O PRIMEIRO TÍTULO DO MINAS TÊNIS NA SUPERLIGA FEMININA

Em 2002, o Minas conquistou seu primeiro título da Superliga Feminina. O resultado foi fruto de um investimento da patrocinadora MRV, que durou quase dez anos. Para finalmente levantar a taça da competição, em 2002, o Minas reforçou-se com dois ícones do voleibol brasileiro feminino da época: Érika e Elisângela. Elas juntaram-se com a base do time formado em temporadas anteriores. Nada mais nada menos que Fofão, Pirv e Ângela Moraes. Pronto, estava completo o time favorito ao título da competição.

O time titular do Minas na temporada 2002: Fofão, Ângela Moraes, Érika, Ana Maria Volponi, Marina, Elisangela e Pirv.

Para completar o quadro, de uma grande temporada para o Minas, naquela edição de Superliga Feminina, o clube de Belo Horizonte inaugurou a sua nova Arena. A construção durou quase três anos. Quando da abertura das novas instalações, ficou claro o salto de qualidade do Minas. A nova Arena em nada ficou devendo aos principais complexos esportivos internacionais. Padrão de primeiro de mundo.

A Arena do Minas, inaugurada em 2002

Antes do início da temporada, era evidente que a única equipe capaz de derrubar o favoritismo do Minas seria o BCN/Osasco de José Roberto Guimarães, Virna, Carol Albuquerque, Valeskinha, Paula e Jaqueline. Além disso, um fato curioso aconteceu, pela primeira vez em anos, a Superliga teve o início marcado para o mês de Janeiro. A competição sofria com uma crise econômica, calotes de clubes de futebol, diminuição de participantes e baixo número de estrangeiros.

O time do Minas no pódio

Apenas 8 equipes disputaram o título da temporada: MRV/Minas, BCN/Osasco, Rexona, Campos, Macaé, Pinheiros, São Caetano e Buettner. O Minas liderou a fase regular. Porém, ao contrário do que se imaginava, a competição foi equilibrada. A surpresa da temporada foi a equipe de Macaé, que ficou em 5º lugar geral, graças ao desempenho da oposta Bia, quase desbancando Rexona e Campos do G4. Outro detalhe curioso é que essa foi a primeira vez que Bernardinho não dirigiu a equipe do Rexona. Ele resolveu dedicar-se exclusivamente à seleção brasileira masculina, sendo manager da equipe do Rexona. Em seu lugar no comando, entrou Hélio Griner.

Sem surpresas, o título da temporada foi decidido por Minas e BCN. No entanto, na série melhor de três, no primeiro jogo, o Minas fez uma partida abaixo das expectativas, sendo derrotado com facilidade, no ginásio José Liberatti, pelo Osasco, por 3×0, com parciais de 25/15, 25/18, 25/20. Paula Pequeno foi a maior pontuadora do confronto com 17 pontos. No link abaixo, você acessa o jogo 1 das finais.

Para complicar a situação do Minas, no jogo 2 da série, o Osasco abriu 2×0 no placar. Ou seja, o time foi derrotado em cinco parciais consecutivas. O título da temporada parecia escapar, mas em uma recuperação impressionante, o Minas virou o jogo 2 da série melhor de três, para 3×2, provocando o terceiro jogo, sem Pirv, contundida, e Érika em grande jornada. No link abaixo, você acessa o jogo 2 das finais.

Abalado, o BCN não teve forças para superar um Mineirinho lotado. Com o total controle da partida, o Minas foi campeão da Superliga Feminina 2002, pela primeira vez na história, com um triunfo por 3×1, e grande atuação da ponteira romena Cristina Pirv. No link abaixo, você acessa o jogo 3 das finais.

PLAYOFFS – Pelas finais da Superliga, Praia larga na frente

O Praia Clube saiu na frente nas finais da Superliga Feminina 2020/2021. Pelo 1º jogo das finais, disputada no Centro de Desenvolvimento do Vôlei, na “bolha” de Saquarema, a equipe do Triângulo Mineiro derrotou o Itambé/Minas. Com o resultado, o Praia ficou a uma vitória do título da temporada. Além disso, quebrou uma invencibilidade de 23 vitórias do Minas na temporada. Caso conquiste um novo triunfo contra o Minas, no jogo 2 da série melhor de três, o Praia será bicampeão da Superliga Feminina. Anteriormente, o Praia foi campeão da competição na temporada 2017/2018.

No primeiro jogo das finais da Superliga Feminina 2020/2021, o Praia foi superior ao Minas principalmente no serviço. A levantadora minastenista Macris teve dificuldades para trabalhar bolas de velocidade. Com grande atuação da dominicana Martínez, maior pontuadora do confronto, com 22 pontos, o Praia venceu a partida, por 3×1, com parciais de 25/21, 25/12, 21/25, 25/22.

A oposta dominicana Martínez do Praia, maior pontuadora do jogo 1/Divulgação CBV/Inovafoto/Wander Roberto

A ponteira Michelle do Praia foi eleita a melhor atleta em quadra, em votação popular pela internet, sendo premiada com o troféu Viva Vôlei. Ao final do duelo, Michelle conversou com a assessoria da CBV sobre a vitória de sua equipe no primeiro jogo das finais.

“A gente deu um passo hoje, mas não pode achar que tem alguma coisa ganha porque a gente saiu na frente, e esquecer que lá do outro lado é um time que estava praticamente invicto na temporada inteira, atropelando todo mundo. Então, a gente sabe que está aberta a série, tem mais dois jogos para definir o campeão da Superliga, e a gente em nenhum momento vai deixar de acreditar que é possível levar esse título para Uberlândia. Mas sabendo que a gente vai ter que lutar muito e ter a cabeça no lugar porque ainda não tem nada ganho”.

O próximo jogo das finais entre Itambé/Minas e Dentil/Praia Clube acontece neste sábado, 3 de Abril, no Centro de Desenvolvimento do Vôlei (CDV), em Saquarema, no estado do Rio de Janeiro, às 21h, com transmissão do SPORTV 2. O Minas precisa vencer para prorrogar a decisão do título para o terceiro jogo da série, caso contrário, o Praia Clube será o campeão da temporada.

Fonte: CBV

AS FINAIS DA SUPERLIGA FEMININA

Começam hoje as finais da Superliga Feminina 2020/2021. Minas e Praia decidem o título da temporada. A disputa acontecerá em série melhor de três jogos. Pela segunda vez na história da competição, o troféu será decidido por duas equipes mineiras. Na edição 2018/2019, Minas e Praia também disputaram o título. O Minas foi campeão da Superliga após 17 anos de jejum. Se vencer novamente, o Minas será tricampeão da competição. Se der Praia, a equipe do Triângulo Mineiro será bicampeã. Confira abaixo alguns detalhes das finais da Superliga Feminina 2020/2021.

Itambé/Minas x Dentil/Praia Clube

Líder da fase regular, há 23 jogos sem perder, o Minas é o favorito ao título da temporada. No entanto, ao que parece, o Minas terá um desafio pela frente nas finais da Superliga. Capitaneado pela levantadora Macris, o Minas sentiu nas semifinais contra o Bauru, o desempenho abaixo da média da oposta norte-americana Cuttino. Retornando de contusão, ela esteve apagada na série melhor de três, até a quarta parcial do jogo 2, quando foi o fator de desequilíbrio do Minas diante do Bauru. Portanto, será decisivo para a levantadora Macris ter a sua oposta com um bom rendimento nas finais contra o Praia.

A oposta do Minas, Danielle Cuttino/Divulgação CBV/Wander Roberto/Inovafoto

Maior investimento da temporada, o Praia Clube conta com o melhor elenco da competição. Sem cerimônia, o técnico Paulo Coco sempre mexe em sua equipe quando necessário. Na fase eliminatória da Superliga, essa foi a tônica do time nas quatro vitórias contra o São Paulo/Barueri e o Osasco. Sem o favoritismo nas finais contra o Minas, o elenco do Praia pode fazer a diferença. Ao contrário do rival, o Praia possui peças de reposição para todas as posições. A principal substituição utilizada por Paulo Coco é a passagem do fundo de quadra da ponteira holandesa Buijs. Se ele obtiver sucesso nas substituições, o Praia poderá desbancar o favorito Minas nas finais.

O elenco do Praia, campeão do Supervolei 2020, em Saquarema/Divulgação CBV/Wander Roberto/Inovafoto

FINAIS

01/04 20:00 Minas x Praia

03/04 21:00 Praia x Minas

Se necessário

05/04 21:00 Minas x Praia

*Todos os jogos serão transmitidos pelo SPORTV 2

PLAYOFFS – De virada, Minas garante vaga nas finais da Superliga Feminina

O Itambé/Minas garantiu presença nas finais da Superliga Feminina 2020/2021. Jogando na “bolha” de Saquarema, no CDV, a equipe mineira derrotou o Sesi/Bauru, pela segunda vez na série melhor de três. Com o resultado, o Minas conquistou a 23ª vitória consecutiva na competição. O time não é derrotado desde o jogo com o Osasco, no último mês de Novembro, pela 6ª rodada do turno. Além disso, com a classificação para as finais, o Minas reedita a final da Superliga Feminina 2018/2019 contra o Praia. Será a segunda vez na história da competição, que o título do torneio é decidido por duas equipes mineiras.

No jogo de hoje, ao contrário do previsto, o Minas encontrou muitas dificuldades para bater o Bauru. Com uma atuação decisiva da oposta norte-americana Danielle Cuttino, o Minas virou o jogo, após estar perdendo por 2×1. O placar final da partida contra o Bauru ficou em 3×2, com parciais de 17/25, 25/22, 17/25, 25/17, 15/8, a favor do Minas. Pela 2ª vez na série melhor de três entre as duas equipes, a ponteira Tifanny do Bauru foi a maior pontuadora do confronto, com 24 pontos. Pelo Minas, Danielle Cuttino foi o destaque na pontuação, com 22 pontos.

Ao final do jogo, a central Thaísa do Minas foi eleita a melhor atleta do jogo, em votação popular pela internet, recebendo o troféu Viva Vôlei. Em conversa com a assessoria da CBV, ela analisou a partida. “Sabíamos que seria um jogo digno de uma semifinal como realmente aconteceu na partida de hoje. Elas entraram com tudo porque era a última chance. O Sesi Vôlei Bauru sacou muito bem, mas nos juntamos e jogamos como equipe. Todas no nosso time jogaram juntas por um único objetivo e esse foi o diferencial da partida”.

A central Thaísa do Minas/Divulgação CBV/Inovafoto/Wander Roberto

Com a presença garantida nas finais, o Minas está em busca do seu terceiro título na temporada. Além do Campeonato Mineiro 2020, em 2021, no mesmo Centro de Desenvolvimento do Vôlei, em Saquarema, o Minas foi campeão da Copa do Brasil. Na ocasião, o Minas derrotou o Praia, mesmo adversário da final da Superliga Feminina 2020/2021, pelo placar de 3×2.

PLAYOFFS – Pela 4ª vez, Praia é finalista da Superliga

O Praia Clube é finalista da Superliga Feminina 2020/2021. Pelas semifinais da competição, jogando na “bolha” de Saquarema, no CDV, a equipe do Triângulo Mineiro derrotou o Osasco, pela segunda vez na série melhor de três. Com o resultado, o Praia conquistou a classificação para as finais da competição pela 4ª vez em sua história. Anteriormente, o time de Uberlândia foi finalista da Superliga Feminina nas temporadas 2015/2016, 2017/2018, 2018/2019.

No jogo decisivo de hoje, o Praia não deu chances para o adversário. Com força no serviço e bloqueio, o Praia bateu o Osasco, por 3×0, com parciais de 25/12, 25/18, 25/22. A oposta Tandara do Osasco foi a maior pontuadora da partida, com 17 pontos. Pelo Praia, destacaram-se na pontuação a oposta dominicana Martínez e a central Carol, com 16 pontos cada.

Ao final do duelo, a central Carol foi eleita a melhor em quadra, pela 2ª vez na série contra o Osasco, com 36% dos votos, em escolha popular pela internet. Ela foi premiada com o troféu Viva Vôlei. Em conversa com o SPORTV, Carol analisou a performance de sua equipe.

“Primeiro, eu acho que nosso time está de parabéns. Nosso mérito é jogar em equipe. Todo mundo que entra contribui bastante. Mas, o time de Osasco também é muito forte. É um time muito bom, a gente sabia que seria difícil, senão entrasse para decidir. O saque foi fundamental para não deixar a Roberta jogar com a bola na mão. Agora é descansar para jogar essa final”.

Com a conquista da classificação para as finais, o Praia está em busca do seu segundo título de Superliga Feminina. Na temporada 2017/2018, contra o Sesc, a equipe de Uberlândia foi campeã da competição, pela 1ª vez. O adversário da final sairá do confronto entre Minas e Bauru. O Minas lidera a série melhor de três, após vitória no jogo 1, por 3×1.

A central Carol do Praia/Divulgação CBV

A 1ª RODADA DAS SEMIFINAIS DA SUPERLIGA FEMININA

Na última sexta-feira, 26 de Março, aconteceu a 1ª rodada das semifinais da Superliga Feminina 2020/2021. Em virtude da pandemia do coronavírus, os confrontos entre Minas x Bauru e Praia x Osasco, foram realizados no Centro de Desenvolvimento do Vôlei da CBV, em Saquarema, no Rio de Janeiro. O segundo jogo da série melhor de três, dos dois confrontos, também está previsto para ocorrer na “bolha” de Saquarema, neste Domingo, 28 de Março, a partir das 19h, com transmissão do SPORTV 2.

Semifinais

Abrindo a série semifinal melhor de três jogos em Saquarema, Praia e Osasco entraram em quadra, tendo como mandante, o Osasco. Em uma partida decidida apenas no tie-break, o Praia saiu na frente na série, com uma vitória por 3×2, com parciais de 25/21, 19/25, 18/25, 25/17, 15/12. A oposta Tandara do Osasco foi a maior pontuadora do confronto, com 34 pontos. Pelo Praia, a dominicana Martínez foi o destaque individual na pontuação. Ela anotou 23 pontos.

A central Carol do Praia marcou 7 pontos de bloqueio, sendo eleita a melhor em quadra, em votação popular pela internet. Ao final do jogo, ela conversou sobre a partida com a assessoria da CBV. “Estou muito feliz com a postura do nosso time. Todas as jogadoras se entregaram bastante. O Osasco é um time de muita qualidade e sabíamos que seria difícil. Agora é descansar e estudar ainda mais o time delas para repetirmos a vitória no segundo jogo. Vencemos a primeira batalha, mas sabemos que nada está definido”.

Com o resultado, o Praia ficou a uma vitória das finais da Superliga Feminina 2020/2021. O jogo que pode selar a classificação do Praia para a final da competição acontece neste Domingo, 28 de Março, às 19h, com transmissão do SPORTV 2.

A equipe do Praia Clube de Uberlândia/Wander Roberto/Inovafoto/Divulgação CBV

Fechando a 1ª rodada das semifinais da Superliga Feminina, o Minas confirmou o favoritismo contra o Sesi/Bauru. Jogando com o mando de quadra, o líder da fase regular derrotou a equipe de Dani Lins e Polina Rahimova, por 3×1, com parciais de 25/22, 24/26, 25/19, 25/17. A ponteira Tifanny do Bauru foi a maior pontuadora do confronto, com 22 pontos. Pelo Minas, a central Thaísa e a ponteira Pri Daroit empataram na liderança da pontuação de sua equipe, com 21 pontos cada.

A ponteira Pri Daroit do Minas, destaque da partida/Wander Roberto/Inovafoto/Divulgação CBV

Ao final do duelo contra o Bauru, Pri Daroit recebeu o troféu Viva Vôlei, de melhor atleta do jogo, após votação popular na internet. Em conversa com a assessoria da CBV, Pri Daroit falou sobre a sua satisfação em jogar com a levantadora Macris. “É muito bom ter a Macris como levantadora e todo mundo consegue ver a velocidade que ela imprime no jogo e isso nos ajuda muito. Sabemos que essa foi uma vitória muito importante, temos que comemorar hoje, ficar feliz, mas amanhã já é outro dia e temos que começar a pensar no jogo de domingo porque Bauru é um time com excelentes atletas, com muita qualidade e sabemos que não vai ser fácil esse segundo jogo”.

Com o resultado, o Minas precisa vencer o próximo jogo com o Bauru, para conquistar um lugar nas finais da Superliga Feminina 2020/2021. A partida decisiva está marcada para este Domingo, 28 de Março, às 21h30, com transmissão do SPORTV 2.

Fonte: CBV

AS SEMIFINAIS DA SUPERLIGA FEMININA

Começa hoje, 26 de Março, em Saquarema, no CDV, a fase semifinal da Superliga Feminina 2020/2021. Minas, Praia, Osasco e Bauru disputam 2 vagas nas finais. Líder da fase regular, o Minas enfrenta o Bauru. O outro confronto acontece entre Praia e Osasco. As finais da Superliga Feminina serão disputadas no Centro de Desenvolvimento do Vôlei em virtude da pandemia do coronavírus. Confira abaixo alguns detalhes dos duelos de semifinais da Superliga Feminina 2020/2021.

Itambé/Minas x Sesi/Bauru

Um duelo particular entre duas levantadoras da seleção brasileira é o destaque do confronto entre Minas e Bauru. Dani Lins, campeã olímpica, do Bauru, contra Macris, do Minas, e atual levantadora titular do Brasil. Enquanto Dani Lins sustenta todo o seu jogo na oposta azeri Polina Rahimova, Macris distribui suas bolas de forma criativa, equânime, com variação de jogadas, com duas torres no meio, as centrais Thaísa e Carol Gattaz. Para vencer o confronto, será necessário sacar bem. Ou seja, o segredo do duelo está na performance de Macris e Dani Lins sem o passe na mão.

PLAYOFF SEMIFINAL

26/03 21:30 Minas x Bauru

28/03 21:30 Bauru x Minas

Se necessário

30/03 A definir Minas x Bauru

As finais da Superliga serão disputadas no CDV, em Saquarema, William Lucas/Inovafoto/Divulgação CBV

Osasco x Praia Clube

Teoricamente, Praia e Osasco realizam o confronto mais equilibrado da fase semifinal. Na temporada, os números não mentem, duas vitórias para cada lado. Mas, na Superliga, na fase regular, o Praia não conseguiu derrotar o Osasco. A favor da equipe de Uberlândia, está o retrospecto em jogos eliminatórios. Na Copa do Brasil e no Supervolei, nessa mesma fase, o Praia eliminou o Osasco. Dado o histórico de irregularidade dos dois times na temporada da Superliga, a série melhor de três está completamente aberta.

PLAYOFF SEMIFINAL

26/03 19:00 Osasco x Praia

28/03 19:00 Praia x Osasco

Se necessário

30/03 A definir Osasco x Praia

*Todos os jogos serão transmitidos pelo SPORTV 2

PLAYOFFS – Taubaté conquista classificação para semifinais da Superliga

O ponteiro Douglas Souza do Taubaté em ação de ataque/Divulgação Alex Sezko

Pela Superliga Masculina 2020/2021, em jogo válido pelas quartas-de-final da competição, o EMS/Funvic/Taubaté conquistou classificação para as semifinais do torneio. Jogando no ginásio Tancredo Neves, na cidade de Montes Claros, interior de Minas Gerais, com mando invertido, em virtude da pandemia, o Taubaté derrotou o América, por 3×0, com parciais de 25/18, 25/21, 25/21. Foi a segunda vitória na série melhor de três. Com o resultado, o América foi eliminado da Superliga Masculina 2020/2021.

No jogo decisivo de hoje, 20 de Março, o oposto Filipe Roque do Taubaté foi eleito o melhor do jogo, em votação popular na internet, sendo premiado com o troféu Viva Vôlei. Ao final da partida, ele conversou com a assessoria da CBV sobre o desempenho de sua equipe em relação ao jogo anterior. “Na partida anterior, tivemos muitos erros. Erramos muito saque, ataque principalmente a partir do segundo set e isso facilitou o lado deles. Hoje tiramos um pouco o erro e foi fundamental para conseguirmos a vitória. Sem dúvida isso facilitou nosso sistema e agora é já pensar na semifinal”.

Na próxima fase eliminatória da competição, o Taubaté terá pela frente o Vôlei Renata/Campinas. O confronto será decidido em melhor de três jogos. Na outra semifinal, o Fiat/Minas enfrenta o Vôlei Itapetininga. Todos esses jogos das semifinais acontecerão na “bolha” de Saquarema, no Centro de Desenvolvimento da CBV, em virtude da pandemia do coronavírus, entre os dias 7 e 12 de Abril.

Fonte: CBV

PLAYOFFS – No tie-break, Bauru elimina Sesc/Flamengo

A equipe do Bauru em comemoração de ponto/Divulgação CRF/Paula Reis

Pela Superliga Feminina 2020/2021, em partida válida pelas quartas-de-final da competição, o Sesi/Bauru eliminou o Sesc/Flamengo do técnico Bernardinho. Jogando no ginásio Hélio Maurício, na cidade do Rio de Janeiro, com mando invertido, em virtude da pandemia, o Bauru venceu pela segunda vez, na série melhor de três, contra o Flamengo. Com o resultado, o Bauru conquistou a classificação para as semifinais da Superliga Feminina.

No jogo decisivo de ontem, 19 de Março, o Bauru derrotou o Flamengo por 3×2, de virada, com parciais de 25/27, 25/18, 25/22, 19/25, 15/10, virando a série melhor de três, para 2×1. A oposta Lorenne do Sesc foi a maior pontuadora do confronto. Ela marcou 30 pontos. Pelo Bauru, a oposta Rahimova foi o destaque individual na pontuação, com 25 pontos. Ela ainda foi eleita, em votação popular pela internet, a melhor jogadora da partida.

Ao fim do jogo, Rahimova falou sobre o duelo decisivo contra o Flamengo, em conversa com a imprensa. “Os dois times tiveram chances de vencer. Nós nos superamos em quadra, as meninas se doaram. Nós tínhamos planejado jogar o terceiro jogo em Minas Gerais, mas por conta de toda a situação com restrições, optamos por continuar no Rio. Ficar concentrada no hotel nos deixou um pouco mais desgastadas, mas superamos todas as adversidades e conquistamos a vaga na semifinal”.

Na próxima fase eliminatória da competição, o Bauru terá pela frente o Itambé/Minas. O confronto também será decidido em melhor de três jogos. Na outra semifinal, o Osasco enfrenta o Praia Clube de Uberlândia. Todos esses jogos das semifinais e as finais serão disputados na “bolha” de Saquarema, no Centro de Desenvolvimento do Vôlei da CBV, em virtude da pandemia do coronavírus, entre os dias 26 de Março e 6 de Abril.

Fonte: CBV

A 2ª RODADA DOS PLAYOFFS DA SUPERLIGA MASCULINA

Na última quinta-feira, 18 de Março, foi encerrada a 2ª rodada dos playoffs da Superliga Masculina 2020/2021. Itapetininga, Minas e Campinas garantiram presença nas semifinais da competição. Resta a definição do confronto entre Taubaté e América. A terceira partida da série decisiva está marcada para Domingo, 21 de Março, às 11h30, com transmissão do SPORTV 2. Quem vencer estará classificado para as semifinais contra o Campinas. O outro confronto está definido entre Itapetininga e Minas.

2ª Rodada dos Playoffs

Na segunda, 15 de Março, em Blumenau, o Fiat/Minas assegurou vaga nas semifinais da Superliga Masculina, com a segunda vitória sobre o Apan/Blumenau na série melhor de três. O placar final do confronto ficou em 3×1, com parciais de 25/21, 25/16, 24/26, 30/28, a favor do time mineiro. Pela segunda vez na série, o oposto cubano Escobar do Minas foi eleito o melhor em quadra, por votação popular na internet.

Na terça, 16 de Março, no Triangulo Mineiro, foi a vez de Campinas e Uberlândia entrarem em quadra, pelo segundo jogo da série melhor de três. Em mais um confronto decidido no tie-break, o Campinas conquistou a segunda vitória contra o Uberlândia, com parciais de 25/21, 19/25, 17/25, 25/23, 19/17. O oposto Vissoto do Campinas teve grande atuação individual. Ele marcou 36 pontos, sendo 34 no ataque. Com o resultado, Campinas conseguiu classificação para as semifinais.

O oposto Vissoto ao centro, com o técnico Dileo à esquerda e o levantador Gonzalez à direita/Divulgação CBV

Na quarta-feira, 17 de Dezembro, em Contagem, no ginásio do Riacho, o improvável aconteceu. Depois de abrir 2×0 no jogo, o campeoníssimo Sada/Cruzeiro, favorito ao título da temporada, permitiu a virada do Itapetininga na partida. O placar final do jogo ficou em 3×2, para o Itapetininga, com parciais de 15/25, 18/25, 25/21, 25/23 e 18/16. Foi a segunda vitória do Itapetininga na série. Com o resultado, o Cruzeiro foi eliminado da competição.

O oposto Renan do Itapetininga enfrenta bloqueio triplo do Cruzeiro/Divulgação Sada/Cruzeiro

Ontem, 18 de Março, mais um resultado surpreendente nos playoffs de quartas-de-final da Superliga Masculina. Em um duelo disputado ponto a ponto, em Montes Claros, o América derrotou o Taubaté, por 3×2, também de virada, com parciais de 23/25, 23/25, 25/21, 27/25, 15/13. O time de Bruninho e Lucão bateu a incrível marca de 45 pontos em erros cedidos ao adversário. Com o resultado, o América empatou a série em 1×1, forçando a realização da terceira partida.

O oposto Lucas Borges do América, destaque individual do confronto, com 20 pontos, conversou com a imprensa após o jogo. “Foi muito bom conseguir reverter o placar jogando em casa. Fomos jogando cada ponto. Todos estavam muito empenhados. Acreditamos muito no nosso time e não nos entregamos. Este resultado, do jeito que conquistamos, nos deixa confiantes para o terceiro jogo”.

Fonte: CBV