O 1º TURNO DA SUPERLIGA MASCULINA

Há poucos dias do fim de 2020, o 1º turno da Superliga Masculina foi encerrado com o confronto entre os principais favoritos ao título: Taubaté e Cruzeiro. Com uma vitória por 3×1, o Cruzeiro terminou a primeira metade da fase regular na liderança da competição. Apesar disso, o time mineiro teve uma derrota no turno, para o rival Minas, na 3ª rodada. Algo que não acontecia há muito tempo.

No entanto, como previsto antes do início da Superliga, a diferença técnica entre os grandes concorrentes ao título e as demais equipes foi a marca do 1º turno. Muitos jogos protocolares, com vitórias previsíveis, em que Taubaté e Cruzeiro se deram ao luxo de poupar jogadores. Competitividade mesmo, apenas no duelo entre eles e contra Minas e Campinas.

Falando nisso, a briga por vagas nos playoffs está quente! Sete equipes brigam por 4 vagas. Dependendo de quem sejam os classificados, podemos ter uma Superliga versão café com leite, no mata-mata, com times apenas dos estados de São Paulo e Minas. Um sinal da falta de representatividade de outros estados na competição. Porém, o bom trabalho realizado por essas duas federações deve ser destacado.

O candidato a estragar a festa de paulistas e mineiros, é a equipe do Apan/Blumenau de Santa Catarina. Também não pode deixar de ser citado a surpreendente campanha do Uberlândia/Gabarito. Como também é bom o Sesi/SP ficar atento ao risco de rebaixamento. Em décimo lugar, com 11 pontos, pela 1ª vez o Sesi ficou de fora da Copa do Brasil. A queda do investimento, explica boa parte desse resultado, até o momento.

COPA DO BRASIL

Encerrado o 1º turno, foram definidos os confrontos da Copa do Brasil 2021. A competição reúne os oito primeiros colocados do turno da Superliga 2020/2021, em partida única eliminatória. Assim, o 1º enfrenta o 8º, 2ºx 7º, 3ºx 6º 4ºx 5º. Os confrontos estão previstos para o dia 13 de Janeiro. As finais serão disputadas em uma sede específica, escolhida pela CBV. Abaixo você confere os duelos de quartas-de-final da Copa do Brasil 2021.

Sada/Cruzeiro (1º) x (8º) Vôlei Guarulhos

EMS/Taubaté (2º) x (7º) Apan/Blumenau

Vôlei Renata/Campinas (3º) x (6º) Vôlei Itapetininga

Fiat/Minas (4º) x (5º) Uberlândia/Gabarito

O JOGO DA RODADA – Sada/Cruzeiro assume liderança da Superliga

Pela temporada 2020/2021 da Superliga Masculina, em jogo válido pela última rodada do turno, o Sada/Cruzeiro venceu o EMS/Funvic/Taubaté, em disputa direta pela liderança da competição. Jogando em seus domínios, no ginásio do Riacho, em Contagem, o time celeste bateu o Taubaté, de virada, por 3×1, com parciais de 22/25, 25/20, 28/26, 25/22. O oposto Alan do Cruzeiro foi o maior pontuador do confronto com 23 pontos. Ele ainda foi eleito o melhor em quadra, em votação popular pela internet, com 28% dos votos.

Ao final da partida, ele comentou sobre o jogo, em entrevista ao SPORTV. “Os dois times jogaram muito bem, mas nós tivemos muito altos e baixos ao longo da partida. Nós soubemos sair destes momentos de dificuldades. No 1º set estávamos com a vantagem e deixamos eles virarem. Nas demais parciais entramos mais concentrados, sacamos bem, atacamos bem e bloqueamos bem, conseguimos neutralizar alguns pontos fortes deles”.

Com o resultado, o Taubaté perdeu a invencibilidade e a liderança na competição. Já o Cruzeiro, encerrou o turno da temporada, em 1º lugar, com 31 pontos, 10 vitórias e uma derrota, em 11 jogos. Na próxima rodada começa o returno da Superliga Masculina 2020/2021. O Taubaté enfrenta o Uberlândia/Gabarito, em casa, na terça-feira, 22 de Dezembro, às 19h, com transmissão do Canal Vôlei Brasil, enquanto o Cruzeiro recebe o Volei Guarulhos, em Contagem, também na terça-feira, 22 de Dezembro, às 20h, com transmissão do Canal Vôlei Brasil.

SADA/CRUZEIRO Cachopa (4), Alan (23), Conte (11), López (15), Isac (11), Otávio (8), Lukinha (L). Entraram: Pingo (1), Filipe (0). Técnico: Marcelo Mendez

EMS/FUNVIC/TAUBATÉ Bruninho (3), Filipe Roque (18), Maurício Borges (13), João Rafael (7), Maurício Souza (6), Lucão (13), Thales (L). Entraram: João Franck (5), Fabiano (0). Técnico: Javier Weber

OUTROS RESULTADOS – 11ª rodada do turno

Caramuru 0x3 Vôlei Renata/Campinas 23/25, 10/25, 14/25

Uberlândia 3×1 Vôlei Itapetininga 25/21, 23/25, 25/18, 25/21

Pacaembú Ribeirão 1×3 Apan/Blumenau 18/25, 21/25, 25/22, 16/25

Sesi/SP 1×3 Vôlei Guarulhos 23/25, 25/23, 23/25, 25/27

O oposto Alan em ação de ataque/Agência i7/Divulgação Sada

A SURPREENDENTE CAMPANHA DO UBERLÂNDIA/GABARITO

Novidade da temporada 2020/2021 da Superliga Masculina, o time do Uberlândia/Gabarito, até o momento, é uma das grandes surpresas da competição. Repleto de caras desconhecidas do grande público, com investimento menor que a maioria dos seus adversários, a equipe do Triângulo Mineiro ocupa a 5ª posição na tabela, com 12 pontos, atrás apenas dos favoritos Taubaté, Cruzeiro, Campinas e Minas.

Sob o comando técnico de Manoel Honorato, pai do ponteiro Honorato, do Fiat/Minas, o Uberlândia/Gabarito venceu 50% dos seus 8 jogos na 27ª edição da Superliga Masculina. Entre esses resultados, vitórias consistentes contra equipes consideradas superiores tecnicamente, antes do início da competição, como: Apan/Blumenau e Sesi/SP. Tais resultados, levaram o Uberlândia a sonhar com uma vaga nos playoffs.

Diante dos favoritos, o Uberlândia que havia assustado o Cruzeiro nas semifinais do Campeonato Mineiro 2020, não foi páreo. Apesar disso, na estreia da Superliga, dentro de casa, contra o Taubaté, a equipe fez uma boa apresentação. O placar final do jogo ficou em 3×1. Contra o Campinas, o time não conseguiu repetir o mesmo nível de jogo, perdendo por 3×0. Obviamente, com o nível de jogo apresentado pelo Uberlândia, os adversários estudaram o time do Triângulo com mais afinco.

Um dos motivos para o sucesso da equipe de Manoel Honorato é o seu sistema tático. A equipe oscila durante os jogos entre o sistema 4×2 ou 5×1, de acordo com seu desempenho e dos adversários. Ao optar por jogar com três atacantes na rede, o Uberlândia/Gabarito surpreende por utilizar um sistema de jogo em desuso no vôlei de alto nível masculino há muito tempo.

Uma das possíveis explicações para a opção pelo sistema 4×2 pelo técnico Manoel Honorato é que, o projeto do Uberlândia/Gabarito nasceu na cidade do Triângulo Mineiro com foco nas categorias de base, mais conhecido como Academia do Vôlei. É comum nessa fase de desenvolvimento do jogo, a utilização de sistemas alternativos, pois o importante nesse momento é o aprimoramento físico e técnico dos atletas de base. Certo é que, seja qual for o esquema, o Uberlândia/Gabarito brigará por vagas nos playoffs.

O técnico Honorato, ao centro, com os filhos/Divulgação Academia do Vôlei

O JOGO DA RODADA – Na reedição da final do Paulista, Taubaté devolve derrota para o Campinas

Pela temporada 2020/2021 da Superliga Masculina, em jogo válido pela 7ª rodada da competição, o EMS/Funvic/Taubaté derrotou o Vôlei Renata/Campinas, na reedição da final do Paulista 2020. Jogando fora de casa, na cidade de Campinas, no ginásio do Taquaral, a equipe do Vale do Paraíba venceu os donos da casa, por 3×1, com parciais de 25/18, 25/22, 22/25, 25/23. O oposto Filipe Roque do Taubaté foi eleito o melhor em quadra, em votação popular pela internet. Ele ainda foi o maior pontuador do confronto com 21 pontos.

Ao final da partida, após receber o troféu Viva Vôlei, Roque falou sobre o desempenho do time com a assessoria da CBV. “Isso é fruto de muito trabalho. Trabalhamos muito para chegar aqui e dar o nosso melhor dentro de quadra. Oscilamos um pouco no terceiro set, mas conseguimos melhorar e fechar o jogo no quarto. Estudamos bastante, o Weber montou uma estratégia para anular os atacantes deles e isso veio a nosso favor”.

Com o resultado, o EMS/Funvic/Taubaté manteve a liderança e invencibilidade na competição, com 21 pontos, 7 vitórias em 7 jogos. Já o Campinas perdeu a vice-liderança no torneio, após conhecer a sua segunda derrota na Superliga 2020/2021. Na próxima rodada, na sexta-feira, 4 de Dezembro, o Taubaté recebe no ginásio do Abaeté o Sesi/SP, às 19h. Já o Campinas, enfrenta o Guarulhos, fora de casa, no domingo 6 de Dezembro, também às 19h, com transmissão do SPORTV 2.

OUTROS RESULTADOS – 7ª rodada do turno

Pacaembu/Ribeirão 0x3 Uberlândia/Gabarito 14/25, 18/25, 18/25

Itapetininga 2×3 América Vôlei 25/18, 25/27, 25/22, 22/25, 9/15

Sesi/SP 0x3 Sada/Cruzeiro 17/25, 17/25, 23/25

Minas 3×0 Guarulhos 25/21, 25/18, 25/18

O oposto Filipe Roque, melhor da partida/Divulgação Vôlei Renata Campinas

AS ESTATÍSTICAS DA SUPERLIGA MASCULINA

Após seis rodadas da temporada 2020/2021 da Superliga Masculina, já é possível realizar um panorama do desempenho individual dos atletas, com base nos dados estatísticos da CBV. Nesse momento da competição, o oposto Renan do Itapetininga lidera no quesito pontuação. Ao todo, ele já marcou 114 pontos, quase 30 pontos de diferença para o 2º colocado, Escobar do Minas, que marcou até agora 85 pontos.

Renan também lidera as estatísticas na média de pontos por set, com 6 pts. Nesses números, o oposto Franco do Blumenau aparece em 2º lugar, com média de 4,82. Na 3ª posição, está o jovem oposto Darlan do Sesi/SP, com 4,76 de média. Lembrando que tanto Franco, quanto Darlan, possuem jogos a cumprir em virtude da pandemia do coronavírus.

No fundamento ataque, dois centrais estão na frente com maior aproveitamento. São eles: Michel do Campinas e Lucão do Taubaté. O primeiro com 71% de eficiência e o segundo também com 71% de eficiência. A diferença fica nos critérios de desempate. O terceiro colocado é o argentino Conte do Cruzeiro com 67%.

No bloqueio, mais um central do Taubaté aparece entre os destaques. Trata-se de Maurício Souza com média de 1,29 pontos no fundamento por set. Nos números totais, Maurício Souza também lidera com 22 pontos de bloqueio na competição até o momento. Em 2º lugar, está o central Michel do Campinas, com 14 pontos totais. Em 3º, está o central Léo do Sesi/SP, com 13 pontos.

Já na recepção, a disputa pela liderança está entre os dois mais fortes concorrentes para a posição de líbero da seleção brasileira nos Jogos de Tóquio. No caso, o líbero Thales do Taubaté e o líbero Maique do Minas. Com 79% de eficiência no passe, Thales está em 1º, seguido de perto por Maique, com 77% de aproveitamento no fundamento.

Encerrando a leitura dos números da CBV, uma análise do serviço. Nos números totais, o ponteiro Rammé do Guarulhos lidera com 10 pontos no fundamento, seguido de Pinho do Uberlândia com 8 pontos. Em 3º lugar, com 7 pontos, está o levantador Bruninho do Taubaté. Já na média por set, a liderança pertence ao central Riad do Taubaté, com média de 1 ponto. Em 2º está o ponteiro Rammé com 0,53. Fechando o top 3, na média, aparece o ponteiro Álvaro do Cruzeiro com 0,5.

O time dos sonhos da Superliga Masculina 2020/2021, até agora, segundo a CBV, é formado pelo levantador Cachopa do Cruzeiro, o oposto Darlan do Sesi, os centrais Maurício Souza e Riad do Taubaté, os ponteiros Maurício Borges do Taubaté e Rammé do Guarulhos, e o líbero Maique do Minas.

Fonte: CBV

OS TÉCNICOS ARGENTINOS NO BRASIL

O voleibol brasileiro sempre teve as portas abertas para os nossos vizinhos argentinos. Seja dentro de quadra ou fora dela, eles sempre estiveram presentes em nossas competições. Nem por isso, a rivalidade entre os dois países na modalidade deixou de existir. No entanto, o intercâmbio entre os dois países contribuiu para o crescimento da excelência no esporte. O maior exemplo disso é a forte presença de técnicos argentinos na história da Superliga Masculina.

Em se tratando de história da Superliga, no naipe masculino, 5 treinadores argentinos já disputaram o certame. Com menor destaque, Jon Uriarte e Daniel Castellani. O primeiro comandou a Austrália no ciclo de 2000 a 2004, sendo vice-campeão da Superliga com o Minas na temporada 2004/2005. Mais tarde, na última década, ele voltou a ser técnico da seleção australiana masculina.

Já o segundo, Castellani, teve passagem turbulenta pelo Taubaté, na temporada 2018/2019, sendo substituído por Renan Dal Zotto. Após a sua saída, o Taubaté foi campeão da Superliga pela 1ª vez. Em seu currículo, consta o primeiro título europeu masculino da Polônia em 2009. Em comum entre Uriarte e Castellani, está a conquista da medalha de bronze pela Argentina, nos Jogos de Seul em 1988, como jogadores.

Os outros três treinadores com passagens por equipes brasileiras masculinas na Superliga disputam a atual edição da competição. São eles: Horácio Dileo, Marcelo Mendez, Javier Weber. Cada um deles, com currículos de fazer inveja a Bernardinho, José Roberto Guimarães e Bebeto de Freitas.

Marcelo Mendez (Divulgação FIVB)

Campeão de tudo com o Cruzeiro, a frente do projeto do Sada há mais de dez anos, atual treinador da seleção masculina da Argentina, Marcelo Mendez representa como ninguém o sucesso do intercâmbio técnico da Superliga, seja fora ou dentro de quadra. Seu legado para o vôlei brasileiro é tão importante, que ele foi cogitado a treinar a seleção nacional após a saída de Bernardinho.

Javier Weber/Divulgação FIVB

Único estrangeiro a ser campeão como treinador e jogador da Superliga Masculina, Javier Weber é um grande conhecido da modalidade no Brasil. Responsável pelo desenvolvimento de jovens talentos em seu país, ele despontou como técnico após conquistar a Superliga Masculina pela Unisul na temporada 2003/2004. Entre suas conquistas está o bronze em Seul como atleta, além da hegemonia nacional no vôlei argentino com o Bolívar, como treinador. Também esteve presente nos Jogos Olímpicos como treinador de seu país em 2008 e 2012.

Horácio Dileo/Divulgação Vôlei Renata

Atual campeão paulista pelo Campinas, Horácio Dileo já é uma figura constante na Superliga. No Brasil, desde 2016, Dileo alcançou a marca de mais de 130 jogos como técnico do Campinas. Profundo conhecedor de vôlei, seu trabalho foi reconhecido por ninguém menos que Marcelo Mendez, outro técnico argentino da Superliga. Atualmente, além de dirigir o Campinas, Dileo é assistente de Marcelo Mendez na seleção masculina da Argentina. Juntos, no ano passado, eles conquistaram o ouro no Pan de Lima.

O JOGO DA RODADA – Sada/Cruzeiro se recupera de derrota para o Minas

Pela temporada 2020/2021 da Superliga Masculina, em jogo válido pela 4ª rodada da competição, o Sada/Cruzeiro recuperou-se da derrota para o Minas na rodada anterior. Jogando em Contagem, no ginásio do Riacho, em seus domínios, contra o Vôlei Renata de Campinas, o time celeste saiu de quadra com a vitória. O placar final do confronto ficou em 3×1, a favor dos cruzeirenses, com parciais de 25/21, 23/25, 28/26, 25/18.

O ponteiro cubano López do Cruzeiro foi o maior pontuador da partida com 23 pontos. Ele foi eleito em votação popular pela internet, o melhor em quadra, com 22% dos votos. Ao final do jogo, ele entregou o troféu Viva Vôlei para o técnico do seu time Marcelo Mendez, como reconhecimento pelo trabalho dele.

Com o resultado, o Vôlei Renata perdeu a invencibilidade no torneio. Já o Cruzeiro conquistou a terceira vitória, em 4 jogos. Na próxima rodada, no próximo sábado, 21 de Novembro, o Cruzeiro joga contra o Itapetininga, fora de casa, no ginásio Ayrton Senna, às 16h30, com transmissão do SPORTV 2. O Vôlei Renata recebe o Minas, em Campinas, no ginásio do Taquaral, no domingo, 22 de Novembro, às 21h30, também com transmissão do SPORTV 2.

SADA/CRUZEIRO Cachopa, Alan, Conte, López, Otávio, Pingo, Lukinha (L). Entraram: Rodriguinho, Álvaro. Técnico: Marcelo Mendez

VÔLEI RENATA/CAMPINAS Gonzalez, Vissoto, Temponi, Vaccari, Michel, Barreto, Bello (L). Entraram: Cristiano. Técnico: Horácio Dileo

OUTROS RESULTADOS – 4ª rodada

Sesi/SP 0x3 Uberlândia/Gabarito 18/25, 23/25, 23/25

América Vôlei 3×0 Pacaembú/Ribeirão 25/19, 25/10, 25/15

Caramuru 1×3 Itapetininga 20/25, 25/12, 26/28, 22/25

O central Pingo do Cruzeiro em ação de ataque/Divulgação Cruzeiro

A 1ª RODADA DA SUPERLIGA MASCULINA

Teve início a temporada 2020/2021 da Superliga Masculina. A rodada inaugural da competição aconteceu no fim de semana, sendo encerrada na última terça-feira, 3 de Novembro. O jogo entre Itapetininga e Blumenau foi adiado para o dia 18 de Novembro. O time do interior paulista sofreu um surto de coronavírus no fim de Outubro, tendo sua partida da 1ª rodada adiada. O Itapetininga ainda ficou de fora do Super Vôlei em virtude do COVID-19. Confira abaixo um panorama da abertura da Superliga Masculina.

1ª Rodada

No sábado, 31 de Outubro, em Ribeirão Preto, na Cava do Bosque, o Pacaembú/Ribeirão recebeu o Fiat/Minas, no primeiro jogo da temporada. O atual vice-campeão mineiro não teve dificuldades para vencer por 3×0, fora de casa. O oposto cubano Escobar foi o maior pontuador do confronto, com 13 pontos. Pelo Ribeirão, André Luiz anotou 8 pontos.

Na sequência da rodada, ainda no sábado, o Sesi/SP enfrentou o Caramuru, dentro de casa, na Vila Leopoldina, em São Paulo. Sob o comando de Marcelo Negrão, com uma equipe renovada, o Sesi/SP estreou com vitória na Superliga. O placar final do duelo ficou em 3×1, com parciais de 25/16, 25/21, 21/25, 25/21, a favor da equipe do bicampeão mundial Murilo.

No domingo, em Guarulhos, o Cruzeiro não deu chances ao mandante estreante na história da Superliga. Poupando o ponteiro Conte e o central Isac, o Cruzeiro venceu com autoridade, por 3×0, com parciais de 25/19, 25/21, 25/19. O oposto Alemão do Guarulhos foi o grande destaque individual do jogo. Ele anotou 16 pontos. Pelo Cruzeiro, o também oposto Alan marcou 14 pontos.

Anteontem, em Montes Claros, foi a vez de América e Vôlei Renata/Campinas entrarem em quadra. Desfalcado do ponteiro Vaccari, o atual campeão paulista encontrou alguma resistência, mas bateu o América, fora de casa, por 3×1, com parciais de 25/18, 21/25, 25/19, 25/17. O ponteiro Bruno Temponi do Campinas foi apontado pelo GE como o fator de desequilíbrio do jogo.

Ainda na terça-feira, 3 de Novembro, o Taubaté, bicampeão da Supercopa e do Super Vôlei, jogou fora de casa, em Uberlândia, contra a equipe da casa. O time de Bruninho e Lucão tomou um susto na segunda parcial, mas saiu de quadra com a vitória. O placar da partida ficou em 3×1, com parciais de 27/25, 23/25, 25/16, 25/18. Uma curiosidade do jogo foi o sistema tático adotado pelo Uberlândia/Gabarito. Contrariando as convenções atuais, o time dirigido por Manoel Honorato, pai do ponteiro Honorato do Minas, entrou em quadra jogando em 4×2. Algo improvável no naipe masculino há muito tempo na modalidade.

PELA SUPERCOPA, TAUBATÉ É BICAMPEÃO

Pela Supercopa Masculina de Vôlei, na abertura da temporada da Superliga, o EMS/Funvic/Taubaté conquistou o bicampeonato consecutivo da competição. No ano passado, o time do Vale do Paraíba foi campeão do torneio com uma vitória por 3×1 contra o Cruzeiro. Em 2020, jogando em Campo Grande (MS), reeditando a final do ano anterior, o Taubaté bateu o Cruzeiro novamente. Dessa vez, por 3×2, com parciais de 19/25, 25/21, 30/28, 14/25, 15/11. Com o resultado, o Taubaté conquistou o seu segundo título na temporada. Na semana passada, o time de Bruninho e Lucão venceu o Troféu Super Vôlei.

Ao fim do confronto, o levantador Rapha do Taubaté, que entrou no lugar de Bruninho ao longo da partida, por motivo de uma contusão, comentou sobre o jogo decisivo contra o Cruzeiro com a assessoria da CBV. “Mais um jogo muito difícil. Nossos jogos contra o Cruzeiro são sempre assim. No Troféu Super Vôlei vencemos por 3×0, mas aquilo não era o que representa esse duelo. Hoje, estávamos preparados para um jogo diferente, longo. Nós temos um grupo fantástico, que está de parabéns, todo mundo se ajudou o tempo inteiro e estou muito feliz por estar saindo daqui com esse título”.

EMS/FUNVIC/TAUBATÉ Bruninho, Filipe Roque, Maurício Souza, Lucão, Maurício Borges, João Rafael, Thales (L). Entraram: Yudi, Gabriel, Fabiano, Raphael. Técnico: Javier Weber

SADA/CRUZEIRO Cachopa, Alan, Isac, Otávio, López, Conte, Lukinha (L). Entraram: Rhenrick, Oppenkoski, Rodriguinho. Técnico: Marcelo Mendez

O campeão da Supercopa/Divulgação CBV/Inovafoto/Célio Messias

SUPERLIGA MASCULINA 2020/2021

Começa neste sábado, 31 de Outubro, a 27ª edição da Superliga Masculina. A abertura da competição inicia-se hoje, com a disputa do título da Supercopa, em Campo Grande (MS), na reabertura do ginásio Guanandizão, às 21h30, com transmissão do SPORTV 2. O atual campeão da Copa do Brasil, Sada/Cruzeiro, enfrenta o mais recente campeão da Superliga, EMS/Funvic/Taubaté, na reedição da final do Troféu Super Vôlei, disputado na semana passada, em Belo Horizonte.

Já pela temporada 2020/2021 da Superliga propriamente dita, dois jogos acontecem amanhã, com transmissão do Canal Vôlei Brasil. Em São Paulo, na Vila Leopoldina, às 21h30, o Sesi/SP joga contra o Caramuru Vôlei do Paraná. Ainda no mesmo dia, em Ribeirão Preto, na Cava do Bosque, o Pacaembú/Ribeirão recebe o Fiat/Minas, às 19h.

O complemento da rodada, ocorre no domingo e na terça-feira seguintes. No dia 1º de Novembro, em Guarulhos, no ginásio Ponte Grande, no jogo entre o estreante Vedacit Guarulhos e o Sada/Cruzeiro, às 21h30. No dia 3 de Novembro, com mais duas partidas. Em Montes Claros, com América Vôlei versus Vôlei Renata/Campinas, às 19h, e em Uberlândia, com o também estreante na Superliga, Uberlândia/Gabarito contra o Taubaté. Todos esses três confrontos serão transmitidos pelo SPORTV 2.

Favoritismo

A pandemia do coronavírus afetou financeiramente alguns times que figuraram nos últimos anos entre os favoritos ao título da Superliga. O Sesc/RJ foi extinto. O Sesi/SP diminuiu os investimentos. Muitos atletas foram jogar na Europa, entre eles, o oposto da seleção brasileira Wallace. O cenário da disputa mudou.

A julgar pelos investimentos dos clubes, não há a menor dúvida que Cruzeiro e Taubaté largam na frente pela disputa do título da temporada. Antes coadjuvantes, Campinas e Minas agora aparecem como candidatos a azarões. No Paulista 2020, o Vôlei Renata desbancou o hexacampeão Taubaté.

Dito isso, pela primeira vez em anos de Superliga masculina, desde o fim do ranking, o nível de competitividade e o equilíbrio técnico do torneio estão seriamente ameaçados. Provavelmente, muitas partidas serão protocolares dada a defasagem das equipes e a disparidade dos elencos.

Existem 8 times que disputam a Superliga com chances de classificação para os playoffs e também de rebaixamento. Longe de querer defender o ranking, porém, talvez seja necessário para os próximos anos, aprovar algum tipo de fair play financeiro.