SADA/CRUZEIRO É HEXACAMPEÃO SUL-AMERICANO

No sábado de Carnaval, o Sada/Cruzeiro derrotou o UPCN da Argentina, na decisão do Sul-americano masculino de vôlei 2019, disputado na Arena Minas, em Belo Horizonte, e sagrou-se hexacampeão da competição. Anteriormente, a equipe cruzeirense havia sido campeã em 2012, 2014, 2016, 2017 e 2018.

Na grande final, o time comandado pelo técnico argentino Marcelo Mendez, conquistou uma vitória por 3×1, com parciais de 25/19, 25/18, 21/25, 25/16. Pela medalha de bronze, o Minas perdeu para o Obras San Juan da Argentina por 3×1, com parciais de 25/20, 22/25, 26/24, 25/17.

Este foi o terceiro título cruzeirense na temporada. Antes, o time foi campeão estadual e da Copa do Brasil. Com a vitória no Sul-Americano, o Cruzeiro garantiu a classificação para o Mundial de Clubes.

SELEÇÃO DO SUL-AMERICANO
O ponta americano Sander do Cruzeiro foi eleito MVP do campeonato, melhor jogador da competição. A seleção do sul-americano foi composta pelo levantador Cavanna (UPCN), os centrais Flávio (Minas) e Isac (Cruzeiro), os ponteiros Rodriguinho (Cruzeiro) e Magarejo (Obras San Juan), o oposto Herrera (Obras San Juan) e o líbero Matias (UPCN).

A CAMPANHA DO TÍTULO
1ª Fase
26/02 Sada/Cruzeiro 3×2 UPCN
23/25, 18/25, 25/22, 25/22, 15/11
27/02 Sada/Cruzeiro 3×0 Regatas Lima
25/13, 25/14, 25/14
Semifinal
01/03 Sada/Cruzeiro 3×2 Obras de San Juan
24/26, 22/25, 27/25, 25/23, 15/13
Final
02/03 Sada/Cruzeiro 3×1 UPCN
25/19, 25/18, 21/25, 25/16

image
A comemoração do título/Orlando Bento

ITAMBÉ/MINAS É TETRACAMPEÃO SUL-AMERICANO

O Itambé/Minas derrotou o Praia Clube na rodada final do Sul-Americano feminino de vôlei 2019, disputado na Arena Minas, em Belo Horizonte, e sagrou-se tetracampeão da competição. Anteriormente, a equipe minas-tenista foi campeã em 1999, 2000 e 2018. No jogo do título, o time comandado pelo técnico italiano Stefano Lavarini, conquistou uma vitória por 3×0, com parciais de 25/21, 25/16, 26/24. A central Carol Gattaz foi a maior pontuadora da decisão com 18 pontos. Com o resultado, o Minas garantiu a classificação para o Mundial de Clubes.

SELEÇÃO DO SUL-AMERICANO
A central Carol Gattaz do Minas foi eleita MVP, melhor jogadora da competição. A seleção do campeonato sul-americano 2019 foi composta pela levantadora Macris (Minas), as centrais Bianca (San Lorenzo) e Fabiana (Praia Clube), as ponteiras Garay (Praia Clube) e Gabi (Minas), a oposta Bruna Honório (Minas) e a líbero Léia (Minas).

ITAMBÉ/MINAS Macris, Bruna Honório, Mara, Carol Gattaz, Natália, Gabi, Léia. Entraram: Lana, Georgia, Mayany e Bruninha. Técnico: Stefano Lavarini

DENTIL/PRAIA CLUBE Lloyd, Fawcett, Fabiana, Carol, Garay, Michele, Suellen. Entraram: Rosamaria, Ananda, Paula Borgo e Laís. Técnico: Paulo Coco

A CAMPANHA DO TÍTULO
19/02 Minas 3×0 Club Olympic
25/11, 25/13, 25/12
20/02 Minas 3×0 Boca Juniors
25/9, 25/14, 25/15
22/02 Minas 3×0 San Lorenzo
25/22, 25/12, 25/19
23/02 Minas 3×0 Praia Clube
25/21, 25/16, 26/24

image
A equipe do Minas comemora o 3º título da temporada/Orlando Bento/Divulgação MTC

O SUL-AMERICANO DE CLUBES 2019

Começa hoje, na Arena Minas, em Belo Horizonte, o Sul-Americano de clubes 2019. Sede da competição, nos dois naipes, o Minas Tênis Clube está representado nas duas categorias do torneio. Atuais campeões da Superliga, Praia Clube e Cruzeiro, são os outros dois times brasileiros participantes, no feminino e masculino, respectivamente.

O formato de disputa do campeonato difere nas duas versões. Na versão feminina, cinco equipes lutam pelo título sul-americano 2019, em turno único, todos contra todos. A equipe com maior número de vitórias será campeã.

Já no masculino, seis equipes divididas em dois grupos, com três equipes cada, jogam a 1ª fase. Os dois primeiros de cada grupo avançam para as semifinais. Os vencedores desses confrontos decidem o título na grande final.

A julgar pelas equipes participantes do Sul-Americano feminino, dificilmente, Praia Clube ou Minas, não serão os campeões em 2019. Apenas uma hecatombe poderá impedir o título de um dos times mineiros na competição.

Para o Praia, será a prova de fogo do ano. O atual campeão da Superliga ainda não conseguiu vencer o Minas na temporada. Foram 3 derrotas, em 3 jogos, no Campeonato Mineiro, no turno da Superliga e na final da Copa do Brasil.

Já o Minas, atual campeão sul-americano, terá a chance de ratificar o título do ano passado. Isso porque, para receber o torneio na edição de 2018, em seu ginásio, o clube da Rua da Bahia contou com uma forte política de bastidores. Com o apoio de sua fanática torcida, o Minas bateu o favorito Sesc/Rio de Bernardinho.

No naipe masculino, o nível de competição deverá ser maior que o feminino. Mesmo sendo favorito absoluto, o Cruzeiro não deve encontrar vida fácil. Além de enfrentar o Minas, em seus domínios, o atual tricampeão sul-americano, vencedor de 5 títulos do torneio, terá pela frente o UPCN, campeão da última temporada da liga argentina, campeão sul-americano em 2015, contra o Cruzeiro, dentro de casa.

O retrospecto do time celeste na récem-criada Libertadores do Vôlei confirma esse indicativo. Em duelo diante de times argentinos inferiores ao UPCN, o Cruzeiro saiu derrotado por duas vezes, em 4 jogos. Além dos vizinhos rivais, o Minas será uma das ameaças ao favoritismo cruzeirense. Franco-atirador, o Minas não poderia ser descartado da disputa do título.

Libertadores do Vôlei
Encerrada na semana passada, a Libertadores do Vôlei, no naipe masculino, está sendo apontada como provável substituta do Campeonato Sul-americano. Com o inchaço do calendário, as federações estudam a possibilidade de mudança. Recentemente, o blog Saída de Rede, do UOL, também apontou modificações na disputa do Mundial de Clubes.

De acordo com eles, a FIVB estuda realizar o torneio, em um jogo único, entre o campeão europeu e o campeão sul-americano. Tais alterações seriam providenciais. Ultimamente, os critérios técnicos utilizados para escolher as sedes das competições e os convites realizados aos clubes, para a disputa dos campeonatos, são extremamente nebulosos. Falta clareza e há favorecimentos.