O FIM DO PROGRAMA RODA DE VÔLEI

Imagem de programas para o Guia de Programacao

O canal de TV por assinatura Bandsports encerrou na última quarta-feira, 16 de maio, a produção do programa “Roda de Vôlei”. O programa ficou quase dez anos no ar e era o único na televisão brasileira dedicado exclusivamente ao vôlei. A produção vinha sofrendo alterações desde a virada do ano, com a saída da apresentadora Kalinka Shutel, que trocou a emissora para ser repórter da TV Globo, e também na mudança no dia de sua exibição.

O canal de esportes do Grupo Bandeirantes já havia deixado de transmitir o Campeonato Italiano e a Champions League, na versão feminina. Anos atrás, o alvo foi o Campeonato Europeu de seleções das duas categorias. Todos eles passaram a ser transmitidos pela ESPN ocasionalmente. Resta saber, se ainda haverá espaço na programação do Bandsports para a Superliga Masculina Italiana.

A julgar pela reação nas redes sociais, entre os fãs de vôlei, a decisão parece precipitada, mesmo que seja para corte de custos. O vôlei, segundo esporte na preferência nacional, carece de cobertura na mídia. Ao menos no início da implementação da TV por assinatura no Brasil, os esportes olímpicos eram tratados com mais respeito pelos canais esportivos, que dedicavam programas exclusivos aos mesmos.

BRASIL SUPERA SÉRVIA

 

image
Divulgação FIVB

O Brasil encerrou sua participação na primeira semana de Liga das Nações, com vitória sobre a Sérvia, por 3×1, com parciais de 23/25, 25/22, 25/14, 25/21. A seleção brasileira quebrou a invencibilidade das sérvias, que ainda não haviam perdido sequer um set na competição. As brasileiras ocupam a 6ª colocação na classificação geral e estariam hoje na fase final, graças a posição da China, que recebe as finais. Os cinco primeiros passam de fase. Na próxima semana, o Brasil embarca para a Europa onde enfrenta na Turquia, na cidade de Ankara, nos dias 22, 23 e 24 de maio, às turcas, a Argentina e a República Dominicana, respectivamente.

RESUMO
Apostando em uma estratégia de saque agressivo, as seleções de Brasil e Sérvia encontraram dificuldades para rodar a rede com suas principais atacantes. Duas das melhores jogadoras da Sérvia saíram durante o jogo para dar lugar as reservas. Tandara enfrentou uma forte marcação de bloqueio. A oposta teve baixo aproveitamento. Sua eficiência ficou em menos de 30%. Jogando com inteligência, Roberta desafogou a rede com a central Bia e Amanda ficou livre para se destacar explorando o bloqueio da Sérvia. O Brasil ainda teve uma performance superior a Sérvia nesse fundamento. Foram 21 pontos contra 18.

O JOGO
José Roberto Guimarães manteve a formação que saiu vitoriosa no jogo contra o Japão. A Sérvia substituiu a central Veljkovic por Popovic. A partida começou com um ace de Roberta, dando a tônica do jogo. A oposta Tandara estava extremamente marcada, desde o início. A principal atacante Sérvia, Boskovic, só foi acionada, pouco antes da primeira parada técnica. Um ataque dela atingiu 96 km/h. Um ace de Stevanovic colocou a Sérvia na frente do placar 11×8. O Brasil pediu tempo. As brasileiras voltaram mais concentradas e passaram a frente do marcador. Foi a vez do técnico sérvio parar o jogo. A partida voltou a ficar parelha. Tandara apareceu para o jogo, com um ataque de 106 km/h. Depois de um pedido de desafio, a Sérvia abriu uma margem mínima de diferença, 21×19. O Brasil inverteu 5×1. Monique desencalhou a rede e voltou ao banco de reservas. A Sérvia mantinha a frente, mas usando inteligência, Tandara e Amanda exploraram o bloqueio sérvio e empataram para o Brasil, 22×22. O time brasileiro não conseguiu manter a eficiência no ataque. Tandara atacou uma bola para fora e outra foi amortecida, propiciando o ponto de contra-ataque sérvio, que finalizou o set, 25×23.

O Brasil começou o 2º set com Drussyla no lugar de Gabi. O Brasil se aproveitou da desconcentração Sérvia para abrir 5×2 no placar. A Sérvia retomou o jogo fugindo do bloqueio brasileiro com duas largadas, uma de Boskovic, outra de Mihajlovic. Tandara não conseguia passar uma bola lisa do bloqueio e Amanda era eficiente explorando a mão de fora das sérvias. Uma sequência de erros de saques das duas seleções demonstrava como as estratégias dos times estavam alinhadas. O Brasil iria para a segunda parada técnica com vantagem de dois pontos, 16×14. No retorno, as brasileiras abriram vantagem, com um ponto de bloqueio, 18×15. A Sérvia pediu tempo. Na sequência, conseguiu empatar. Amanda voltou a se destacar com um ponto de bloqueio em Boskovic e outro de ataque, 21×18. O Brasil administrou a vantagem até o fim do set e fechou a parcial em erro de saque sérvio, 25/22.

O técnico sérvio fez uma aposta arriscada e sacou Mihajlovic do jogo para colocar em seu lugar a jovem Milenkovic. A substituição parecia dar resultado. A Sérvia começava o set com 3×1 no placar. O Brasil foi buscar e Tandara fez o seu segundo ace na partida. A Sérvia devolveu na mesma moeda, 5×3. Numa sequência de dois erros de ataque o Brasil passou à frente. Foi o suficiente para saída de Blagojevic para entrada de Busa. Sem a referência de Mihajlovic no ataque, a levantadora sérvia enchia Boskovic de bolas. O Brasil tinha o controle do jogo nas mãos. O técnico sérvio inverteu a rede. O time parecia desistir do jogo. O Brasil abriu 5 pontos de diferença. A Sérvia estava perdida em quadra. O Brasil tinha 10 pontos na frente do placar, 22×12. A Sérvia tinha dificuldade na virada de bola e estava totalmente fora do set. Em um ataque para fora, o Brasil fechou em 25/14.

O Brasil manteve o ritmo de jogo do set anterior. Drussyla se destacava no fundo de quadra e as atacantes brasileiras confirmavam os contra-ataques. A oposta Bjelica substituta de Boskovic, colocava a Sérvia no páreo novamente. Uma defesa excepcional de Drussyla ganhava a torcida em Barueri. O Brasil sacramentou este ponto, no contra-ataque de Amanda, 10×6. O bloqueio sérvio finalmente encontrava o tempo de bola do ataque de Amanda. José Roberto parou o jogo. Em seguida, a reação sérvia foi obstruída por um erro de saque. Tandara levou o Brasil ao 14º ponto, em seu terceiro ponto de saque na partida. O bloqueio brasileiro intimidava o ataque sérvio. A performance brasileira na defesa propiciava vários contra-ataques, 22×17. A Sérvia pediu tempo e voltou melhor. Brasil parou em jogo. Amanda confirmou o ponto na virada de bola, 23×20. Monique entrou para sacar. A Sérvia salvou um match point. Amanda fechou o jogo, em um ataque pela entrada de rede, 25×21.

BRASIL
Roberta, Tandara, Gabi, Amanda, Bia, Adenízia e Suelen. Entraram: Macris, Monique, Drussyla, Rosamaria.

SÉRVIA
Antoniejvic, Boskovic, Mihajlovic, Blagojevic, Stevanovic, Mina Popovic, Silvija Popovic. Entraram: Mirkovic, Bjelica, Busa, Milenkovic.

OUTROS RESULTADOS

Em Barueri, Brasil
Japão 3×1 Alemanha

Em Ningbo, China
Bélgica 3×2 República Dominicana
China 0x3 Coréia do Sul

Em Ekaterinburg, Rússia
Tailândia 3×0 Argentina
Rússia 0x3 Holanda

Em Lincoln, Estados Unidos
Turquia 3×0 Polônia
Estados Unidos 3×0 Itália

BRASIL VENCE JAPÃO DE VIRADA

A seleção brasileira feminina de vôlei conquistou seu primeiro triunfo na Ligas das Nações contra o Japão. A vitória por 3×1, aconteceu de virada, com parciais de 22/25, 25/18, 25/23, 25/11. A oposta Tandara foi a maior pontuadora da partida com 25 pontos. Nesta quinta-feira, o Brasil enfrenta a atual vice-campeã olímpica, Sérvia, a partir das 15h, em Barueri, com transmissão do SPORTV e TV Globo. A seleção europeia está invicta, lidera a competição ao lado da China, e ainda não cedeu sets aos adversários.

RESUMO
Ao contrário do jogo anterior, o Brasil demonstrou um sistema defensivo efetivo. A relação saque-bloqueio-defesa foi crucial nos momentos decisivos. A seleção japonesa e a sua tradicional resistência na defesa não foi capaz de neutralizar a oposta Tandara. O bloqueio brasileiro se impôs. Foram 20 pontos no total.

O JOGO
O Brasil entrou em quadra com uma formação diferente do jogo contra a Alemanha. A central Carol deu lugar a Adenízia e Amanda foi titular na ponta. A partida se iniciou com uma disputa de rally. Com paciência, o Brasil dominava o Japão, porém não conseguiria sustentar a vantagem. Conhecido pela excelência na defesa, o Japão amortecia bolas no bloqueio, quando não pontuava. Foram três ao todo. Algo raro. O Brasil tentou parar o jogo e fazer a inversão na rede, mas não tinha jeito. Após um ataque de Tandara para fora, o Japão fechou o set em 25×22.

No 2º set, Gabi foi poupada pelo segundo jogo consecutivo. Drussyla entrou em seu lugar. Ela começou marcando um ponto de saque. O Japão cometia erros em sequência. O sistema defensivo brasileiro subia de produção substancialmente e parava o ataque japonês. Um ataque de Tandara atingiu 104 km/h. O Brasil administrava a vantagem aferida no começo do set. A ponteira Koga era destaque do Japão, mas não era páreo para Tandara. O Brasil fechou a parcial em 25×18.

O Japão trocou a sua formação titular com a entrada da experiente central Shimamura, no começo do 3º set. Um rally, vencido pelo Japão, em um ataque de Koga, durou 35 segundos, o mais longo da partida. A seleção japonesa mantinha uma frente no placar 7×4. Numa passagem no saque de Tandara, o Brasil se recuperou no set. O Japão pediu tempo. O jogo seguiu parelho até o vigésimo primeiro ponto, quando o Brasil abriu uma vantagem de 3 pontos. A equipe brasileira encaminhava para fechar a parcial, mas o Japão não se rendeu  e salvou dois set points. Em seguida, Roberta em uma distribuição surpreendente, levantou para Adenízia fechar o set em 25×23.

O Brasil começou o 4º set imprimindo o seu ritmo. O Japão cometia erros em excesso, fora do seu padrão de jogo. A seleção brasileira subia incontáveis bolas na defesa e intimidava as japonesas. A pressão era grande e o Brasil tinha quase dez pontos na frente. A técnica japonesa pediu dois tempos, quase em sequência. Nada dava certo para o Japão. O jogo ainda foi paralisado em 5 minutos devido a um erro da mesa. O Brasil manteve a concentração, para fechar o jogo, 25×11.

BRASIL
Roberta, Tandara, Gabi, Amanda, Adenízia, Bia, Suelen. Entraram: Macris, Monique, Drussyla e Jaqueline.

JAPÃO
Tashiro, Koga, Ishii, Okumura, Kanami e Aika. Entraram: Tominaga, Shimamura, Horikawa, Takahashi.

OUTROS RESULTADOS

Em Barueri, Brasil
Sérvia 3×0 Alemanha

Em Ningbo, China
China 3×0 Bélgica
Coréia do Sul 3×2 República Dominicana

Em Ekaterinburg, Rússia
Holanda 3×1 Argentina
Rússia 3×1 Tailândia

Em Lincoln, Estados Unidos
Estados Unidos 2×3 Turquia
Polônia 3×2 Itália

image
Gaspar Nóbrega/CBV

BRASIL PERDE PARA ALEMANHA

image
Divulgação FIVB

A seleção brasileira feminina de vôlei estreou com derrota para a Alemanha, na Liga das Nações. A vitória alemã por 3×1, foi de virada, com parciais de 15/25, 25/22, 25/18, 25/20. O Brasil não perdia para Alemanha, desde 2002, há quase 16 anos, quando disputou o bronze do Grand Prix e saiu derrotado. A ponteira Brinker foi a maior pontuadora da Alemanha com 20 pontos. Pelo Brasil, Tandara marcou 16. O próximo jogo da seleção brasileira é contra o Japão, amanhã, às 15h, com transmissão do SPORTV e TV Globo. Em seguida, no mesmo ginásio, a Alemanha enfrenta a Sérvia.

RESUMO

O Brasil começou melhor a partida, mas não conseguiu manter o seu ritmo de saque. A Alemanha foi superior neste fundamento e o sistema defensivo brasileiro não funcionou. O técnico José Roberto foi infeliz em suas substituições.

O JOGO

O jogo começou com bastante erros de ambos os lados. O Brasil entrou em quadra com a formação titular composta pelo time base do SESC/RJ, campeão da Superliga retrasada. Numa passagem de saque da levantadora Roberta, a equipe brasileira abriu vantagem. O técnico alemão inverteu o 5×1, mas não foi o suficiente para diminuir a agressividade do saque brasileiro. Aproveitando os contra-ataques e o excesso de erros das alemãs, o Brasil fechou o 1º set em 25×15.

No segundo set, a ponteira Gabi foi poupada, e em seu lugar, entrou Amanda. A Alemanha voltou melhor com o aumento do aproveitamento, de sua principal atacante, a oposta Lippmann. O Brasil consseguiu parelhar com as alemãs em contra-ataques de Drussyla. Numa sequência de saques da central Gründing, o time alemão abriu vantagem. O Brasil conseguiu igualar, após seu sistema defensivo ser efetivo. O empate persistiu. Em uma nova passagem da central Gründing, a Alemanha voltou a ficar na frente. O Brasil inverteu o 5×1 e conquistou a dianteira do placar, pela primeira vez no set. Após um pedido de desafio, a Alemanha voltou a ficar na frente. Em seguida, abriu vantagem em contra-ataque e José Roberto parou o jogo. O Brasil desfez a inversão do 5×1 e as alemãs fecharam o 2º set, em 25/22, em uma bola china, atacada pela central Schölzel.

O Brasil começou o 3º set com erros. A Alemanha sacava melhor. O time brasileiro cometeu uma falha na rotação. Na sequência, a equipe alemã abriu vantagem. José Roberto pediu tempo. Em seguida, a Alemanha abriu seis pontos. O Brasil inverteu o 5×1 e conseguiu diminuir a diferença. O placar marcava 21×18 para as alemãs e o técnico Koslowski parou o jogo. Após o pedido de tempo, a Alemanha confirmou a virada de bola, para posteriormente, colocar a levantadora reserva Kästner para sacar. Numa boa sequência de serviços, ela conseguiu um ace e a Alemanha saiu vitoriosa no 3º set, após um ponto bloqueio de Lippmann, 25/18.

A Alemanha começou na frente no 4º set. Drussyla saiu e deu lugar a Rosamaria. O Brasil conseguiu o empate numa passagem de Carol pelo saque. Os dois times trocavam bolas e o placar marcava 9×9. Em dois erros de recepção brasileira, a Alemanha abriu vantagem de três pontos. As alemãs administravam a vantagem, para na frente conquistar mais dois de frente. José Roberto, mais uma vez, pedia tempo. O Brasil diminuiu a vantagem. As atacantes das duas seleções eram decisivas. Pelo lado brasileiro, um ataque de Tandara alcançava 100km/h. Já a Alemanha, distribuia melhor o seu jogo. Com o passe na mão, a levantadora Hanke escolhia a ponteira Brinker, nos momentos de desafogo, liberando a oposta Lippmann. O placar marcava 22×17. Drussyla entrou novamente e errou o saque. O Brasil salvava um match point, mas Lippmann fechou o jogo para Alemanha, em um ataque pela linha de três, na saída de rede, 25×20.

BRASIL
Roberta (3 pts), Tandara (16 pts), Gabi (2pts), Drussyla (14pts), Carol (8pts), Bia (13pts) e Suelen (0 pt). Entraram: Macris (0pt), Monique (1pt), Amanda (6pts), Rosamaria(1pt).

ALEMANHA
Hanke (0pt), Lippmann (18pts), Brinker (20pts), Geerties (8pts), Gründing (11pts), Schölzel (8pts), Düur(0pt). Entraram: Kästner (1pt), Drewniok (1pt), Poll (0pt).

OUTROS RESULTADOS

Em Barueri, Sp, Brasil
Sérvia 3×0 Japão 25×18 25×17 25×22

Em Ekaterinburg, Rússia
Holanda 3×0 Tailândia 25×20 26×24 25×13
Russia 3×1 Argentina 20×25 25×13 25×13 25×22

Em Ningbo, China
Bélgica 3×0 Coréia do Sul 25×18 25×22 25×21
China 3×0 República Dominicana 25×17 25×15 25×11

Em Lincoln, nos Estados Unidos
Turquia 3×0 Itália 25×21 25×21 25×20
Estados Unidos 3×1 Polônia 28×26 25×22 22×25 25×15

 

 

 

 

 

 

 

 

OS ADVERSÁRIOS DO BRASIL NA LIGA DAS NAÇÕES

image

A seleção brasileira feminina de vôlei estreia amanhã na Liga das Nações, contra a equipe da Alemanha, a partir das 15h, em Barueri. O time do Brasil está repleto de novidades em relação ao último ciclo olímpico. A aposta de renovação que colheu frutos em 2017, com o título do Grand Prix e do Sul-americano, deve ser mantida. O técnico José Roberto Guimarães ainda terá o retorno de algumas peças chaves como: Dani Lins e Thaísa. Para o jogo de amanhã, ele não deverá contar com Dani Lins e ter a ausência de Natália Zilio, que se recupera de contusão. A expectativa é saber qual será o time base escalado pelo técnico brasileiro.

Conheça um pouco dos adversários do Brasil na semana 1 da Liga das Nações.

ALEMANHA
Sem conquistar uma vaga para os Jogos Olímpicos desde 2004, o time europeu promoveu uma completa renovação em sua seleção. O principal objetivo é conseguir a vaga para as Olimpíadas de Tóquio. Comandadas pelo ex-jogador de vôlei Felix Koslowski, o time conta com a experiência da ponteira Maren Brinker e um dos destaques da jovem equipe é a oposta Lippmann e a líbero Duur.

JAPÃO
Sede dos próximos Jogos Olímpicos e do Campeonato Mundial, o Japão fez uma ousada troca técnica para este ciclo. Saiu do comando da equipe, o experiente ex-jogador Manabe, um dos responsáveis pela histórica medalha de bronze nos Jogos de Londres 2012, e em seu lugar entrou, a primeira mulher a dirigir a seleção japonesa, a ex-levantadora Kumi Nakada. A base da equipe foi mantida com a mescla da chegada de novas jogadoras.

SÉRVIA
Atual vice-campeã olímpica, a Sérvia disputa a Liga das Nações com a força máxima. A equipe esteve perto de chegar as finais do Grand Prix por algumas vezes. Os destaques do time continuam sendo duas das melhores atacantes do mundo, Boskovic e Mihajlovic. Com a saída da experiente levantadora Maja Ognjenovic, o desafio do técnico Zoran Terzic é encontrar uma substituta que tenha entrosamento e precisão para colocar em jogo, as poderosas atacantes sérvias.

 

 

 

A CONVOCAÇÃO DE RENAN DAL ZOTTO

image
DIVULGAÇÃO FIVB

Passado o fim da Superliga, Renan Dal Zotto, técnico da seleção brasileira de vôlei, finalizou o anúncio de convocados para as competições que o Brasil disputa em 2018. Todos eles dos times finalistas da temporada 2017/2018, Sada/Cruzeiro e Sesi/Sp. Foram chamados: o levantador William, o central Lucão, o oposto Alan, os ponteiros Douglas Souza e Lipe e o líbero Murilo, do Sesi/Sp, e o oposto Evandro, o central Isac e o ponteiro Rodriguinho, do Sada/Cruzeiro. Eles se juntam aos atletas já convocados, que treinam no Centro de Treinamento da CBV, em Saquarema, há pouco mais de duas semanas. São eles: os levantadores Bruninho e Thiaguinho, os opostos Wallace e Renan, os centrais Maurício Souza, Otávio e Éder, os ponteiros Maurício Borges e Lucas Lóh e o líbero Thales. Destaca-se na lista, a ausência do ponta Lucarelli, que se recupera de uma contusão e tem previsão de retorno para o Campeonato Mundial, em setembro, na Itália e Bulgária.

Controvérsias
Após o anúncio final da lista de convocados, o líbero Murilo, recém adaptado a posição, foi alvo de polêmicas acerca da sua convocação para a seleção brasileira. Em entrevista à Rádio Itatiaia, de Belo Horizonte, o líbero Serginho, do Cruzeiro, um dos maiores vencedores da Superliga, questionou os critérios adotados pelo técnico Renan para convocar o jogador. Segundo ele, o seu desempenho em quadra, como líbero, é superior ao de Murilo. Ele ainda ressaltou que existem outros jogadores da posição, no Brasil, superiores ao Murilo, eleito melhor jogador do mundo em 2010 e 2012, na função de ponteiro.

A LIGA DAS NAÇÕES

                                               image

A Federação Internacional de Vôlei inicia na semana que vem a sua mais nova competição anual, a Liga das Nações. A estreia acontece na categoria feminina e nas semanas seguintes do mês de maio, também na masculina. A expectativa da FIVB é transformar suas ligas anuais, no caso, a antiga Liga Mundial e o Grand Prix, em um produto mais atraente para o grande público. Para alcançar êxito na mudança, segundo fontes da imprensa, os dirigentes da federação contam com a colaboração de especialistas ligados às grandes ligas esportivas americanas.

Essa não é a primeira vez que ocorrem modificações no formato das ligas de seleções de vôlei. Assim que assumiu seu mandato na federação internacional, o brasileiro Ary Graça, provocou uma reorganização das ligas, criando divisões entre as seleções, com acesso e descenso, atendendo a uma demanda das federações nacionais.

FORMATO
A nova reformulação das ligas foi cercada de polêmicas. Primeiro foi ventilado, sem confirmação, que a FIVB resolveu mudar a Liga Mundial devido ao rebaixamento da seleção italiana em 2017, na Liga Mundial. Depois, foi a vez das seleções que ascenderam em suas divisões em 2017, questionar os critérios de classificação adotados pela Liga das Nações.

De acordo com o regulamento da Liga das Nações, tanto no masculino como no feminino, foram divididos, na mesma disputa, dois grupos distintos de seleções, as obrigatórias e as desafiantes. Dessa forma, apenas as seleções desafiantes correm o risco de não disputar as próximas edições da competição. Nesse caso, a Eslovénia, campeã do grupo de acesso em 2017, ficou de fora.

Os questionamentos acerca das Liga das Nações não se atentam apenas ao formato e aos critérios de classificação. Com o calendário apertado, a competição terá partidas durante a semana, em horários proibitivos, para citar apenas o caso do Brasil, o que diminuem as chances de sucesso.

Para explicar tal controvérsia, a FIVB diz atender aos seus patrocinadores. A intenção, segundo eles, é fugir da coincidência de datas com a Copa do Mundo de futebol. Para compensar, as fases finais irão acontecer na China, país onde o vôlei é altamente popular, no feminino, e em Lille, na França, no masculino, em um estádio de futebol, repetindo a bem sucedida experiência da fase final da Liga Mundial 2017, em Curitiba.

 

BALANÇO FINAL SUPERLIGA 2017/2018

image

No último domingo, 5 de maio, a equipe do Sada/Cruzeiro sagrou-se hexacampeã da Superliga Masculina. Foi a quinta vitória consecutiva do time no torneio. O título consagrou o ponteiro cubano naturalizado brasileiro Leal para a história do voleibol do Brasil. A final decidida em dois jogos contra o Sesi/Sp marcou a despedida dele da equipe de Minas Gerais. Eleito MVP, melhor jogador da competição, na próxima temporada Leal irá jogar na Itália. A expectativa agora é sobre a sua presença na seleção brasileira a partir do ano de 2019. Sem dúvida alguma, Leal irá fazer falta para o Sada/Cruzeiro. Nesses anos de coleção de títulos, ele foi uma das peças chaves do bem montado time mineiro, pelo técnico argentino, Marcelo Mendez.

A temporada 2017/2018

Mesmo perdendo importantes jogadores como o levantador William, o oposto Wallace, nos últimos anos, o Sada/Cruzeiro conseguiu manter a sua hegemonia no voleibol brasileiro na temporada 2017/2018. A campanha não foi perfeita, mas o time cresceu na reta final como de costume. O planejamento para o Mundial de Clubes 2017 pode ter afetado o rendimento da equipe. Os adversários, reforçados, apresentaram uma inédita resistência até então, destacando-se a semifinal decidida apenas no quinto jogo contra o EMS/Funvic/Taubaté e a decisão do título, levada ao tie break, nos dois jogos, pela equipe do Sesi/Sp. Somado todo campeonato foram cinco derrotas. As perspectivas de um equilíbrio maior na temporada 2018/2019 são ainda maiores. A hegemonia do Sada/Cruzeiro está em xeque. Resta saber, como o time irá repor suas peças com a queda do ranking de atletas da CBV na categoria masculina.

No naipe feminino, o Praia Clube de Uberlândia conquistou pela primeira vez o inédito título. Com uma campanha irrepreensível na fase regular da disputa, conquistou o direito de decidir em casa nos playoffs. Essa vantagem acabou pesando no confronto contra o time do Nestlé/Osasco na semi-final. Na grande final, em dois jogos, a equipe soube administrar a primeira derrota no jogo 1 contra o Sesc/Rj, para vencer no segundo e no set de ouro. Ao contrário de anos anteriores, o favoritismo era todo da equipe de Uberlândia. O time carioca, comandado pelo vitorioso técnico Bernardinho, enfrentou uma série de contusões durante a temporada. A equipe foi engrenar apenas nos confrontos semifinais contra o Camponesa/Minas. No fim, o planejamento do Praia Clube bateu as intempéries que se abateram sobre o time do Sesc/Rj.

SEJAM BEM-VINDOS!

Por Carlos Eduardo Rodrigues

As grandes conquistas do voleibol brasileiro nos últimos vinte anos não foram suficientes para aumentar a cobertura do esporte pela grande mídia. No Brasil, as redes de televisão destinam pouco espaço ao esporte. Nem mesmo a nível mundial, a cobertura é correspondida como gostaríamos. Nós os fãs, torcedores e jornalistas, graças ao avanço tecnológico, possuímos hoje ferramentas que não existiam antes. Através delas, no caso a Internet, conseguimos expandir o alcance do esporte. Seja por meio da FIVB, Federação Internacional de Voleibol, seja na enorme audiência dos Jogos Olímpicos, em escala mundial, conseguimos furar esse bloqueio pela rede. É com imenso prazer, que através dessa ferramenta do WordPress, em formato de blog, entre tantos outros bem-sucedidos, inauguro mais um espaço na Internet dedicado ao voleibol. Declaro aberto!