BRASIL CLASSIFICADO PARA SEMIFINAL

GetImage-1
Lucão no ataque/Divulgação FIVB
A seleção brasileira de vôlei masculino fez uma excelente partida contra a Sérvia, venceu por 3×0 e garantiu vaga para as semi-finais da Liga das Nações Masculina. A vitória do Brasil, em sets diretos, com parciais de 25/16, 28/26, 25/19, teve como fator determinante o desempenho do bloqueio. O Brasil vinha sendo criticado pela baixa eficiência no fundamento, durante a competição. Contra os sérvios, foram 13 pontos no total. O central Lucão foi um destaques da partida, com 14 pontos. O maior pontuador do jogo foi o oposto Atanasijevic, da Sérvia, ao lado do oposto brasileiro Wallace, com 17 pontos. O Brasil aguarda o resultado dos próximos jogos para definir seu adversário na semi-final.
RESUMO
O Brasil iniciou a partida imprimindo seu ritmo de jogo. Assim como na partida anterior contra a França, a seleção brasileira estava aplicada taticamente. Dessa vez, com o auxílio do bloqueio, o Brasil parava o ataque da Sérvia. Com muita dificuldade na virada de bola, a Sérvia não foi páreo para o Brasil, 25/16. Os brasileiros voltaram para a segunda parcial com a mesma concentração. A Sérvia melhorou a sua eficiência no ataque após ajuste na recepção. O saque brasileiro fazia a diferença. O jogo ficou empatado até o 26º ponto, quando o Brasil definiu o 2º set, 28/26. O técnico Nikola Girbc fez alterações no seu time para o 3º set. Não deu certo. As substituições não mudaram o panorama do jogo. O Brasil era eficiente no saque, o bloqueio intimidava o ataque da Sérvia e a defesa brasileira subia bolas inacreditáveis. No fim, vitória do Brasil, 25/19.
BRASIL
Bruninho (2), Wallace (17), Lucão (14), Maurício Souza (9), Lucas Lóh (4), Douglas Silva (11), Thales (0). Entraram: William (0), Evandro (2), Éder (0). Técnico: Renan Dal Zotto
SÉRVIA
Jovovic (0), Atanasijevic (17), Lisinac (10), Prodascanin (4), Kovacevic (0), Ivovic (12), Majstorovic (0). Entraram: Katic (3), Mijailovic (0), Kostic (0), Okolic (0), Krsmanovic (0). Técnico: Nikola Girbc

BRASIL PERDE NA ESTREIA DA FASE FINAL

A seleção masculina de vôlei estreou na fase final da Liga das Nações com derrota. O Brasil enfrentou os franceses, donos da casa, em Lille, no estádio de futebol Pierre Mauroy. Os brasileiros perderam o jogo por 3×2, com parciais de 22/25, 25/20, 21/25, 25/22, 15/13. O ponta Maurício Borges lesionou o joelho direito e foi substituído por Douglas Silva, no 4º set. O oposto francês Boyer foi o destaque individual da partida com 25 pontos. Pelo lado brasileiro, o maior pontuador foi o oposto Wallace. Ele anotou 21 pontos. Com o resultado, o Brasil precisa vencer a Sérvia no próximo jogo, de preferência por 3×0 ou 3×1, para não depender dos outros. Caso perca, o Brasil estará eliminado.

RESUMO
O Brasil começou a partida aplicado taticamente. O bloqueio não marcava pontos diretos, mas amortecia e propiciava vários contra-ataques confirmados pelos brasileiros. O saque funcionava e dificultava a virada de bola francesa. O Brasil abriu larga frente no placar. Aos poucos, a França entrou no jogo, mas era tarde e o Brasil venceu o set. Na segunda parcial, o Brasil perdeu eficiência na virada de bola e a França cresceu. Os brasileiros ainda tentaram uma recuperação, mas o set era da França. O Brasil retomou a consistência do seu jogo no 3º set. A França tinha novamente dificuldades no ataque. Após abrir vantagem, os brasileiros foram ameaçados pelos franceses, porém conseguiram fechar a parcial, em 25/21. No 4º set, Maurício Borges saiu do jogo machucado. Douglas Silva entrou em seu lugar. O Brasil errou demais, a França ganhou confiança e o jogo ficou empatado mais uma vez. No tie-break, o levantador francês Toniutti jogou com o passe na mão a maior parte do tempo. O Brasil se perdeu em quadra. Ainda sim, a França quase permitiu o empate. No final, vitória francesa, 15/13.

FRANÇA
Toniutti (0), Boyer (25), Le Roux (8), Le Goff (8), Ngapeth (23), Tillie (0), Grebennikov (0). Entraram: Rossard (8), Brizard (0), Patry (0), Lyneel (1). Técnico: Tillie Laurent

BRASIL
Bruninho (3), Wallace (21), Isac (2), Lucão (8), Maurício Borges (6), Lucas Lóh (10), Thales (0). Entraram: William (1), Evandro (3), Maurício Souza (11), Douglas Souza (5), Éder (0). Técnico: Renan Dal Zotto

image
Franceses comemoram ponto/Divulgação FIVB

 

EUA É O PRIMEIRO CAMPEÃO DA LIGA DAS NAÇÕES

No último domingo, a seleção feminina americana de vôlei sagrou-se campeã da Liga das Nações Feminina, disputada em Nanjing, na China. Na grande final, os Estados Unidos bateram a Turquia, por 3×2, com parciais de 17/25, 25/22, 26/28, 25/15, 15/7 e tornaram-se os primeiros campeões da competição. A ponta americana Hill foi a maior pontuadora da final, ao lado da oposta turca Boz e da central Erdem, também da Turquia, com 20 pontos. A ponta/oposta Michele Bartsch dos Estados Unidos foi eleita MVP, melhor jogadora do campeonato. Após vitória sobre o Brasil, a seleção chinesa completou o pódio do torneio, ocupando o 3º lugar. A seleção da VNL, escolhida pela FIVB, foi composta por:

Levantadora: Osbay (Turquia)
Oposta: Tandara (Brasil)
Centrais: Erdem (Turquia), Dixon (EUA)
Ponteiras: Thing Zhu (China), Bartsch (EUA)
Líbero: Suellen (Brasil)

Disputada em um novo formato, a VNL é a principal competição anual da FIVB. Ao criar o torneio, a iniciativa da federação foi incrementar e transformar suas ligas, tanto no masculino, quanto no feminino, em algo próximo do padrão das ligas profissionais do esporte americano.

A CAMPANHA DO TÍTULO
15/05/2018 EUA 3×1 Polônia 28/26, 25/22, 22/25, 25/15
16/05/2018 EUA 2×3 Turquia 26/28, 19/25, 25/20, 26/24, 14/16
17/05/2018 EUA 3×0 Itália 25/21, 25/18, 25/21
22/05/2018 Japão 0x3 EUA 20/25, 16/25, 23/25
23/05/2018 Holanda 0x3 EUA 19/25, 21/25, 23/25
24/05/2018 Bélgica 0x3 EUA 11/25, 18/25, 17/25
29/05/2018 Alemanha 0x3 EUA 18/25, 17/25, 17/25
30/05/2018 República Dominicana 0x3 EUA 20/25, 23/25, 21/25
31/05/2018 Tailândia 0x3 EUA 10/25, 22/25, 16/25
05/06/2018 Rússia 0x3 EUA 14/25, 18/25, 18/25
06/06/2018 EUA 3×1 Brasil 25/23, 26/28, 25/21, 25/18
07/06/2018 China 0x3 EUA 20/25, 22/25, 20/25
12/06/2018 Sérvia 3×1 EUA 30/28, 23/25, 25/20, 25/18
13/06/2018 Coréia do Sul 0x3 EUA 13/25, 23/25, 19/25
14/06/2018 Argentina 0x3 EUA 15/25, 14/25, 15/25
FASE FINAL
Grupo B
27/06/2018 EUA 3×2 Turquia 17/25, 21/25, 25/21, 25/15, 15/11
29/06/2018 EUA 3×0 Sérvia 29/27, 25/22, 25/19
Semi-final
30/06/2018 EUA 3×1 China 25/23, 25/20, 18/25, 25/18
Final
01/07/2018 Turquia 2×3 EUA 25/17, 22/25, 28/26, 15/25, 7/15

image
A seleção americana no lugar mais alto do pódio/Divulgação FIVB

 

BRASIL FORA DO PÓDIO

O Brasil não foi páreo para a China e perdeu a disputa do 3º lugar da Liga das Nações Feminina, em sets diretos, com parciais de 25/18, 25/22, 25/22. A seleção brasileira não deixava de subir ao pódio da principal competição anual da FIVB, antes Grand Prix, hoje VNL, desde 2007. Naquela ano, o Brasil terminou em 5º lugar, na fase final, e a Holanda foi a campeã. Vale destacar, a importância da Liga das Nações para FIVB, nesse ano de 2018, mesmo com o calendário apertado, por ser o ano inaugural de uma competição idealizada para substituir suas principais ligas, tanto no masculino, quanto no feminino.

RESUMO
A disputa do 3º lugar, entre chinesas e brasileiras, foi ao contrário do jogo que decidiu a liderança do Grupo A, na fase final. O Brasil teve um bom começo, mas não apresentou o mesmo volume de jogo da partida anterior, em que conseguiu anular a principal atacante chinesa, Zhu. As adversárias estavam dispostas a apagar o feito brasileiro. O time do Brasil parecia desmotivado. O rendimento das chinesas era superior. As brasileiras sucumbiram ao saque chinês. A mudança realizada pela técnica Lang Ping no meio de rede funcionou e modificou o panorama inicial do jogo.

BRASIL
Roberta (4), Tandara (15), Adenízia (9), Bia (0), Gabi (11), Amanda (7), Gabriella Souza (0). Entraram: Carol (4), Monique (1), Macris (0), Jaqueline (0), Rosamaria (1). Técnico: José Roberto Guimarães

CHINA
Ding (1), Gong (7), Yuan (0), Ni Yan (5), Zhu (20), Ying Ying Li (14), Li Lin (0). Entraram: Hu (9), Liu (0). Técnica: Lang Ping

image
A central Hu/Divulgação FIVB

 

EUA DISPUTA TÍTULO DA VNL

A seleção americana superou a China e garantiu classificação para a final da Liga das Nações Feminina. A disputa pelo título da competição será contra a Turquia. A vitória dos Estados Unidos por 3×1, com parciais de 25/23, 25/20, 18/25, 25/18, foi conquistada com uma excelente performance da ponta/oposta Bartsch. Ela anotou 24 pontos. Mesmo com o baixo número de erros, as chinesas não foram capazes de neutralizar a virada de bola dos Estados Unidos. O diferencial da vitória americana foi a relação bloqueio-defesa. Enquanto elas aproveitaram as oportunidades de contra-ataque, as chinesas titubearam nos momentos decisivos. Restou a China, anfitriã das finais, disputar o 3º lugar com o Brasil.

O bloqueio americano em ação/Divulgação FIVB

 

 

 

TURQUIA SURPREENDE E ESTÁ NA FINAL DA VNL

A seleção turca feminina de vôlei conquistou um resultado histórico, em confronto válido pela semi-final da Liga das Nações Feminina, e venceu o Brasil, por 3×0, com parciais de 25/23, 25/23, 25/22. Com a vitória, a Turquia conseguiu classificação para a grande final da competição. O adversário será os Estados Unidos. Para vencer a seleção brasileira de forma incontestável, a Turquia contou com um alto aproveitamento na virada de bola, proveniente da excelente distribuição da levantadora Osbay e da eficiência na recepção, além de uma defesa bem postada. Mesmo com a derrota, o Brasil saiu de quadra com as maiores pontuadoras da partida, Tandara, com 20 pontos, e Gabi, com 14. Com o resultado, a Turquia joga amanhã, domingo, a grande final, a partir das 8h, contra as americanas, e o Brasil disputa o 3º lugar com a China, às 4h da madrugada. Todos os jogos com transmissão do canal a cabo, SPORTV 3.

RESUMO
Brasil e Turquia entraram em quadra com a estratégia clara de forçar o saque. No começo da partida, as duas seleções apresentavam irregularidade na recepção. Ambas equipes jogavam com passe B, quando não C. Com o andamento da disputa, o saque brasileiro perdeu eficiência e a levantadora turca passou a contar com o passe na mão. Com uma distribuição equilibrada, a Turquia dificultou a leitura do bloqueio do Brasil. O fundo de quadra trabalhava incessantemente e diminuía o aproveitamento de ataque das brasileiras. Em dado momento, as turcas lembravam o estilo de jogo brasileiro na virada de bola. A Turquia jogava como Brasil e o Brasil como Turquia. Resultado: vitória histórica e incontestável para o voleibol turco, por 3×0.

BRASIL
Roberta (1), Tandara (20), Bia (4), Adenízia (4), Gabi (14), Amanda (3), Suelen (0). Entraram: Carol (3), Jaqueline (0), Monique (0), Rosamaria (1). Técnico: José Roberto Guimarães

TURQUIA
Osbay (4), Boz (14), Erdem (11), Gunes (10), Baladin (14), Ismailoglu (6), Akoz (0). Entraram: Sarioglu (0), Alikaya (0), Karakurt (1). Técnico: Giovanni Guidetti

Comemoração turca após vitória/Divulgação FIVB

 

OS SEMIFINALISTAS DA LIGA DAS NAÇÕES FEMININA

Os Estados Unidos venceram a Sérvia, ontem, por 3×0, e garantiram vaga nas semi-finais da Liga das Nações Feminina. Com o resultado, a seleção americana ficou em 1º lugar do grupo B. O adversário das americanas na semi-final será a China, sede das finais. A definição dos duelos aconteceu após jogo do grupo A, entre brasileiras e chinesas, que valia a liderança da chave. O Brasil derrotou a China, com um categórico 3×0. Agora, as brasileiras enfrentam nas semi-finais, a seleção da Turquia, que conseguiu classificação depois da vitória das americanas contra a Sérvia. Os confrontos serão neste sábado e terão transmissão do SPORTV. A grande final ocorre no domingo, a partir das 8h da manhã.

AGENDA VNL
Hoje 30/06/2018
04:00 Semi-final 1 Brasil x Turquia
08:45 Semi-final 2 Estados Unidos x China
Domingo 01/07/2018
04:00 Disputa 3º lugar
08:00 Final

BRASIL ELIMINA HOLANDA

O Brasil estreou na fase final da VNL Feminina, com uma vitória convincente, por 3×0, contra a Holanda, com parciais de 25/16, 25/17, 25/23. As brasileiras foram superiores em todos os fundamentos. A instabilidade na recepção apareceu quando as holandesas forçaram o saque com eficiência, no 3º set. A Holanda fez um jogo abaixo do seu potencial. O técnico Jamie Morrison tentou mexer no time, mas utilizou as peças erradas, nos momentos errados. Entre os destaques individuais da partida, a oposta brasileira Tandara foi a maior pontuadora, com 17 pontos. Com o resultado, o Brasil garantiu vaga nas semi-finais e disputa com a China, o 1º lugar do grupo. A Holanda está eliminada.

RESUMO
Holandesas e brasileiras fizeram um jogo, ponto a ponto, até a primeira parada técnica. Em seguida, a rede holandesa encalhou. O Brasil deu um show no aproveitamento dos contra-ataques e era superior em todos os fundamentos. O saque da Holanda não surtia efeito e as brasileiras confirmavam os ataques na virada de bola. O sistema defensivo do Brasil beirava a perfeição. O técnico americano da Holanda, Morrison, sacou sua levantadora titular e colocou na partida sua terceira opção para a posição. Não deu certo. O domínio brasileiro era total. Quando finalmente o saque holandês entrou, o jogo ficou equilibrado. A Holanda teve a bola para empatar no 24º ponto, no match point brasileiro, mas errou o contra-ataque, e o Brasil fechou a partida em 3×0.

BRASIL
Roberta (3), Tandara (17), Adenízia (9), Bia (10), Gabi (14), Amanda (7), Suelen (0). Entraram: Jaqueline (0), Macris (0), Monique (0), Carol (1). Técnico: José Roberto Guimarães

HOLANDA
Dijkema (1), Sloetjes (15), Belien (8), Lohuis (2), Buijs (3), Balkestein (0), Knip (0). Entraram: Daalderop (5), Bongaerts (0), Jasper (0), Plak (5), Koolhaas (1). Técnico: Jamie Morrison

image
A ponteira Gabi executando saque/Divulgação FIVB

 

TURQUIA VENCE SÉRVIA E EMBOLA GRUPO B

A seleção turca feminina de vôlei executou um bom jogo coletivo, surpreendeu e venceu a Sérvia por 3×2, com parciais de 20/25, 25/21, 25/18, 19/25, 16/14. A Sérvia sentiu a ausência da ponteira Mihajlovic, contundida, e sobrecarregou a oposta Boskovic no ataque. Ela marcou 31 pontos, porém com aproveitamento abaixo de 40%, fora do seu padrão habitual de eficiência. Já a Turquia, teve uma excelente distribuição da levantadora Ozbay e um ótimo rendimento na defesa. Com o resultado, o Grupo B está embolado. Para garantir presença nas semi-finais, a Sérvia precisa vencer os Estados Unidos, nessa sexta, por 3×0 ou 3×1. Para Turquia, interessa uma vitória americana, por qualquer placar, ou uma vitória da Sérvia, sem necessitar do tie-break, caso contrário, irá ocorrer um empate triplo no grupo e será preciso fazer contas.

RESUMO
Sérvia e Turquia disputaram cada ponto de maneira acirrada. Foi incontável o números de rallys. No começo do jogo, as sérvias garantiam-se no bloqueio, seja em pontos diretos ou nos contra-ataques. A Turquia equilibrava na defesa. Com o andamento da partida, as turcas conseguiram anular o impacto dos ataques da oposta Boskovic. Pressionada na recepção, a Sérvia tinha dificuldade na virada de bola. As turcas minavam a paciência das atacantes. Em dado momento, após várias substituições, o técnico sérvio ajustou a equipe e o time reencontrou-se, levando a partida para o tie-break. No set desempate, o padrão do jogo voltou a repetir-se e a Turquia impôs uma derrota a vice-campeã olímpica Sérvia, por 16/14.

SÉRVIA
Zivkovic (3), Boskovic (31), Rasic (14), Stevanovic (8), Milenkovic (13), Blagojevic (8), Popovic (0). Entraram: Antonijevic (0), Malesevic (0), Bjelica (0), Busa (3), Veljkovic (0). Técnico: Zoran Térzic

TURQUIA
Osbay (2), Boz (5), Erdem (12), Gunes (11), Baladin (20), Ismailoglu (1), Akoz (0). Entraram: Ercan (11), Alikaya (1), Karakurt (14), Sarioglu (0). Técnico: Giovanni Guidetti

image
A levantadora turca Osbay/Divulgação FIVB

CHINA CONFIRMA FAVORITISMO

image
Zhu em ataque da linha de três/Divulgação FIVB

Jogando em seus domínios, em Nanjing, a China estreou com vitória na fase final da VNL Feminina. As chinesas derrotaram a Holanda de virada, por 3×1, com parciais de 20/25, 25/21, 25/22, 25/18. A ponteira Ting Zhu atuou de forma espetacular e carregou a China nas costas. Ela anotou 36 pontos, sendo 29 de ataque e aproveitamento de quase 50% no fundamento. Já a Holanda, teve como destaques na partida, a oposta Sloetjes, com 22 pontos, e a ponteira Buijs, com 20 pontos. Amanhã, a Holanda enfrenta o Brasil e precisa da vitória para continuar com chances na competição. A China volta a jogar, na sexta, contra o mesmo Brasil, e em caso de vitória das brasileiras contra as holandesas, entra em quadra classificada para as semi-finais, podendo escolher adversários.

RESUMO
China e Holanda sofreram na recepção em vários momentos da partida. Enquanto as holandesas se viravam nas bolas altas, a China tinha ao seu lado, em noite inspirada, uma das melhores atacantes do mundo, a ponteira Ting Zhu. Com o controle do jogo nas mãos chinesas, o técnico americano da Holanda, Morrison, inverteu a rede, conseguiu virar o placar e venceu o 1º set. As holandesas voltaram confiantes na segunda parcial, mas Morrison retornou com a equipe que iniciou o jogo. Com vantagem no placar, a Holanda relaxou e deixou a China voltar ao controle do jogo e virar a partida. Com erros capitais, em momentos cruciais, as holandesas cederam muitos pontos nas horas decisivas e não conseguiram parar os ataques de Zhu.

CHINA
Ding (3), Gong (10), Yuan (11), Ni Yan (8), Zhu (36), Liu (10), Li Lin (0). Entraram: Diao (0), Chunlei Zeng (0). Técnica: Lang Ping

HOLANDA
Dijkema (0), Sloetjes (22), Belien (12), Lohuis (2), Buijs (20), Balkestein (5), Schoot (0). Entraram: Stoltenborg (2), Plak (4), Daalderop (3), Jasper (0). Técnico: Jamie Morrison