A DESPEDIDA DE MARCELO MENDEZ

O técnico Marcelo Mendez/Divulgação Agência i7

O argentino Marcelo Mendez anunciou o fim de sua parceria com o Sada/Cruzeiro, após a eliminação precoce do time na Superliga Masculina 2020/2021. Em mais de dez anos na direção da equipe, ele conquistou 39 títulos. Uma marca impressionante e inigualável. Dificilmente, nos próximos anos, teremos no vôlei nacional, o domínio e a quebra dessa marca da parceria entre Marcelo Mendez e o Cruzeiro.

Além das vitórias e títulos, a passagem de Marcelo Mendez contribuiu para o desenvolvimento da seleção brasileira masculina. Sob a tutela do argentino, o mago “William” consagrou-se vestindo a camisa do Cruzeiro. O oposto Wallace, de promessa da modalidade, tornou-se referência em sua posição, com a camisa do Cruzeiro e do Brasil.

Evidentemente, o sucesso de Marcelo Mendez no voleibol brasileiro e a saída de Bernardinho do comando da seleção brasileira, levaram a especulações em torno da substituição. Marcelo Mendez foi cogitado para a função. No entanto, foi preterido no processo pela CBV, que decidiu por um nome mais conservador: do vice-campeão olímpico, como jogador, em Los Angeles 1984, Renan Dal Zotto.

Nem por isso, podemos afirmar que Marcelo Mendez, não deixou um legado para a seleção brasileira masculina. Sob seu comando, o ponteiro cubano Leal, ainda jovem, aprimorou o seu voleibol, defendendo o Cruzeiro. Foram anos de trabalho. O resultado foi tão satisfatório, que o cubano acabou por naturalizar-se brasileiro, em um cenário de escassez de talentos para a posição no Brasil.

Certo é que não dá pra dizer quem sai perdendo com essa história. Cruzeiro ou Brasil? Agora treinador da seleção masculina da Argentina, rumo à Europa, no vôlei de clubes, Marcelo Mendez imprimiu seu estilo no Cruzeiro. Será um duro adversário para o Brasil daqui em diante, no comando da Argentina. Falando nisso, hoje o Cruzeiro anunciou o nome do ponteiro Filipe como seu substituto técnico. Uma aposta arrojada. Resta aos fãs cruzeirenses, dividirem-se entre torcer para o seu time, o Brasil e a Argentina.

JF VÔLEI É CAMPEÃO INVICTO DA SUPERLIGA B

A equipe do JF Vôlei, campeã da Superliga B/Douglas Magno/Divulgação JF Vôlei

O Juiz de Fora Vôlei conquistou a Superliga B masculina 2021. Ontem, 19 de Abril, jogando em Contagem, Minas Gerais, no ginásio do Riacho, o JF Vôlei bateu o Upis/Brasília na grande final da competição. Foi a 12ª vitória em 12 jogos. O placar final do confronto ficou em 3×2, com parciais de 25/14, 25/21, 18/25, 23/25, 15/13, a favor da equipe mineira.

Com o resultado, o JF Vôlei foi campeão da Superliga B invicto. O central Brunão do Juiz de Fora foi eleito o melhor em quadra, recebendo o troféu Viva Vôlei. É bom destacar que tanto o JF Vôlei, quanto o Upis/Brasília, já estão garantidos na divisão de elite da Superliga Masculina 2021/2022.

Após a conquista, o técnico Marcos Nascimento do JF Vôlei agradeceu ao empenho dos seus atletas em conversa com a assessoria da CBV. “Este é um grupo especial, com muita resiliência, que cresceu nos momentos difíceis. Estou muito feliz com a conquista, Juiz de Fora merecia este título”.

Fonte: CBV

JF VÔLEI E UPIS/BRASÍLIA DECIDEM SUPERLIGA B

Nesta segunda-feira, 19 de Abril, Juiz de Fora Vôlei e Upis/Brasília decidem a Superliga B masculina 2021. A final acontecerá em jogo único, em Contagem, Minas Gerais, no ginásio do Riacho, às 18h, com transmissão do SPORTV 2. O JF Vôlei chega invicto na decisão. Venceu todos os seus 11 jogos na competição. O Upis/Brasília foi vice-líder na fase regular, atrás apenas do JF Vôlei.

Tanto JF Vôlei, quanto o Upis/Brasília, já estão garantidos na 1ª divisão da Superliga Masculina 2021/2022. O JF Volei retorna à elite do voleibol brasileiro após 3 temporadas. Já a cidade de Brasília terá equipes nos dois naipes da Superliga. O Brasília Vôlei disputa a 1ª divisão da versão feminina desde a temporada 2020/2021.