O ADEUS DE PICCININI

Divulgação FIPAV

As quadras de vôlei não terão mais o frescor da beleza da italiana Francesca Piccinini. No mês passado, infelizmente, uma das musas do vôlei anunciou a sua despedida da modalidade. Ela já não defendia mais a seleção de seu país havia três anos. Agora escolheu definitivamente se aposentar. Uma pena para os amantes da graciosidade da atleta.

Como não esquecer a sua passagem pelo Brasil! Ainda jovem, no início de carreira, Piccinini jogou pelo time de Bernardinho, encantando a torcida brasileira, na temporada 1998/1999 da Superliga. Nosso país sempre foi um amigo íntimo da jogadora. Foi pelas mãos de um brasileiro, no caso o técnico Marco Aurélio Motta, que ela foi revelada ao mundo.

Porém, a culpa pelo sucesso da carreira da bella ragazza italiana não foi somente de um brasileiro. Um acidente de percurso, levou a jogadora a prática profissional da modalidade. Segundo consta em algumas entrevistas, Piccinini se apaixonou pelo esporte, após a leitura de uma mangá japonês, em que os personagens jogavam vôlei.

Os críticos desdenhavam do desempenho da atleta em quadra. Para muitos, sua presença na seleção da Itália era midiática. Sua performance quase sempre foi questionada. Tudo inveja! O problema era sua beleza. Certa vez, na Vila Olímpica, em Sydney 2000, ela e suas companheiras de seleção chamaram tanta atenção, que foram assediadas no refeitório.

Com seu talento e patriotismo, a Itália foi campeã mundial, bicampeã europeia, da Copa do Mundo, da Copa dos Campeões. Faltou a medalha olímpica. Problema dos deuses… Pelos clubes, na Europa, Piccinini foi por várias vezes campeã, seja na Liga Italiana ou na Champions League. Por duas vezes, no principal torneio da Europa, calou os críticos, sendo eleita MVP, em 2010 e 2016.

Seus planos para o futuro são um segredo. No último Campeonato Europeu ela foi comentarista da RAI, TV pública italiana. Em entrevistas recentes, disse que não gostaria de ser treinadora, mas trabalhar nas categorias de base.

Seja o que fizer a partir de agora, Piccinini entrou para o rol das atletas inesquecíveis da história da modalidade. E que fique claro, sobrava qualidade e categoria em seu voleibol. Como diria o compositor, cantor e poeta brasileiro Vinícius de Moraes: “Que me perdoem as feias, mas beleza é fundamental”.

Divulgação COI

BRASIL É TRICAMPEÃO DA COPA DO MUNDO

A seleção brasileira masculina de vôlei conquistou a Copa do Mundo 2019, com uma rodada de antecedência. Foi o terceiro título brasileiro na história da competição. Anteriormente, o Brasil foi campeão do torneio em 2003 e 2007. Em 2019, na partida em que ganhou a medalha de ouro, válida pela décima rodada, em Hiroshima, no Japão, os brasileiros bateram os anfitriões por 3×1, com parciais de 25/17, 24/26, 25/14, 27/25. O ponteiro cubano naturalizado brasileiro Leal foi o destaque individual do confronto. Ele marcou 24 pontos.

PREMIAÇÃO INDIVIDUAL

Individualmente, dois jogadores brasileiros devem disputar o prêmio de MVP. O oposto Alan e o ponteiro Leal tiveram ótimas performances ao longo da competição e são os favoritos para a escolha de melhor jogador da Copa do Mundo 2019. O líbero Thales, o central Lucão e o levantador Bruninho concorrem com boas chances, para a seleção do campeonato. O anúncio oficial da FIVB sobre os laureados, será realizado após a última rodada do torneio, na terça-feira, 15 de Outubro.

O ponteiro Leal, um dos favoritos a MVP da Copa/ Divulgação FIVB

A CAMPANHA DO TÍTULO

A campanha do título do Brasil na Copa do Mundo 2019 foi irrepreensível. Das dez vitórias na competição, 6 foram pelo placar de 3×0, contra Canadá, Austrália, Rússia, Argentina, Estados Unidos e Tunísia. Em toda Copa, foram apenas 5 sets perdidos. Apenas a Polônia endureceu o jogo com os brasileiros, em um confronto decidido somente no tie-break. Ainda resta uma partida para o Brasil na Copa, a ser realizada na madrugada de terça-feira, 15 de Outubro, contra a Itália, a partir das 3h.

Round robin – todos contra todos

01/10 Brasil 3×0 Canadá 25/14, 25/22, 25/14

02/10 Austrália 0x3 Brasil 15/25, 20/25, 17/25

04/10 Brasil 3×1 Egito 25/19, 21/25, 25/19, 25/22

05/10 Brasil 3×0 Rússia 25/16, 25/22, 25/22

06/10 Irã 1×3 Brasil 27/25, 21/25, 25/27, 22/25

09/10 Argentina 0x3 Brasil 19/25, 19/25, 24/26

10/10 EUA 0x3 Brasil 23/25, 22/25, 17/25

11/10 Tunísia 0x3 Brasil 17/25, 14/25, 13/25

13/10 Polônia 2×3 Brasil 25/19, 23/25, 19/25, 25/16, 11/15

14/10 Japão 1×3 Brasil 17/25, 26/24, 14/25, 25/27

15/10 Itália x Brasil

A seleção brasileira comemora título/Divulgação FIVB

RESUMO DA COPA – dia 20

Pela Copa do Mundo de vôlei masculino 2019, em jogos válidos da nona rodada da competição, seis partidas foram realizadas no domingo, 13 de Outubro, em Hiroshima, no Japão. Em duelo direto pelo título, o Brasil bateu a Polônia. Com o resultado, a seleção brasileira manteve a invencibilidade, ficando a uma vitória da medalha de ouro. Estados Unidos e Japão seguem na disputa pelo bronze empatados com os poloneses, no número de vitórias.

Rodada 9

Na abertura da rodada, em Hiroshima, a Argentina venceu a Rússia. Foi a terceiro triunfo argentino na competição. O placar final do jogo ficou em 3×1, com parciais de 25/23, 25/23, 21/25, 25/16, a favor da Argentina. Ramos e Voronkov lideraram a pontuação do jogo com 16 pontos cada.

Na sequência de jogos, na quadra principal, italianos e canadenses fizeram um duelo decidido apenas no tie-break. No fim, melhor para o Canadá, de virada, com parciais de 19/25, 25/17, 15/25, 25/23, 18/16. Mesmo com o revés, o oposto Nelli da Itália foi o destaque individual do confronto com 23 pontos.

Após a vitória dos argentinos sobre os russos, os Estados Unidos enfrentaram a Austrália. Com tranquilidade, os americanos derrotaram os australianos, pelo placar máximo, com parciais de 25/14, 25/13, 25/16. O oposto Anderson anotou 13 pontos, sendo 9 de ataque, 3 de bloqueio e 1 no serviço.

O time americano comemora ponto/Divulgação FIVB

Em seguida, na mesma quadra, ocorreu o clássico africano entre Tunísia e Egito. Com um triunfo por 3×1, 25/23, 14/25, 25/17, 25/18, os tunisianos conquistaram a primeira vitória na Copa do Mundo 2019. Mais uma vez, em uma partida da competição, o tunisiano Nagga foi o maior pontuador, com 25 pontos.

Fechando o dia, na arena principal de Hiroshima, o Japão seguiu com sua boa campanha. Contra o Irã, os japoneses venceram pela sétima vez na Copa. Dessa vez, por 3×1, com parciais de 25/16, 26/28, 25/13, 25/21. O oposto Nishida saiu de quadra com 23 acertos, sendo o destaque na pontuação do jogo.

EM DUELO EQUILIBRADO, BRASIL VENCE O IRÃ

A seleção brasileira masculina de vôlei derrotou o Irã, em jogo válido pela quinta rodada da Copa do Mundo 2019, disputada no Japão. Em jogo parelho, os brasileiros venceram os iranianos pelo placar de 3×1, de virada, com parciais de 25/27, 25/21, 27/25, 25/22. Mesmo com o revés, o jovem oposto Yali do Irã foi o maior pontuador do confronto. Ele anotou 25 pontos. Pelo Brasil, Leal e Alan marcaram 16 pontos cada.

Com o resultado, a seleção brasileira manteve a liderança invicta na competição, com 15 pontos, 5 vitórias em 5 jogos. Na próxima rodada, os brasileiros enfrentam os argentinos, na madrugada de quarta-feira, 9 de Outubro, a partir das 2h, com transmissão do SPORTV 2, na cidade de Hiroshima.

Após o duelo com o Irã, o central Lucão, um dos destaques do Brasil na partida, conversou com a assessoria da CBV sobre a vitória. “Tem uma palavra que usamos desde 2015 que é resiliência. Esse campeonato é muito cansativo. Viemos de partidas pesadas, como a da Rússia ontem, e o Irã jogou muito bem, com baixo nível de erro. Nós não conseguimos sacar tão bem hoje, talvez por estarmos mais cansados e eles conseguiram ter uma virada de bola muito forte. Agora temos dois dias para recuperar as energias porque sabemos que em Hiroshima vai ser pesado também”.

RESUMO

Brasileiros e iranianos fizeram um duelo extremamente parelho e disputado ponto a ponto. Com exceção da segunda parcial, todo o confronto foi marcado pelo equilíbrio em quase todos os fundamentos. Mesmo assim, os brasileiros quase permitiram a reação do Irã no set, encerrado em 25/21.

O Brasil sacou melhor que os iranianos, durante a partida, mesmo com rendimento abaixo dos jogos anteriores. Além disso, com Leal pouco inspirado e Alan bem marcado, o levantador Bruninho usou do velho entrosamento com Lucão para desafogar a rede.

Em um jogo tenso e nervoso, ficou claro a inexperiência da seleção escalada pelo Irã. Eles sentiram a pressão de decidir nos momentos cruciais da partida. Nesses lances, os iranianos cometeram erros típicos de times juvenis. A maior experiência dos brasileiros pesou e fez a diferença.

IRÃ Karimi (3), Yali (25), Esfandiar (13), Fayazi (10), Shafiei (13), Gholami (7), Hazrat (L). Entraram: Moazzen (0). Técnico: Igor Kolakovic

BRASIL Bruninho (3), Alan (16), Leal (16), Lucarelli (12), Lucão (14), Maurício Souza (4), Thales (L). Entraram: Cachopa (0), Filipe Roque (1), Maurício Borges (0), Douglas Souza (0), Flávio (5). Técnico: Renan Dal Zotto

Lucão no ataque/Divulgação FIVB

RESUMO DA COPA – dia 15

Aconteceu ontem, 4 de Outubro, no Japão, a quarta rodada da Copa do Mundo masculina de vôlei 2019. O Brasil manteve a liderança invicta. Os Estados Unidos estão na 2ª posição, em recuperação na competição, depois de perder na estreia para a Argentina. A Polônia vem em seguida, na 3ª posição, também com uma derrota, justamente, para os americanos.

Rodada 4

Na abertura da rodada, em Nagano, o confronto entre Egito e Canadá abriu o dia de jogos na Copa. Egípcios e canadenses fizeram uma partida disputada, decidida apenas no tie-break. Depois de fazer 2×0 no placar, com um duplo 27/25, a seleção canadense permitiu o empate do Egito. No set desempate, o Canadá venceu o jogo com 15/9, conquistando a primeira vitória na competição. O ponteiro canadense Hoag foi o maior pontuador do duelo com 20 acertos.

O canadense Hoag/Divulgação FIVB

Já em Fukuoka, a Polônia se recuperou do revés para os americanos, com uma vitória sobre a Argentina, de virada. O cubano naturalizado polonês Leon liderou sua equipe no triunfo por 3×1, com parciais de 27/29, 25/17, 25/18, 26/24. Ele marcou 20 pontos, sendo 17 de ataque, 1 de bloqueio e 2 no serviço.

Na sequência de jogos, ainda em Fukuoka, a Itália conquistou o segundo resultado positivo na Copa. Contra a Tunísia, os italianos venceram pelo placar máximo, com parciais de 25/19, 25/21, 25/18. Mais uma vez, o oposto da Itália, Gabriele Nelli foi o destaque individual de sua seleção. Ele anotou 21 pontos, em apenas 3 sets, sendo 19 no ataque.

O oposto Nelli no ataque/Divulgação FIVB

Em Nagano, após o triunfo brasileiro sobre a Rússia, Irã e Austrália entraram em quadra, repetindo a última final do Campeonato Asiático. Como na final do continental, o Irã venceu a Austrália. Dessa vez, por 3×1, com parciais de 25/22, 18/25, 25/18, 27/25. Mesmo com a derrota, o australiano Williams saiu do jogo como destaque na pontuação. Ele marcou 19 pontos.

A seleção iraniana comemora ponto/Divulgação FIVB

Encerrando o dia, o anfitrião Japão enfrentou os Estados Unidos, atuais campeões da Copa do Mundo. Sem dificuldades, os americanos bateram os japoneses, por 3×0, com parciais de 25/19, 25/19, 25/21. O central Holt dos Estados Unidos anotou a maior pontuação do jogo, com 12 no total, sendo 5 apenas no bloqueio.

RESUMO DA COPA – dia 10

Restando uma rodada, a China conquistou a Copa do Mundo feminina de vôlei 2019, de forma antecipada, com uma vitória sobre a Sérvia. Também foi conhecido as outras duas seleções do pódio, sem ordem de definição. No caso, Estados Unidos e Rússia. Depois dos resultados da última rodada, essas posições serão determinadas. A seleção brasileira perdeu a chance de bronze, após ser derrotada pela Coréia do Sul, por 3×1. Abaixo, o resumo da rodada 10.

Rodada 10

Na Arena principal de Osaka, Holanda e República Dominicana entraram em quadra. As dominicanas abriram 2×0 no placar e quase permitiram a virada holandesa. No fim, vitória da República Dominicana no tie-break, com parciais de 25/23, 25/22, 25/27, 18/25, 15/4. A oposta da Holanda Sloetjes foi o destaque individual do confronto na pontuação. Ela anotou 29 pontos. Pelo lado dominicano, Martínez marcou 26 pontos.

A oposta holandesa Sloetjes/Divulgação FIVB

Na sequência de jogos, na outra quadra, depois da vitória da Coréia contra o Brasil, os Estados Unidos derrotaram Camarões, por 3×0, com parciais de 25/19, 25/15, 25/5, em pouco mais de uma hora. O técnico americano Karch Kirally poupou suas principais jogadoras. A oposta americana Lowe foi a maior pontuadora do jogo, com 17 pontos.

Lowe, maior pontuadora do jogo/Divulgação FIVB

No complemento da rodada, na Arena Edion, em Osaka, a Rússia venceu o Quênia, a outra seleção africana da Copa, por 3×0, com parciais de 25/16, 25/21, 25/22. A oposta russa Goncharova somou 25 pontos, sendo 21 de ataque e 4 de bloqueio, em apenas 3 sets.

A seleção russa comemora ponto/Divulgação FIVB

Finalizando o dia de jogos, na Arena Osaka, quadra principal, o Japão conquistou a quinta vitória na Copa do Mundo. Contra a Argentina, as japonesas sofreram no 1º set, mas venceram por 26/24. Nas parciais seguintes, o domínio foi japonês com 25/15, 25/14. A ponteira do Japão Koga foi a maior pontuadora do duelo, com 17 pontos.

RESUMO DA COPA – dia 9

Pela Copa do Mundo de vôlei feminino 2019, em Osaka, no Japão, em jogos válidos pela nona rodada da competição, 6 partidas foram disputadas, na madrugada de sexta-feira, 27 de Setembro. Na abertura do dia, jogando com uma equipe mesclada, a Coréia do Sul derrotou o Quênia, por 3×0, com parciais de 25/15, 25/16, 25/21. A queniana Kiprono foi a maior pontuadora do confronto, com 10 pontos.

A seleção coreana comemora ponto/Divulgação FIVB

Na sequência dos jogos da rodada, dominicanas e argentinas se enfrentaram na quadra principal de Osaka. Melhor para a Republica Dominica, por 3×0, com parciais de 25/16, 25/23, 27/25. Foi a quarta vitória dominicana na competição. Brayelin Martínez foi o destaque individual da partida. Em apenas 3 sets, ela marcou incríveis 26 pontos.

A oposta Martínez no ataque/Divulgação FIVB

Ainda no mesmo ginásio de Osaka, após a vitória brasileira contra Camarões, na outra quadra, a China ficou muito perto do título da Copa do Mundo 2019. Jogando contra a Holanda, as chinesas tiveram uma excelente desempenho no bloqueio. Foram 14 pontos no fundamento contra apenas 4 das holandesas. A performance no bloqueio foi a principal responsável pela vitória contra a Holanda, por 3×1, com parciais 25/19, 25/16, 21/25, 25/19. Mesmo assim, a oposta holandesa Sloetjes anotou 24 pontos, sendo a maior pontuação do jogo.

Encerrando o dia de jogos, na Arena Edion, em Osaka, um confronto de interesse para o Brasil, entre russas e americanas. Na briga por um lugar no pódio, para as brasileiras, uma vitória dos Estados Unidos era fundamental. Foi o que aconteceu. Em jogo muito disputado, vitória americana, por 3×2, com parciais 24/26, 25/22, 25/22, 17/25, 15/8. A ponteira dos Estados Unidos Robinson saiu de quadra com 27 pontos, sendo o destaque absoluto do jogo na pontuação. Pela Rússia, Goncharova marcou 22 pontos.

Finalizando a rodada, na quadra principal de Osaka, o Japão virou o jogo para a cima da Sérvia. Após sair perdendo por 2×0 no placar, as japonesas reagiram contra o times B da atual campeã mundial e vice-olímpica. No fim, vitória do Japão no tie-break, com parciais de 21/25, 21/25, 25/20, 25/20, 15/6. A central Popovic da Sérvia foi a maior pontuadora do duelo com 24 pontos, sendo 17 de ataque, 5 de bloqueio e 2 de saque.

A central Popovic em destaque/Divulgação FIVB

SELEÇÃO MASCULINA VENCE O MEMORIAL WAGNER

A seleção brasileira principal masculina de vôlei foi campeã do Memorial Wagner, tradicional competição disputada anualmente na Polônia. O Brasil utilizou o torneio como preparatório para o Pré-Olímpico Mundial. Jogando em Cracóvia, os brasileiros venceram os três jogos realizados no campeonato. Contra a Finlândia, vitória por 3×0, com parciais de 25/15, 25/12, 25/16. Diante dos poloneses, donos da casa, novo triunfo, dessa vez, por 3×1, com parciais de 25/20, 21/25, 29/27, 25/22. Finalizando a campanha do título, o Brasil venceu a Sérvia por 3×0, com parciais de 25/22, 25/20, 25/14.

O ponteiro Leal foi eleito o MVP do Memorial Wagner. Maurício Borges foi escolhido a melhor recepção. O oposto Wallace ficou com o prêmio de melhor saque. Os três jogadores brasileiros fizeram parte da seleção do torneio. Na próxima semana, o Brasil viaja para a Bulgária, onde enfrenta Porto Rico, Egito e Bulgária, por uma vaga nas Olimpíadas de Tóquio, em 2020, entre os dias 9 e 11 de Agosto.

PELA 1ª VEZ, POLÔNIA VENCE O TORNEIO DE MONTREUX

image

No final de semana, a seleção polonesa feminina de vôlei sagrou-se campeã do Torneio de Montreux. Foi o primeiro título polonês na história da competição. Na decisão, contra o Japão, a Polônia bateu a seleção nipônica, por 3×1, com parciais de 25/15, 22/25, 25/17, 26/24. Pelo 3º lugar, a Itália venceu a Tailândia por 3×0 e ficou com o bronze. A jovem oposta polonesa Smarzek foi eleita MVP, melhor jogadora do torneio.

O tradicional Torneio de Montreux, em 2019, voltou a abrir a temporada de seleções no naipe feminino. Disputado na Suíça, em virtude do aperto do calendário, algumas das principais seleções como Rússia, Brasil e Estados Unidos não participaram da competição na edição desse ano. Outras, enviaram um time alternativo como Itália e China. Em 2018, o torneio aconteceu em setembro, pela 1ª vez, como preparatório para o Campeonato Mundial.

O DESEMPENHO DE TIFFANY ABREU

Há cerca de um ano e meio, o voleibol nacional se viu em meio a uma grande controvérsia. Na temporada 2017/2018 da Superliga Feminina, o Bauru inscreveu para a disputa da competição, a primeira atleta transgênero do esporte no Brasil: Tiffany Abreu. Sua participação no torneio, dividiu opiniões. A polêmica se espalhou pelas redes. A principal argumentação contrária era sobre uma suposta vantagem física da jogadora em relação as outras atletas. Entre os pontos a favor, a inclusão social através do esporte.

Seu desempenho em quadra, na primeira temporada, foi espetacular. Eliminada nas quartas-de-final, ela marcou 308 pontos, em apenas 14 jogos, com 5,4 pontos de média por set, atuando na função de oposta. Tal performance, cogitou a sua convocação para a seleção brasileira. Porém, isso não ocorreu, porque a Federação Internacional (FIVB) em carta às federações nacionais, pediu tempo para avaliar e analisar a situação dos atletas transgêneros e suas implicações éticas.

Para jogar a Superliga, Tiffany ganhou uma autorização da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) baseada nos testes hormonais realizados pela atleta, de acordo com as diretrizes do Comitê Olímpico Internacional (COI). Dentro das normas da entidade, Tiffany está apta para disputar qualquer competição, inclusive com a camisa da seleção brasileira. No entanto, sem a definição do posicionamento da FIVB, ela está impedida, por enquanto, de defender o Brasil no cenário internacional.

Recentemente, no começo de 2018, na Austrália, uma jogadora trans foi autorizada a disputar a segunda divisão da liga de futebol feminino do país. Ainda em 2018, em dezembro, também da Austrália, a atleta Hannah Moncey recebeu autorização da Federação Internacional de Handebol (IHF) para disputar o Mundial da modalidade, em novembro deste ano, no Japão. Sua estreia aconteceu em novembro passado, no campeonato asiático. Hannah entrará para a história do handebol como a primeira atleta trans a disputar o Mundial do esporte.

A estreia de Tiffany no vôlei como transgênero iniciou na Itália, poucos anos antes de 2018. Anteriormente, ela foi atleta da modalidade na categoria masculina. O blog esteve na partida do Minas contra o Sesi/Bauru, time da jogadora, pela temporada 2018/2019 da Superliga Feminina. Atuando neste ano, como ponteira, aparentemente, Tiffany não possui vantagens físicas sobre as outras atletas. Apesar disso, ela possui uma explosão física ofensiva superior ao nível feminino, comparável apenas às atletas cubanas. A impressão, às vezes, é que ela poupa seus golpes de ataque. Seu alcance é acima das demais jogadoras.

Em entrevistas dadas à imprensa, a líbero bicampeã olímpica, Fabi, disse não haver anormalidade na força de Tiffany. Ela atuou contra a jogadora, na última Superliga, e comparou o desempenho físico da atleta, a um dos destaques da seleção brasileira feminina, Tandara. As divergências de opiniões entre as jogadoras foram enormes. A grande maioria ficou incomodada e pediu regras mais claras.

Em declarações ao portal UOL, nessa semana, Tiffany afirmou ter hoje uma recepção positiva em relação à torcida e atletas. A opinião do blog é de que seja criada uma nova categoria específica para atletas transgêneros. Sob pena de que, sobre o véu da inclusão esteja mais uma tentativa de corrupção esportiva, já associada ao doping e à manipulação de resultados.