema tático adotado pelo Uberlândia/Gabarito. Contrariando as convenções atuais, o time dirigido por Manoel Honorato, pai do ponteiro Honorato do Minas, entrou em quadra jogando em 4×2. Algo improvável no naipe masculino há muito tempo na modalidade.

PRAIA CLUBE É CAMPEÃO DO SUPER VÔLEI

Pelo Troféu Super Vôlei, na abertura da temporada nacional de clubes no naipe feminino, o Dentil/Praia Clube conquistou seu 1º título na temporada. Em 2020, na semana passada, o time de Uberlândia perdeu a decisão do Campeonato Mineiro para o Itambé/Minas. Ontem, jogando em Saquarema, no CDV, Centro de Treinamento de Voleibol, na final do Super Vôlei, o Praia derrotou o Sesc/Flamengo, por 3×0, com parciais de 25/22, 25/14, 27/25.

A ponteira Garay do Praia, grande destaque da final, foi eleita pela terceira vez consecutiva na competição, em 3 jogos, a melhor em quadra. Após a decisão, ela conversou com a assessoria da CBV sobre o seu desempenho e de sua equipe. “Estou muito feliz e orgulhosa de toda a equipe. Quero agradecer também aos torcedores que votaram nesses três jogos. Esse foi meu primeiro torneio depois de muito tempo e fico feliz com o que apresentamos como grupo. A entrega do time foi algo que me orgulhou muito. Acredito que estamos no caminho certo”.

O Troféu Super Vôlei foi criado para suprir a não realização dos playoffs da temporada 2019/2020 da Superliga, que foram cancelados em virtude da pandemia do COVID-19.

SESC/FLAMENGO Fabíola, Lorenne, Amanda, Ana Cristina, Milka, Juciely, Camila (L). Entraram: Sabrina, Gabirú, Valquíria, Juma. Técnico: Bernardinho

DENTIL/PRAIA CLUBE Claudinha, Martínez, Garay, Buijs, Carol, Walewska, Suelen (L). Entraram: Mari Paraíba, Michelle, Monique. Técnico: Paulo Coco

A campanha do título

Quartas-de-final

29/10 Praia Clube 3×1 Curitiba Vôlei 25/20, 22/25, 25/23, 25/16

Semifinal

30/10 Praia Clube 3×1 Osasco/Audax 26/24, 25/22, 23/25, 25/21

Final

31/10 Sesc/Flamengo 0x3 Praia Clube 22/25, 14/25, 25/27

A equipe campeã do Super Vôlei/Divulgação CBV/Wander Roberto/Inovafoto

PELA SUPERCOPA, TAUBATÉ É BICAMPEÃO

Pela Supercopa Masculina de Vôlei, na abertura da temporada da Superliga, o EMS/Funvic/Taubaté conquistou o bicampeonato consecutivo da competição. No ano passado, o time do Vale do Paraíba foi campeão do torneio com uma vitória por 3×1 contra o Cruzeiro. Em 2020, jogando em Campo Grande (MS), reeditando a final do ano anterior, o Taubaté bateu o Cruzeiro novamente. Dessa vez, por 3×2, com parciais de 19/25, 25/21, 30/28, 14/25, 15/11. Com o resultado, o Taubaté conquistou o seu segundo título na temporada. Na semana passada, o time de Bruninho e Lucão venceu o Troféu Super Vôlei.

Ao fim do confronto, o levantador Rapha do Taubaté, que entrou no lugar de Bruninho ao longo da partida, por motivo de uma contusão, comentou sobre o jogo decisivo contra o Cruzeiro com a assessoria da CBV. “Mais um jogo muito difícil. Nossos jogos contra o Cruzeiro são sempre assim. No Troféu Super Vôlei vencemos por 3×0, mas aquilo não era o que representa esse duelo. Hoje, estávamos preparados para um jogo diferente, longo. Nós temos um grupo fantástico, que está de parabéns, todo mundo se ajudou o tempo inteiro e estou muito feliz por estar saindo daqui com esse título”.

EMS/FUNVIC/TAUBATÉ Bruninho, Filipe Roque, Maurício Souza, Lucão, Maurício Borges, João Rafael, Thales (L). Entraram: Yudi, Gabriel, Fabiano, Raphael. Técnico: Javier Weber

SADA/CRUZEIRO Cachopa, Alan, Isac, Otávio, López, Conte, Lukinha (L). Entraram: Rhenrick, Oppenkoski, Rodriguinho. Técnico: Marcelo Mendez

O campeão da Supercopa/Divulgação CBV/Inovafoto/Célio Messias