SADA/CRUZEIRO É PENTACAMPEÃO DA SUPERCOPA

A equipe do Sada/Cruzeiro pela 5ª vez no alto do pódio da Supercopa/Divulgação CBV/Inovafoto/Wellington Lima

O Sada/Cruzeiro abriu a temporada com a conquista da Supercopa. Foi o quinto título da competição vencido pelos cruzeirenses. Anteriormente, o Sada ganhou a Supercopa em 2015, 2016, 2017, 2021. Neste ano, jogando no Recife, no ginásio Geraldão, contra o Minas, o Cruzeiro venceu o torneio, com uma vitória por 3×0, com parciais de 25/19, 25/14, 25/18.

O ponteiro cubano López do Cruzeiro foi o maior pontuador da final, com 15 pontos. Ao final do jogo, em votação popular pela internet, o oposto Wallace foi eleito “Craque de Ouro Unicesumar”. Com o resultado, o Cruzeiro conquistou o primeiro título da temporada de clubes no naipe masculino.

Ao final do confronto, o técnico do Sada/Cruzeiro, Filipe Ferraz, comentou sobre a conquista da Supercopa, em entrevista para CBV. “Foi uma conquista importante. Fizemos uma apresentação brilhante, apesar do pouco tempo com o time completo. Tenho que parabenizar atletas e comissão técnica. O time tem muito a crescer. Foi maravilhoso o modo como a torcida nos recebeu aqui em Recife, todo o carinho, a casa cheia. Eles mostraram o quanto apreciam o voleibol”.

SADA/CRUZEIRO Uriarte, Wallace, Lopez, Rodriguinho, Otávio, Lucão e Lukinha (líbero). Técnico: Filipe Ferraz

MINAS William, Vissotto, Honorato, Marcus, Matheus Pinta, Kelvi e Maique (líbero). Entraram: Saliba, Rendrick, Juninho, Arthur Bento, Henrique. Técnico: Nery Tambeiro.

O oposto Wallace com a premiação individual da Unicesumar/Divulgação CBV/Inovafoto/Wellington Lima

PELA 4ª VEZ, SADA/CRUZEIRO VENCE SUPERCOPA

A equipe do Sada/Cruzeiro, campeã da Supercopa 2021/Divulgação CBV/Inovafoto

O Sada/Cruzeiro conquistou a Supercopa masculina de vôlei 2021. Foi o quarto título do time celeste na história da competição. Anteriormente, o Cruzeiro venceu o torneio que abre a temporada nacional de clubes em 2015, 2016 e 2017. Neste ano, jogando na cidade de Várzea Grande, em Mato Grosso, na decisão do título, o Cruzeiro superou o Funvic/Natal por 3×0, com parciais de 25/22, 25/15, 25/22. Com o resultado, o Sada conquistou o segundo título na temporada. Há duas semanas, o time celeste foi campeão mineiro.

Ao final do confronto, o central Isac do Cruzeiro comentou sobre a conquista do título em entrevista à CBV. “Esse título é mais um capítulo de um novo ciclo. O Filipe vem implementando uma mentalidade vencedora na equipe. Ele tinha uma grande intensidade dentro de quadra como jogador e fora dela é mesma coisa como técnico. Temos trabalhado bastante e vejo cada vez mais um grupo forte e unido. Hoje jogamos muito bem e fico feliz com esse início vitorioso de ciclo”.

Já o líbero Thales do Funvic lamentou a derrota para o Cruzeiro. “Ainda temos muitas coisas para melhorar e sabíamos que essa partida seria difícil. No entanto foi muito bom ter vindo e enfrentado o melhor time do Brasil. Somente desta forma vamos evoluir como equipe”.

Fonte: CBV

SUPERLIGA MASCULINA 2021/2022

Começa no próximo sábado, 23 de Outubro, a Superliga Masculina 2021/2022. Cinco jogos estão programados para a 1ª rodada da competição. Além disso, na terça-feira, 26 de Outubro, acontece a disputa da Supercopa. O atual campeão da Copa do Brasil, Sada/Cruzeiro, enfrenta o atual campeão da Superliga, ex-Funvic/Taubaté, agora Funvic/Natal, em Várzea Grande, Mato Grosso, às 19h30, com transmissão do SPORTV 2.

Competição

Como foi dito acima, o fim da equipe de Taubaté, reorganizou o jogo de forças da Superliga Masculina. Nesta edição, o Fiat/Minas aparece com boas chances de título. Após o surpreendente vice-campeonato na temporada passada, o Minas se reforçou, aumentando as possibilidades de conquista da competição. Algo que não acontece há muito tempo. O jejum já dura 15 anos.

Um dos principais concorrentes do Minas na Superliga/Masculina 2021/2022 é o Sada/Cruzeiro. A equipe multicampeã é a grande favorita ao título da temporada. Porém, como Minas, enfrenta um jejum. Há três anos, o Cruzeiro não chega sequer nas finais da competição. Com a queda de Taubaté, seu principal rival, o time celeste pode engatar uma nova sequência de títulos. Para esta temporada, a principal novidade do Cruzeiro está no banco. O ponteiro Filipe se aposentou e virou técnico do time.

Quem pode estragar a festa dos mineiros é o Vôlei Renata/Campinas. Bicampeão paulista, reforçado com o central Lucão e o ponteiro Adriano, e agora comandado por Marcos Pacheco, o Vôlei Renata é o principal empecilho para uma inédita final mineira na Superliga Masculina. A julgar pelos últimos resultados e desempenho do Campinas, Minas e Cruzeiro terão muitas dificuldades para chegar na decisão da Superliga Masculina juntos.

4ª Força

Além do protagonismo dos favoritos ao título, outra disputa deve ser destaque na Superliga Masculina 2021/2022. O G4 da competição está em aberto. A briga pelo 4º lugar na fase regular será ferrenha. Pelo menos seis equipes tem chances de alcançar essa posição na tabela. Quem conseguir finalizar a fase de classificação nessa posição, terá vantagem na fase eliminatória seguinte, além de aumentar as chances de presença nas semifinais, contra os favoritos ao título.

NA ABERTURA DA TEMPORADA, PRAIA VENCE SUPERCOPA

A equipe do Praia Clube, campeã da Supercopa 2021/Divulgação CBV

O Praia Clube conquistou a Supercopa feminina de vôlei 2021. Foi o quarto título consecutivo do time do Triângulo Mineiro na história da competição. Anteriormente, o Praia venceu o torneio que abre a temporada nacional de clubes em 2018, 2019, 2020. Neste ano, jogando na cidade de Brusque, em Santa Catarina, na decisão do título, o Praia superou o Minas por 3×0, com parciais de 25/16, 25/18, 25/20. Com o resultado, o Praia conquistou o seu segundo título na temporada. Há dois dias, o time de Uberlândia foi campeão mineiro dentro da Arena Minas, em Belo Horizonte.

Ao final do confronto, a central Carol do Praia comentou sobre a conquista do título em entrevista à CBV. “Estou muito feliz com esse título para o Dentil/Praia Clube. Estamos passando por um momento muito difícil com a pandemia e tenho que agradecer aos patrocinadores e aos torcedores que estão sempre do nosso lado. Essa equipe tem trabalhado muito e ainda temos muito o que evoluir. Esse é só o início do trabalho. Foi um começo de temporada muito bom, mas temos que colocar o pé no chão e seguir trabalhando muito forte”.

Já o técnico do Minas, Nicola Negro, lamentou a performance de sua equipe. “Não estamos satisfeitos com a forma que jogamos e fico triste pelo público que merecia uma performance melhor da nossa equipe. Infelizmente nesse momento não conseguimos nos apresentar de forma melhor. Parabéns ao Praia Clube pelo título. Tivemos algumas jogadoras que ficaram fora por 15 dias e estamos sentindo isso. Agora temos que pensar no Sul-Americano e seguir trabalhando bastante”.

ITAMBÉ/MINAS Macris, Kisy, Thaisa, Gattaz, Oszoy, Pri Daroit e Léia (líbero). Entraram: Pri Heldes, Cuttino, Pri Souza. Técnico: Nicola Negro

DENTIL/PRAIA CLUBE Claudinha, Brayelin, Jineiry, Carol, Anne Buijs, Kasiely e Suelen (líbero). Técnico: Paulo Coco

A ponteira holandesa Anne Buijs, maior pontuadora do jogo, com 16 pontos/Divulgação CBV

PELA 2ª VEZ, EM UMA SEMANA, PRAIA CLUBE CONQUISTA TÍTULO

Pela Supercopa Feminina de Vôlei, na abertura da temporada da Superliga, o Praia Clube de Uberlândia conquistou o tricampeonato consecutivo da competição. Anteriormente, em 2018 e 2019, a equipe do Triângulo Mineiro foi campeã contra Osasco e Minas, respectivamente. Neste ano, jogando em Campo Grande (MS), na decisão do título, diante do Sesc/Flamengo, o Praia bateu o time de Bernardinho por 3×1, com parciais de 25/16, 23/25, 25/21, 25/18. Com o resultado, o Praia conquistou o seu segundo título na temporada. Na semana passada, o time de Uberlândia venceu o Troféu Super Vôlei também contra o Sesc/Flamengo.

Após a vitória, a levantadora Claudinha do Praia comentou sobre a conquista do título e os desafios da temporada com a assessoria da CBV. “Sabemos que ainda temos muito a evoluir. Hoje foi um jogo de altos e baixos, mas a força da nossa equipe está fazendo muita diferença. Quando uma cai um pouco, outra bem, coloca pra cima e a força da equipe é algo que vem sendo fundamental. Que venham cada vez mais, vamos enfrentar muitas dificuldades pela frente, sabemos disso, mas temos um grupo muito forte para superar tudo isso”.

DENTIL/PRAIA CLUBE Claudinha, Martínez, Walewska, Carol, Garay, Buijs, Suelen (L). Entraram: Monique, Mari Paraíba, Michelle, Laís (L). Técnico: Paulo Coco

SESC/FLAMENGO Fabíola, Lorenne, Juciely, Milka, Amanda, Sabrina, Drussyla (L). Entraram: Gabirú, Juma. Técnico: Bernardinho

O tricampeão da Supercopa/Divulgação CBV/Célio Messias/Inovafoto

PELA SUPERCOPA, TAUBATÉ É BICAMPEÃO

Pela Supercopa Masculina de Vôlei, na abertura da temporada da Superliga, o EMS/Funvic/Taubaté conquistou o bicampeonato consecutivo da competição. No ano passado, o time do Vale do Paraíba foi campeão do torneio com uma vitória por 3×1 contra o Cruzeiro. Em 2020, jogando em Campo Grande (MS), reeditando a final do ano anterior, o Taubaté bateu o Cruzeiro novamente. Dessa vez, por 3×2, com parciais de 19/25, 25/21, 30/28, 14/25, 15/11. Com o resultado, o Taubaté conquistou o seu segundo título na temporada. Na semana passada, o time de Bruninho e Lucão venceu o Troféu Super Vôlei.

Ao fim do confronto, o levantador Rapha do Taubaté, que entrou no lugar de Bruninho ao longo da partida, por motivo de uma contusão, comentou sobre o jogo decisivo contra o Cruzeiro com a assessoria da CBV. “Mais um jogo muito difícil. Nossos jogos contra o Cruzeiro são sempre assim. No Troféu Super Vôlei vencemos por 3×0, mas aquilo não era o que representa esse duelo. Hoje, estávamos preparados para um jogo diferente, longo. Nós temos um grupo fantástico, que está de parabéns, todo mundo se ajudou o tempo inteiro e estou muito feliz por estar saindo daqui com esse título”.

EMS/FUNVIC/TAUBATÉ Bruninho, Filipe Roque, Maurício Souza, Lucão, Maurício Borges, João Rafael, Thales (L). Entraram: Yudi, Gabriel, Fabiano, Raphael. Técnico: Javier Weber

SADA/CRUZEIRO Cachopa, Alan, Isac, Otávio, López, Conte, Lukinha (L). Entraram: Rhenrick, Oppenkoski, Rodriguinho. Técnico: Marcelo Mendez

O campeão da Supercopa/Divulgação CBV/Inovafoto/Célio Messias

SUPERLIGA MASCULINA 2020/2021

Começa neste sábado, 31 de Outubro, a 27ª edição da Superliga Masculina. A abertura da competição inicia-se hoje, com a disputa do título da Supercopa, em Campo Grande (MS), na reabertura do ginásio Guanandizão, às 21h30, com transmissão do SPORTV 2. O atual campeão da Copa do Brasil, Sada/Cruzeiro, enfrenta o mais recente campeão da Superliga, EMS/Funvic/Taubaté, na reedição da final do Troféu Super Vôlei, disputado na semana passada, em Belo Horizonte.

Já pela temporada 2020/2021 da Superliga propriamente dita, dois jogos acontecem amanhã, com transmissão do Canal Vôlei Brasil. Em São Paulo, na Vila Leopoldina, às 21h30, o Sesi/SP joga contra o Caramuru Vôlei do Paraná. Ainda no mesmo dia, em Ribeirão Preto, na Cava do Bosque, o Pacaembú/Ribeirão recebe o Fiat/Minas, às 19h.

O complemento da rodada, ocorre no domingo e na terça-feira seguintes. No dia 1º de Novembro, em Guarulhos, no ginásio Ponte Grande, no jogo entre o estreante Vedacit Guarulhos e o Sada/Cruzeiro, às 21h30. No dia 3 de Novembro, com mais duas partidas. Em Montes Claros, com América Vôlei versus Vôlei Renata/Campinas, às 19h, e em Uberlândia, com o também estreante na Superliga, Uberlândia/Gabarito contra o Taubaté. Todos esses três confrontos serão transmitidos pelo SPORTV 2.

Favoritismo

A pandemia do coronavírus afetou financeiramente alguns times que figuraram nos últimos anos entre os favoritos ao título da Superliga. O Sesc/RJ foi extinto. O Sesi/SP diminuiu os investimentos. Muitos atletas foram jogar na Europa, entre eles, o oposto da seleção brasileira Wallace. O cenário da disputa mudou.

A julgar pelos investimentos dos clubes, não há a menor dúvida que Cruzeiro e Taubaté largam na frente pela disputa do título da temporada. Antes coadjuvantes, Campinas e Minas agora aparecem como candidatos a azarões. No Paulista 2020, o Vôlei Renata desbancou o hexacampeão Taubaté.

Dito isso, pela primeira vez em anos de Superliga masculina, desde o fim do ranking, o nível de competitividade e o equilíbrio técnico do torneio estão seriamente ameaçados. Provavelmente, muitas partidas serão protocolares dada a defasagem das equipes e a disparidade dos elencos.

Existem 8 times que disputam a Superliga com chances de classificação para os playoffs e também de rebaixamento. Longe de querer defender o ranking, porém, talvez seja necessário para os próximos anos, aprovar algum tipo de fair play financeiro.

PELA SUPERCOPA MASCULINA, TAUBATÉ ABRE TEMPORADA COM TÍTULO

O Taubaté comemora o título da Supercopa/Divulgação CBV/Daniel Nunes

Pela Supercopa Masculina de Vôlei, na abertura da temporada nacional de clubes do naipe masculino, o EMS/Funvic/Taubaté conquistou o título da competição pela 1ª vez. Na decisão do torneio, disputado em Uberlândia, o time do Vale do Paraíba de São Paulo, bateu o Sada/Cruzeiro, de virada, por 3×1, com parciais de 21/25, 25/21, 25/16, 25/18.

Ao fim do confronto, o técnico do Taubaté, Renan Dal Zotto, comemorou a conquista do seu time em conversa com a CBV. “A cidade respira o voleibol e ficamos todos muito felizes. Somos o atual campeão da Superliga, agora também da Supercopa, já conquistamos o Paulista nessa temporada e fico muito feliz de ver a garotada se doando ao máximo e acreditando na proposta de trabalho”.

Já o ponteiro Filipe do Cruzeiro fez questão de ressaltar que é apenas o começo da temporada. “A equipe deles jogou melhor e damos parabéns a Taubaté, que hoje mostrou um voleibol superior ao nosso. Hoje foi um jogo preparatório para a Superliga e a nossa equipe está evoluindo aos poucos. Estamos todos juntos há cerca de duas semanas e o grupo tem muito a crescer. Agora é trabalhar, já que o nível é cada vez mais alto”.

Desde 2015, a Supercopa promove o duelo entre os atuais campeões da Superliga e da Copa do Brasil, no começo de toda temporada. Em 2019, o campeão da Superliga 2018/2019, EMS/Funvic/Taubaté, enfrentou o campeão da Copa do Brasil 2019, o Sada/Cruzeiro.

EMS/FUNVIC/TAUBATÉ Rapha, Mohamed, Lucão, Maurício Souza, Lucarelli, Douglas, Thales (L). Entraram: Carísio, Petrus, Lipe. Técnico: Renan Dal Zotto

SADA/CRUZEIRO Cachopa, Evandro, Isac, Otávio, Perrin, Conte, Lukinha (L). Entraram: Oppenkoski, Rodriguinho, Filipe, Hugo, Cledenilson. Técnico: Marcelo Mendez

NA ABERTURA DA TEMPORADA, PRAIA É BICAMPEÃO DA SUPERCOPA

O Praia Clube no lugar mais alto do pódio/Daniel Nunes/Divulgação CBV

Na abertura da temporada nacional de clubes, o Dentil/Praia conquistou a Supercopa pelo segundo ano consecutivo. Em 2018, o time de Uberlândia bateu o Osasco, levando o título da competição. Ontem, jogando dentro de seus domínios, no ginásio do Sabiazinho, contra o Itambé/Minas, o Praia precisou de apenas 1h26m para impor um revés ao adversário. O placar final do confronto ficou em 3×0, com parciais de 25/22, 25/22, 25/19.

Ao fim do jogo, a maior pontuadora do duelo, com 14 pontos, a ponteira Priscila Dairot do Praia, falou com a assessoria da CBV sobre a conquista do título. “Estou muito feliz de ter voltado ao Praia. Tinha o sonho de retornar para essa equipe. Todo o time está de parabéns. Sabíamos da dificuldade desse jogo. Estávamos com alguns desfalques importantes, mas mostramos que somos uma equipe forte. Independentemente de quem jogar não podemos deixar o ritmo cair. Fizemos um bom jogo apesar de oscilarmos em alguns momentos”.

Já a levantadora Macris lamentou a derrota. “A nossa equipe precisa encontrar uma identidade e isso, infelizmente, demanda tempo, coisa que a gente não teve ainda. É algo que a gente precisa construir, tem que trabalhar forte no dia a dia. Os dois times se conhecem muito, apesar que estão com montagens diferentes. Então, além de a gente ter que melhorar individualmente, precisamos encontrar a nossa identidade e sermos agressivas para não sobrecarregar alguma jogadora e também fazer com que todo mundo jogue junto. Então, é ter paciência”.

Desde 2015, a Supercopa promove o duelo entre os atuais campeões da Superliga e da Copa do Brasil, no começo de toda temporada. Como o Itambé/Minas foi o campeão de ambas as competições em 2018/2019, o adversário da Supercopa foi o Dentil/Praia Clube, que disputou as duas decisões contra o Minas no último ano.

DENTIL/PRAIA CLUBE Ananda, Martínez, Fernanda Garay, Pri Dairot, Waleswka, Fran, Laís (L). Entraram: Claudinha, Fawcett, Angélica. Técnico: Paulo Coco

ITAMBÉ/MINAS Macris, Bruna Honório, Deja, Kasiely, Carol Gattaz, Thaísa, Léia (L). Entraram: Bruninha, Sheilla, Lana. Técnico: Nicola Negro