RESUMO DA COPA – dia 17

Pela sexta rodada da Copa do Mundo de vôlei masculino 2019, seis jogos foram realizados na quarta-feira, 9 de Outubro, em Hiroshima, no Japão, em duas arenas distintas, na mesma cidade. A seleção brasileira manteve a dianteira na tabela, com a sexta vitória consecutiva na competição. Estados Unidos e Polônia também venceram e seguem a caça ao líder Brasil.

Rodada 6

Na abertura da rodada, em Hiroshima, a Tunísia surpreendeu o Canadá e quase venceu o jogo. Em um confronto equilibrado, os canadenses precisaram do tie-break para derrotar os tunisianos. O placar final da partida foi 3×2, com parciais de 25/20, 20/25, 29/27, 20/25, 15/12. Mesmo com o revés, o tunisiano Nagga foi o maior pontuador do confronto com 30 pontos.

A seleção canadense comemora ponto/Divulgação FIVB

Na sequência de jogos, na quadra principal, a Itália bateu o Egito pelo placar máximo, ou seja, 3×0, com parciais de 25/19, 25/21, 25/22. O ponteiro holandês naturalizado italiano Dick Kooy foi o destaque individual da partida com 18 pontos, sendo 14 de ataque, 1 no bloqueio e 3 no serviço.

O holandês naturalizado italiano Kooy/Divulgação FIVB

Ainda na mesma arena, depois da vitória italiana, poloneses e russos entraram em quadra para mais um clássico europeu na Copa. Melhor para a Polônia. Contra o time alternativo da Rússia, os poloneses conquistaram mais um resultado positivo, de virada, pelo placar de 3×1, com parciais de 25/27, 25/21, 25/18, 25/22. Leon pela Polônia e Voronkov pela Rússia lideraram a pontuação do jogo, com 19 pontos cada.

Na outra quadra, após o jogo entre brasileiros e argentinos, os Estados Unidos enfrentaram o Irã. O duelo terminou em 3×1, com parciais 25/18, 22/25, 25/18, 25/12, a favor dos americanos. O ponteiro Russel dos Estados Unidos marcou a maior pontuação do jogo. Ele anotou 18 pontos.

Encerrando o dia de competições, o Japão venceu a Austrália e seguiu com sua boa campanha na Copa, até o momento. O placar final ficou em 3×0, com parciais de 25/17, 25/22, 25/22. Foi a quarta vitória japonesa no torneio. Mais uma vez, Ishikawa foi o destaque do Japão. Ele marcou 15 pontos, sendo 13 de ataque e 2 no serviço.

O oposto Nishida no serviço, fundamento responsável pela vitória japonesa/Divulgação FIVB

BRASIL CONQUISTA SEXTA VITÓRIA CONSECUTIVA

A seleção brasileira masculina de vôlei conquistou mais uma vitória na Copa do Mundo 2019, disputada no Japão. Jogando em Hiroshima, o Brasil derrotou a Argentina, seu principal rival continental, por 3×0, com parciais de 25/19, 25/19, 26/24. Foi o sexto triunfo consecutivo brasileiro na competição. O Brasil lidera o torneio com 6 vitórias, em 6 jogos. Na próxima rodada, a seleção brasileira enfrenta os Estados Unidos, em duelo decisivo pelo título da Copa. A partida acontece na manhã de quinta-feira, 10 de Outubro, às 6h, com transmissão do SPORTV 2.

Ao fim do confronto com os argentinos, o ponteiro Leal conversou com a assessoria da CBV sobre o jogo. “Acho que hoje conseguimos a vitória jogando no coletivo. Fizemos um jogo bom em todos os fundamentos, principalmente o saque e na recepção, que funcionaram muito bem. Entramos 100% neste jogo e não demos chances do adversário crescer. Agora entramos em uma fase muito importante do campeonato, estamos em uma caminhada muito boa e seguimos em busca do título”.

RESUMO

Os argentinos iniciaram o duelo com o Brasil com a estratégia clara de forçar o serviço. No entanto, a Argentina cometeu muitos erros no fundamento. Tal fato, facilitou a virada de bola brasileira. Além disso, com o passe na mão, Bruninho deitou e rolou, com uma distribuição homogênea. Para piorar a situação, o saque brasileiro fez estragos na linha de recepção dos argentinos. O habilidoso levantador Sanchez não conseguiu jogar. Em alguns momentos, os argentinos equilibraram o confronto na defesa e com as inversões de rede. Porém, o dia era do Brasil. Até mesmo o bloqueio, deficiência crônica na temporada, contribuiu de forma efetiva, com 8 pontos, além de diversas chances criadas de contra-ataques.

ARGENTINA Sanchez (0), Bruno Lima (14), Palacios(13), Martinez (7), Loser (3), Ramos (4), Vicentin (L). Entraram: Giraudo (1), Johansen (3). Técnico: Marcelo Mendez

BRASIL Bruninho (2), Alan (15), Leal (14), Lucarelli (10), Lucão (9), Flávio (8), Thales (L). Entraram: Maurício Borges (0), Cachopa (0), Filipe Roque (1), Isac (0). Técnico: Renan Dal Zotto

O bloqueio brasileiro, destaque do jogo/Divulgação FIVB

RESUMO DA COPA – dia 16

No último domingo, 6 de Outubro, foi realizada a quinta rodada da Copa do Mundo masculina de vôlei, no Japão. Com a vitória sobre o Irã por 3×1, o Brasil manteve a liderança na competição. Em 5 jogos, a seleção brasileira venceu todos as partidas e perdeu apenas 2 sets. Estados Unidos e Polônia estão na cola, em 2º e 3º lugar, respectivamente, com uma derrota.

Rodada 5

Iniciando o dia de jogos, em Nagano, o time alternativo da Rússia derrotou o Egito, uma das surpresas do torneio. O placar do jogo ficou em 3×1, com parciais 25/19, 21/25, 25/19, 25/21, a favor dos russos. O ponteiro Podlesnykh foi o maior pontuador do confronto com 17 pontos, sendo 12 de ataque, 2 de bloqueio e 3 no serviço.

O ponteiro russo Podlesnykh/Divulgação FIVB

Já na sede de Fukuoka, italianos e poloneses entraram em quadra no clássico europeu. Sem dificuldades, contra uma Itália desfalcada, a Polônia venceu pelo placar máximo, com parciais de 25/18, 25/18, 25/22. Os poloneses Leon e Sliwka dividiram a liderança na pontuação com 15 pontos cada.

Na sequência, na mesma arena em Fukuoka, os Estados Unidos bateram a Tunísia. Sem sustos, os americanos triunfaram por 3×0 e mantiveram a caça ao líder Brasil na tabela. Com 25/10, 25/18 e 25/17, os Estados Unidos conquistaram a quarta vitória e somaram 13 pontos contra 15 do Brasil. Mesmo com o revés, o tunisiano Nagga foi o destaque individual do jogo na pontuação, com 13 pontos.

Nagga no ataque/Divulgação FIVB

Em Nagano, após a vitória do Brasil sobre o Irã, Canadá e Austrália se enfrentaram em busca do segundo resultado positivo na Copa do Mundo. Melhor para os canadenses, pelo placar de 3×1, de virada, com parciais de 18/25, 28/26, 25/20, 25/22. O ponteiro do Canadá Maar foi o maior pontuador da partida, com 24 pontos.

Fechando a rodada, em Fukuoka, o Japão venceu pela terceira vez em cinco jogos na competição. Contra a Argentina, os japoneses surpreenderam assim como na estreia contra a Itália. Com o apoio da torcida e grande atuação do ponteiro Ishikawa, o Japão venceu por 3×1, com parciais de 25/19, 25/20, 26/28, 25/22.

Ishikawa destaque do jogo com 23 pontos/Divulgação FIVB

EM DUELO EQUILIBRADO, BRASIL VENCE O IRÃ

A seleção brasileira masculina de vôlei derrotou o Irã, em jogo válido pela quinta rodada da Copa do Mundo 2019, disputada no Japão. Em jogo parelho, os brasileiros venceram os iranianos pelo placar de 3×1, de virada, com parciais de 25/27, 25/21, 27/25, 25/22. Mesmo com o revés, o jovem oposto Yali do Irã foi o maior pontuador do confronto. Ele anotou 25 pontos. Pelo Brasil, Leal e Alan marcaram 16 pontos cada.

Com o resultado, a seleção brasileira manteve a liderança invicta na competição, com 15 pontos, 5 vitórias em 5 jogos. Na próxima rodada, os brasileiros enfrentam os argentinos, na madrugada de quarta-feira, 9 de Outubro, a partir das 2h, com transmissão do SPORTV 2, na cidade de Hiroshima.

Após o duelo com o Irã, o central Lucão, um dos destaques do Brasil na partida, conversou com a assessoria da CBV sobre a vitória. “Tem uma palavra que usamos desde 2015 que é resiliência. Esse campeonato é muito cansativo. Viemos de partidas pesadas, como a da Rússia ontem, e o Irã jogou muito bem, com baixo nível de erro. Nós não conseguimos sacar tão bem hoje, talvez por estarmos mais cansados e eles conseguiram ter uma virada de bola muito forte. Agora temos dois dias para recuperar as energias porque sabemos que em Hiroshima vai ser pesado também”.

RESUMO

Brasileiros e iranianos fizeram um duelo extremamente parelho e disputado ponto a ponto. Com exceção da segunda parcial, todo o confronto foi marcado pelo equilíbrio em quase todos os fundamentos. Mesmo assim, os brasileiros quase permitiram a reação do Irã no set, encerrado em 25/21.

O Brasil sacou melhor que os iranianos, durante a partida, mesmo com rendimento abaixo dos jogos anteriores. Além disso, com Leal pouco inspirado e Alan bem marcado, o levantador Bruninho usou do velho entrosamento com Lucão para desafogar a rede.

Em um jogo tenso e nervoso, ficou claro a inexperiência da seleção escalada pelo Irã. Eles sentiram a pressão de decidir nos momentos cruciais da partida. Nesses lances, os iranianos cometeram erros típicos de times juvenis. A maior experiência dos brasileiros pesou e fez a diferença.

IRÃ Karimi (3), Yali (25), Esfandiar (13), Fayazi (10), Shafiei (13), Gholami (7), Hazrat (L). Entraram: Moazzen (0). Técnico: Igor Kolakovic

BRASIL Bruninho (3), Alan (16), Leal (16), Lucarelli (12), Lucão (14), Maurício Souza (4), Thales (L). Entraram: Cachopa (0), Filipe Roque (1), Maurício Borges (0), Douglas Souza (0), Flávio (5). Técnico: Renan Dal Zotto

Lucão no ataque/Divulgação FIVB

RESUMO DA COPA – dia 15

Aconteceu ontem, 4 de Outubro, no Japão, a quarta rodada da Copa do Mundo masculina de vôlei 2019. O Brasil manteve a liderança invicta. Os Estados Unidos estão na 2ª posição, em recuperação na competição, depois de perder na estreia para a Argentina. A Polônia vem em seguida, na 3ª posição, também com uma derrota, justamente, para os americanos.

Rodada 4

Na abertura da rodada, em Nagano, o confronto entre Egito e Canadá abriu o dia de jogos na Copa. Egípcios e canadenses fizeram uma partida disputada, decidida apenas no tie-break. Depois de fazer 2×0 no placar, com um duplo 27/25, a seleção canadense permitiu o empate do Egito. No set desempate, o Canadá venceu o jogo com 15/9, conquistando a primeira vitória na competição. O ponteiro canadense Hoag foi o maior pontuador do duelo com 20 acertos.

O canadense Hoag/Divulgação FIVB

Já em Fukuoka, a Polônia se recuperou do revés para os americanos, com uma vitória sobre a Argentina, de virada. O cubano naturalizado polonês Leon liderou sua equipe no triunfo por 3×1, com parciais de 27/29, 25/17, 25/18, 26/24. Ele marcou 20 pontos, sendo 17 de ataque, 1 de bloqueio e 2 no serviço.

Na sequência de jogos, ainda em Fukuoka, a Itália conquistou o segundo resultado positivo na Copa. Contra a Tunísia, os italianos venceram pelo placar máximo, com parciais de 25/19, 25/21, 25/18. Mais uma vez, o oposto da Itália, Gabriele Nelli foi o destaque individual de sua seleção. Ele anotou 21 pontos, em apenas 3 sets, sendo 19 no ataque.

O oposto Nelli no ataque/Divulgação FIVB

Em Nagano, após o triunfo brasileiro sobre a Rússia, Irã e Austrália entraram em quadra, repetindo a última final do Campeonato Asiático. Como na final do continental, o Irã venceu a Austrália. Dessa vez, por 3×1, com parciais de 25/22, 18/25, 25/18, 27/25. Mesmo com a derrota, o australiano Williams saiu do jogo como destaque na pontuação. Ele marcou 19 pontos.

A seleção iraniana comemora ponto/Divulgação FIVB

Encerrando o dia, o anfitrião Japão enfrentou os Estados Unidos, atuais campeões da Copa do Mundo. Sem dificuldades, os americanos bateram os japoneses, por 3×0, com parciais de 25/19, 25/19, 25/21. O central Holt dos Estados Unidos anotou a maior pontuação do jogo, com 12 no total, sendo 5 apenas no bloqueio.

SELEÇÃO MASCULINA ATROPELA RÚSSIA B

Pela Copa do Mundo de vôlei masculino 2019, em jogo válido pela quarta rodada da competição, o Brasil atropelou o time alternativo da Rússia. Com grande atuação individual do oposto Alan, ele marcou 18 pontos, a seleção brasileira derrotou os russos, pelo placar máximo, com parciais 25/16, 25/22, 25/22. Com o resultado, os brasileiros conquistaram a quarta vitória na Copa. O Brasil é o único ainda invicto no torneio e líder isolado com 12 pontos. Na próxima rodada, a seleção brasileira enfrenta o Irã, na madrugada de domingo, 6 de Outubro, a partir das 2h, com transmissão do SPORTV 2.

Ao final do confronto, o levantador Bruninho conversou com a assessoria da CBV sobre a vitória contra a Rússia. “Sabíamos das qualidades do time da Rússia, que força muito saque e, como eles erraram muito no primeiro set, isso acabou facilitando um pouco nosso trabalho. Mas estávamos com bom volume de jogo, sem errar, sabendo trabalhar o nosso ataque contra um bloqueio grande como o russo. No segundo set, o saque começou a entrar, tivemos um pouco mais de dificuldade, mas não perdemos a paciência. No terceiro, estivemos atrás, mas não perdemos a concentração. Eles forçaram o saque, sabendo que era tudo ou nada. E mais uma vez o time se mostrou lúcido e isso é uma qualidade que temos mostrado nesse campeonato”.

RESUMO

A Rússia começou o jogo dominando as ações. Com saque e bloqueio agressivos, os russos foram para a primeira parada técnica, da primeira parcial, na frente. Na sequência, o jogo se inverteu. O saque brasileiro começou a funcionar e com mais volume de jogo no fundo de quadra, o Brasil pressionou os russos no bloqueio. Foram 5 pontos no fundamento apenas no 1º set. Errando muito pouco, os brasileiros fecharam a parcial em 25/16.

Nas parciais seguintes, o serviço russo foi mais eficiente. O Brasil teve uma queda de rendimento no fundamento, apesar de boas passagens do oposto Alan pelo saque. Os brasileiros passaram a errar e o bloqueio não conseguiu parar a virada de bola da Rússia. No entanto, os russos erraram ainda mais e também não foram capazes de neutralizar o oposto Alan. Graças a atuação individual dele, o Brasil fechou o jogo em 3×0, até com certa tranquilidade.

BRASIL Bruninho (0), Alan (18), Leal (13), Lucarelli (6), Lucão (6), Maurício Souza (7), Thales (L). Entraram: Cachopa (0), Filipe Roque (1), Maurício Borges (0). Técnico: Renan Dal Zotto

RÚSSIA Grankin (0), Kruglov (8), Podlesnykh (13), Voronkov (5), Iakovlev (6), Vlasov (3), Golubev (L). Entraram: Surmachevskiy (6), Kovalev (0), Shcherbinin (4). Técnico: Tuomas Sammelvuo

O oposto Alan no serviço/Divulgação FIVB

RESUMO DA COPA – dia 14

Foi encerrada a terceira rodada da Copa do Mundo de vôlei masculino 2019. Com jogos em Nagano e Fukuoka, no Japão, a competição terminou esses primeiros três jogos com apenas o Brasil na liderança. Além disso, a seleção brasileira é a única ainda invicta no torneio. Os demais todos já perderam. Uns mais, outro menos. Seguem de perto o Brasil nesse momento da Copa, as seleções da Polônia e dos Estados Unidos.

Rodada 3

O dia na Copa do Mundo masculina de vôlei começou com duas viradas. Em Nagano, o Irã virou para cima do Canadá e conquistou a primeira vitória na competição. O placar final do jogo ficou em 3×1, com parciais de 18/25, 25/23, 27/25, 25/19, em favor dos iranianos. O oposto canadense Vernon foi o maior pontuador do confronto com 24 acertos.

O oposto canadense Vernon no ataque/Divulgação FIVB

Já em Fukuoka, após abrir 2×0 de vantagem no placar, com 28/26, 25/17, os argentinos permitiram a virada italiana de forma implacável com 25/12, 25/18 e 15/10. O oposto da Itália Gabriele Nelli foi o destaque individual do jogo. Ele anotou 23 pontos, sendo 21 no ataque e 2 de bloqueio.

Na sequência de jogos, em Nagano, outra virada, porém com muita disputa. Depois de perder a primeira parcial para a Austrália por 25/16, os russos viraram a partida para 2×1, com 25/22 e 28/26. Porém, o dia era australiano. Com muita perseverança, a Austrália passou na frente novamente, fechando a partida no tie-break, com 25/21 e 15/12. O australiano Stockton marcou 19 pontos, sendo a maior pontuação do confronto.

A seleção australiana comemora a vitória/Divulgação FIVB

Ainda pela terceira rodada, em Fukuoka, o clássico do dia entre Polônia e Estados Unidos. Melhor para os americanos, que se recuperam na competição após derrota na primeira partida da Copa para a Argentina. No fim, o placar ficou em 3×1, com parciais de 25/19, 25/20, 24/26, 27/25, em favor dos Estados Unidos. Foi o primeiro revés polonês na competição. O oposto americano Anderson foi o maior pontuador do duelo. Ele fez 23 pontos. Pela Polônia, Leon marcou 21 pontos.

Fechando o dia, o Japão venceu pela segunda vez na Copa do Mundo. Dessa vez, contra a Tunísia, pelo placar máximo, com parciais de 25/23, 25/21, 25/11. Mais uma vez, o japonês Nishida saiu de quadra como maior pontuador. Ele anotou 17 pontos, sendo 14 no ataque, 1 de bloqueio e 2 no serviço.

O japonês Nishida/Divulgação FIVB

BRASIL SUPERA RESISTÊNCIA EGÍPCIA

A seleção brasileira masculina de vôlei conquistou a terceira vitória na Copa do Mundo 2019. Em jogo válido pela terceira rodada da competição, contra o Egito, os brasileiros enfrentaram muita resistência adversária. A disputa valia a liderança do torneio. Depois de abrir 1×0, com 25/19, o Brasil perdeu o set seguinte, para os egípcios, por 25/21. Na terceira parcial, a seleção brasileira retomou a frente do placar, novamente por 25/19, fechando a partida em 3×1, com 25/22, na quarta parcial. O cubano naturalizado brasileiro Leal foi o maior pontuador do confronto com 22 pontos. Pelo Egito, o oposto Salah marcou 12 pontos.

Ao fim do jogo, o técnico da seleção brasileira, Renan Dal Zotto conversou com assessoria da CBV sobre o resultado da partida. “Conseguimos os três pontos diante de um time que fez uma excelente partida. Eles começaram de forma brilhante a competição e sabíamos que seria um jogo muito complicado. Agora é pensar na partida de amanhã e sabemos que cada jogo conta muito. Temos que encarar sempre como uma grande final. Hoje estamos felizes pela vitória sobre o Egito, que vem fazendo uma excepcional Copa do Mundo”.

Com o resultado, o Brasil assumiu a liderança isolada da Copa do Mundo, com 9 pontos, 3 vitórias, em 3 jogos. Os brasileiros são os únicos ainda invictos na competição. Na próxima rodada, a seleção masculina joga contra a Rússia, na madrugada de sábado, 5 de Outubro, às 2h, com transmissão do SPORTV 2. Já o Egito, enfrenta o Canadá, daqui a pouco, a partir das 23h.

RESUMO

A seleção egípcia iniciou a partida caçando o ponteiro Leal no serviço. Ora no saque flutuante, ora no saque viagem. O Brasil não deixou por menos e fez três pontos no fundamento ainda na primeira parcial. Naquele momento, a diferença do jogo para os brasileiros esteve no aproveitamento de ataque na virada de bola e nos contra-ataques.

Aos poucos, o Egito ajustou seu sistema defensivo. O jogo ficou mais equilibrado. Com bom volume de jogo, converteu pontos importantes nos contra-ataques, conseguindo bater os brasileiros na segunda parcial. No entanto, os egípcios não mantiveram o ritmo no ataque nas parciais seguintes.

O técnico egípcio, o holandês Gido Vermeulen trocou o time inteiro. Jogando bem taticamente, os Egito neutralizou o ponteiro brasileiro Lucarelli e o tirou da partida. Porém, em noite inspirada de Leal e Alan, o Brasil se virou bem, sem um dos seus principais atacantes.

A falta de eficiência na virada de bola custou a derrota para o Egito. Mesmo não atuando com excelência na distribuição, Bruninho fez o suficiente para manter o aproveitamento de seus atacantes. Com um sistema defensivo mais eficaz, o Brasil venceu o jogo se apoiando em sua virada de bola e nos contra-ataques.

BRASIL Bruninho (3), Alan (20), Leal (22), Lucarelli (1), Lucão (14), Maurício Souza (1), Thales (L). Entraram: Cachopa (0), Felipe Roque (1), Maurício Borges (2), Douglas Souza (0), Flávio (4). Técnico: Renan Dal Zotto

EGITO Abdallah (4), Salah (12), Shafik (9), Omar (6), Seliman (9), Seoudy (6), Ahmed (L). Entraram: Mohamed (L), Mansur (4), Ewais (3), Rashad (2), Masoud (2), Mahmoud (5). Técnico: Gido Vermeulen

Leal no serviço/Divulgação FIVB

RESUMO DA COPA – dia 13

img_0011

Aconteceu, na quarta-feira, 2 de Outubro, no Japão, a segunda rodada da Copa do Mundo masculina de vôlei 2019. Três seleções lideram a classificação, com 6 pontos, 2 vitórias em 2 jogos. São elas: Brasil, Polônia e Egito. Também ainda estão invictos mais dois países, porém com 5 pontos: Rússia e Argentina. A ponta na tabela pertence aos brasileiros nos critérios de desempate. A terceira rodada da competição está marcada para esta sexta, 4 de Outubro, com três jogos em cada sede, nas cidades de Nagano e Fukuoka.

Rodada 2

Na abertura de jogos do dia, em Nagano, o Egito surpreendeu novamente. Dessa vez, a vítima foi o Irã. De virada, os egípcios bateram os iranianos, por 3×1, com parcais de 24/26, 25/22, 25/18, 26/24. Mesmo com a derrota, o iraniano Yali foi o maior pontuador do confronto com 22 pontos.

Seleção egípcia comemora vitória após o jogo/Divulgação FIVB

No segundo jogo do dia, na sede de Fukuoka, a Argentina conquistou a segunda vitória na Copa. Contra a Tunísia, depois de abrir 2×0 no placar com 25/19 e 25/18, os argentinos levaram um susto na terceira parcial e perderam para os tunisianos por 25/23. Na sequência retomaram o controle da partida e fecharam o duelo em 3×1, com 25/14, no 4° set.

O tunisiano Nagga, maior pontuador da partida/Divulgação FIVB

A rodada teve continuidade, em Nagano, com o confronto entre Canadá e Rússia, em mais um jogo com virada no placar. Após fazer 2×0, os canadenses permitiram a reação e o empate dos russos. No fim, a Rússia bateu o Canadá, no tie-break, por 15/10. Voronkov foi o destaque individual do confronto com 19 pontos, sendo 17 de ataque, 1 de bloqueio e 1 no serviço.

Em Fukuoka, depois da segunda vitória argentina, ocorreu o clássico do dia entre Estados Unidos e Itália. Com mais uma virada na rodada, os atuais campeões da Copa do Mundo, venceram os italianos por 3×1, até com certa facilidade, com parciais de 19/25, 25/19, 25/14, 25/19. O oposto Anderson foi o maior pontuador do jogo com 16 pontos.

Encerrando a rodada, em Fukuoka, os anfitriões japoneses enfrentaram os poloneses, atuais campeões mundiais. O triunfo polonês não foi fácil. Eles cederam a primeira parcial na Copa e perderam a liderança da competição para o Brasil. No fim, vitória da Polônia por 3×1, com parciais de 25/23, 25/17, 19/25, 25/17. O japonês Nishida marcou 16 pontos, sendo a maior pontuação do jogo.

O japonês Nishida em ação de ataque/Divulgação FIVB

EM SEU SEGUNDO JOGO, BRASIL DERROTA AUSTRÁLIA

Pela Copa do Mundo de vôlei masculino 2019, em jogo válido pela 2ª rodada, o Brasil conquistou a segunda vitória na competição. Contra a Austrália, a seleção brasileira venceu pelo placar máximo, ou seja, 3×0, com parciais de 25/15, 25/20, 25/17. Mais uma vez, o oposto brasileiro Alan foi o maior pontuador do confronto, empatado com o australiano Williams, com 13 pontos cada.

Ao fim do duelo contra a Austrália, o técnico Renan Dal Zotto comentou com a assessoria da CBV sobre a vitória. “São três pontos importantes em uma competição muito equilibrada, onde cada jogo é uma final. Tenho certeza que os números de hoje, o resultado do placar, não reflete o que se apresentou nos últimos anos entre Brasil e Austrália, que sempre fizeram jogos equilibrados. Fico feliz porque saímos de um jogo importante, que nos deixou bastante preocupados, com três pontos que valem muito nesta competição”.

Com o resultado, o Brasil assumiu a liderança da Copa, com 6 pontos, nos critérios de desempate. Também ainda estão invictos no torneio as seleções da Polônia, Egito, Argentina e Rússia. Na próxima rodada da competição, os brasileiros duelam pela ponta da tabela contra os egípcios. A partida acontece na sexta-feira, 4 de Outubro, logo cedo, a partir das 6h da manhã, com transmissão do SPORTV 2.

RESUMO

O Brasil iniciou a partida contra a Austrália titubeando nos contra-ataques. Aos poucos, os brasileiros imprimiram o seu ritmo de jogo ao duelo. Como um rolo compressor, os brasileiros não deixaram os australianos respirarem. Com saque e bloqueio eficientes, em um nível ainda maior do que na estreia, a seleção brasileira não permitiu qualquer reação da Austrália. No entanto, diferentemente do duelo anterior contra o Canadá, o serviço australiano colocou a recepção brasileira em apuros, em vários momentos. Porém, a virada de bola do Brasil manteve um alto aproveitamento, com Leal e Lucarelli, mesmo nas bolas mais altas.

AUSTRÁLIA Dosanjh (0), Williams (13), O’dea (6), Weir (5), Sanderson (2), Smith (7), Perry (L). Entraram: Staples (0), Richards (2). Técnico: Mark Lebedew

BRASIL Bruninho (2), Alan (13), Lucão (9), Maurício Souza (4), Leal (11), Lucarelli (10), Thales (L). Entraram: Cachopa (1), Maurício Borges (0), Flávio (1), Filipe Roque (2), Douglas Souza (2). Técnico: Renan Dal Zotto

A seleção brasileira comemora a vitória/Divulgação FIVB