AS FINAIS DA SUPERLIGA MASCULINA

image

Começa hoje, a série decisiva da Superliga Masculina que irá definir o campeão da temporada. Ao contrário do naipe feminino, as finais do masculino acontecem em melhor de cinco jogos. Na grande final, dois times paulistas brigam pelo lugar mais alto do pódio. Em sua quinta final, o Sesi tenta o bicampeonato. O Taubaté busca o inédito título pela segunda vez. Na temporada uma vitória para cada lado, fora de casa, por 3×1. Abaixo você confere os detalhes das finais da Superliga Masculina.

Sesi/SP X EMS/Funvic/Taubaté
O Sesi/SP não perde na Superliga há 18 jogos. A única derrota do time em 2019, em competições nacionais, ocorreu na Copa do Brasil, para o Maringá, dentro de casa, quando o time foi eliminado do torneio. Apesar disso, a equipe dirigida pelo técnico Rubinho precisa livrar-se da marca de freguês do seu adversário da final da Superliga. No âmbito estadual, é ampla a vantagem de Taubaté sobre o Sesi. O Taubaté é o atual pentacampeão paulista. No entanto, isso não quer dizer, que não será parelha a disputa do título da Superliga. Em confrontos diretos, o Sesi sempre ofereceu resistência ao Taubaté. O duelo nunca foi fácil. Além disso, o Sesi chega à final mais organizado e aplicado taticamente que seu oponente. O levantador William conseguiu colocar em jogo todas as suas opções de ataque, o que faz a diferença em momentos decisivos. Com o passe na mão, será difícil o Sesi não conquistar o título da Superliga.

O Taubaté realiza um excelente campeonato de recuperação. Com diversos problemas durante a temporada, desde problemas internos a contusões, o time do interior paulista conseguiu chegar a final desbancando o poderoso Cruzeiro. Com a chegada do técnico da seleção brasileira masculina, Renan Dal Zotto, o Taubaté ganhou em consistência. O rendimento do time no ataque cresceu e o volume de jogo no fundo de quadra melhorou substancialmente. Até mesmo surpresas táticas, como a linha de passe com 4 jogadores, foram usadas para deter o serviço cruzeirense. Contra o Sesi, no PLAYOFF final, não será surpresa, caso Renan utilize de mudanças táticas para sair de situações complicadas no jogo. Se conseguir manter o nível de jogo apresentado nas semifinais, o Taubaté poderá entrar para a história da Superliga como o campeão de última hora.

PLAYOFF FINAL
23/04 21:30 JOGO 1 Sesi X Taubaté
27/04 21:30 JOGO 2 Taubaté X Sesi
30/04 21:30 JOGO 3 Sesi X Taubaté
Se necessário
04/05 21:30 JOGO 4 Taubaté X Sesi
11/05 21:30 JOGO 5 Sesi X Taubaté

PLAYOFF FINAL – Minas vence o 1º jogo da série

image

O Itambé/Minas venceu o Praia Clube na 1ª partida das finais da Superliga Feminina e saiu na frente na série melhor de três jogos. Em duelo realizado no ginásio do Mineirinho, no domingo de Páscoa, a equipe minas-tenista bateu o atual campeão da competição, no tie-break, com parciais de 28/26, 25/22, 17/25, 17/25, 15/6. A oposta americana Nicole Fawcett do Praia foi a maior pontuadora do confronto com 30 acertos. A ponteira Gabi do Minas foi eleita por votação pela Internet, a melhor em quadra. Ela recebeu o troféu Viva Vôlei.

Após o jogo, Gabi conversou com a assessoria da CBV sobre a partida. “Estou muito feliz por ter conquistado este primeiro passo, ainda mais sendo perto da minha família, a torcida compareceu e fez a diferença. No terceiro e no quarto set tivemos dificuldades, não conseguimos jogar o nosso melhor. Mas a torcida nos embalou na quinta parcial, conseguimos manter a agressividade no ataque o tempo inteiro”.

Os dois times voltam a se enfrentar, pelo segundo jogo das finais, na sexta-feira, 26 de abril, no ginásio do Sabiazinho, em Uberlândia, a partir das 21h30. Caso conquiste uma vitória, o Minas será o campeão da temporada 2018/2019 da Superliga Feminina. Se o Praia vencer, será necessário um terceiro jogo, em Belo Horizonte, novamente no ginásio do Mineirinho, no dia 3 de maio, para definir o campeão.

ITAMBÉ/MINAS Macris (3), Bruna Honório (16), Gabi (22), Natália (16), Carol Gattaz (10), Mara (6), Léia (L). Entraram: Bruninha (1), Geórgia (0), Malú (0), Mayany (4). Técnico: Lavarini

DENTIL/PRAIA CLUBE Lloyd (6), Fawcett (30), Garay (3), Michelle (0), Carol (13), Fabiana (7), Suelen (L). Entraram: Ellen (7), Rosamaria (10), Laís (0). Técnico: Paulo Coco

Fonte: CBV

A ponteira Gabi no ataque, eleita a melhor do jogo/Divulgação CBV

AS FINAIS DA SUPERLIGA FEMININA

image

Inicia amanhã, a série decisiva da Superliga Feminina, que irá definir o campeão da temporada. De um lado, o atual campeão da competição, o Praia Clube. Do outro, o Minas, líder da fase regular. Os playoffs finais da Superliga serão realizados em melhor de três jogos. O Minas possui a vantagem de decidir em casa, caso seja necessário, uma terceira partida. O restrospecto no torneio é equilibrado, com uma vitória para cada lado, fora de casa, ambas no tie-break. No entanto, na temporada, o Minas venceu quatro dos cinco jogos contra o Praia. Abaixo você confere os detalhes das finais da Superliga Feminina.

Itambé/Minas X Dentil/Praia Clube
O Minas busca seu segundo título na história da Superliga. O clube da Rua da Bahia está na quinta final do torneio. Contra o Praia, com a vantagem de decidir em casa, a equipe minas-tenista possui um leve favoritismo. Até aqui, o Minas realiza a sua temporada perfeita e a coroação final virá com a conquista do principal troféu. Para tanto, a recepção deverá trabalhar com o passe na mão da levantadora Macris, um dos destaques do time. Com muita variação, a distribuição da jogadora é um dos pontos fortes do Minas. Outra jogadora com alto rendimento é a central Gattaz. A experiente atleta de quase 40 anos, realiza a melhor temporada de sua carreira e está em grande fase. Fruto do trabalho do técnico italiano do Minas, Lavarini, e da excelente estratégia da levantadora Macris.

Atual campeão do torneio, o Praia chegou às finais sem ceder uma parcial sequer nos playoffs. Diante do Minas, o desafio será maior. Para manter o rendimento, o técnico Paulo Coco possui mais opções no banco de reservas que o adversário, para mudar o panorama das partidas. Finalmente, ao que parece, a levantadora americana Lloyd encontrou o tempo de bola das suas centrais. Aliás, uma das centrais, no caso Carol, foi responsável por seqüências incansáveis no serviço contra Fluminense e Bauru. O fundamento sempre foi um destaques da jogadora. A ponteira Michelle evoluiu sua performance no mata-mata e é uma das dores de cabeça do técnico. Com maior consistência na recepção, a jogadora ganhou a disputa por posição com Rosamaria. Porém, contra o Minas, Rosamaria realizou seus melhores jogos com a camisa do Praia, na temporada, sendo decisiva na única vitória do time sobre o Minas no ano.

PLAYOFF FINAL
21/04 11:00 JOGO 1 Minas X Praia
26/04 21:30 JOGO 2 Praia X Minas
Se necessário
03/05 21:30 JOGO 3 Minas X Praia

PLAYOFF SEMIFINAL – Sesi e Taubaté na decisão da Superliga Masculina

image

Sesi e Taubaté são os finalistas da temporada 2018/2019 da Superliga Masculina. Ao contrário da versão feminina, a disputa do título no naipe masculino, será em melhor de cinco jogos. O Sesi/SP, líder da fase regular, possui a vantagem de decidir em casa. É a quinta vez que a equipe dirigida por Rubinho chega à final da competição. O time da capital paulista foi campeão na temporada 2010/2011. Já o Taubaté busca o inédito título da Superliga, em sua segunda chance. A primeira ocorreu na temporada 2016/2017, quando foi derrotado no duelo final, pelo Cruzeiro, no ginásio do Mineirinho, por 3×1.

Para chegar a decisão da Superliga, as duas equipes paulistas encerraram a série semifinal, no último sábado, 13 de abril, por 3×0. Dentro de casa, no ginásio da Vila Leopoldina, o Sesi/SP derrotou o Sesc/RJ, pelo placar máximo, com um triplo 25/21. O oposto Alan do Sesi foi o maior pontuador do jogo, com 18 pontos, sendo 13 de ataque, 4 de saque e um de bloqueio. Ele ainda foi eleito o melhor em quadra pelos internautas e recebeu o troféu Viva Vôlei.

Ao fim da partida, Alan conversou com a assessoria da CBV. “A equipe está vindo muito bem na competição. Hoje conseguimos estabelecer o nosso ritmo de jogo. Sacamos muito bem e o nosso time está muito fortalecido para a final. Todo o grupo está de parabéns por esse resultado. Espero que seja uma final muito boa para todos”.

Na outra semifinal, contrariando o favoritismo adversário, o Taubaté venceu o Cruzeiro, fora de casa, pela segunda vez na série, por 3×2, com parciais de 21/25, 36/34, 25/19, 19/25, 15/12, e conquistou a classificação para a final. É a primeira vez, em oito temporadas, que o Sada/Cruzeiro fica de fora da decisão da Superliga. O oposto Evandro do Cruzeiro foi o maior pontuador da partida. Ele anotou 22 pontos. O ponteiro Douglas Souza do Taubaté foi escolhido o melhor do jogo, por votação popular. Ele foi premiado com o troféu Viva Vôlei.

Após o duelo, ele falou com a assessoria da CBV. “Viemos pra cá prontos e sabendo que, com toda a história no vôlei que eles construíram, eles não iam se entregar. Sabíamos que ia ser difícil ganhar e fechar a série em 3×0. Mas, soubemos contornar os momentos difíceis durante a partida e saímos daqui mais fortes para chegar à final. Não esperava pelo Viva Vôlei hoje e fiquei muito feliz pelo troféu e pelo time”.

Fonte: CBV

PLAYOFF SEMIFINAL – Minas e Praia na final da Superliga

image

Minas e Praia irão disputar a final da Superliga Feminina 2018/2019. Em uma edição especial, a competição comemora 25 temporadas, a final mineira é inédita na história do torneio feminino. O Minas retorna às finais após um hiato de 15 anos. O tradicional clube da Rua da Bahia busca o segundo troféu da Superliga feminina, em sua quinta final. Já o Praia Clube, chega pela terceira vez a decisão, a segunda consecutiva. O time de Uberlândia é o atual campeão da Superliga e também está em busca do bicampeonato, no caso consecutivo.

Para chegar a grande final da temporada, as duas equipes mineiras encerraram a série semifinal, na segunda-feira, 8 de abril, por 2×0. Dentro de casa, o Praia derrotou o Bauru novamente por 3×0, com parciais de 25/18, 25/21, 25/14. A ponteira Fernanda Garay foi a maior pontuadora da partida com 16 pontos. A central Carol foi escolhida a melhor em quadra pelos internautas e recebeu o troféu Viva Vôlei.

Ao final do jogo, ela conversou com a imprensa sobre o duelo. “Estou muito feliz. Nosso time veio crescendo ao longo da temporada e mostramos a força do grupo. Hoje o resultado veio muito em função do nosso trabalho. Sabemos do nosso potencial. O Bauru mostrou ser um grande adversário, mas procuramos crescer não só tecnicamente, mas como grupo, e isso aconteceu”.

Na outra semifinal, o Minas bateu o Osasco, fora de casa, no ginásio José Liberatti por 3×1, com parciais de 25/15, 19/25, 27/25, 25/19. A oposta americana Hooker do Osasco foi a maior pontuadora do confronto. Ela anotou 22 pontos. A ponteira Gabi do Minas eleita a melhor do jogo, foi premiada com o troféu Viva Vôlei.

No fim do duelo, ela comentou sobre a partida. “Sabíamos que ia ser um jogo difícil, principalmente por ser em Osasco, onde a torcida faz muito barulho. O time delas está de parabéns, elas nos colocaram em dificuldade. Por outro lado, nosso ataque, que é um ponto forte do nosso time, não saiu como antes. Mas, nosso conjunto funcionou muito bem. Por isso, conseguimos sair de momentos difíceis. Agora é trabalhar forte para nos preparar para a final”.

FINAIS
A disputa do título da Superliga Feminina será decidida numa série melhor de três jogos. O jogo 1 das finais, com mando de quadra do Minas, acontece no domingo de Páscoa, 21 de abril, no ginásio do Mineirinho, em Belo Horizonte, às 11h. A segunda partida ocorre na sexta-feira, 26 de abril, em Uberlândia, no ginásio do Sabiazinho, às 21h30. Caso necessário, o terceiro duelo das finais será realizado novamente no ginásio do Mineirinho, em virtude da melhor campanha do Minas, na fase regular, no dia 3 de maio, sexta-feira, a partir das 21h30. Todas as partidas serão transmitidas pelo SPORTV. Em breve, as informações sobre os ingressos serão divulgadas.

Fonte: CBV

image
A ponteira Gabi do Minas no ataque/João Pires/Fotojump

PLAYOFF SEMIFINAL – Sesi e Taubaté vencem o jogo 1 da série

image

No fim de semana, foi dada a largada para a fase semifinal da Superliga Masculina. Em São Paulo, no ginásio da Vila Leopoldina, o Sesi/SP venceu o Sesc/RJ, no primeiro jogo da série melhor de cinco. O triunfo contra os cariocas foi por 3×0, com parciais de 25/23, 25/23, 25/19. O ponteiro Lipe e o oposto Alan do Sesi foram os maiores pontuadores do confronto, com 12 pontos. Em votação popular, Lucas Lóh, também do Sesi, foi eleito o melhor em quadra. Ele recebeu o troféu Viva Vôlei.

Ao final do jogo, ele conversou com a assessoria da CBV sobre o jogo. “A grande diferença na partida de hoje foi a nossa torcida. Os torcedores foram o nosso sétimo jogador dentro de quadra. O fator casa fez a diferença, é por isso que nós brigamos tanto para ficar na frente da tabela. Essa é uma série longa e sabemos que esse jogo não significa nada”.

Na sequência da série, o jogo 2 entre Sesc/RJ e Sesi/SP acontece na terça-feira, 9 de abril, a partir das 19h, no ginásio do Tijuca, no Rio de Janeiro, com transmissão do SPORTV 2. A terceira partida está marcada para o sábado, 13 de abril, novamente em São Paulo, às 19h, também com transmissão do SPORTV 2. Caso o Sesc vença um desses dois jogos, será necessária uma 4ª partida, no Rio de Janeiro.

OUTRA SEMIFINAL
No outro duelo válido pela semifinal da Superliga Masculina, o Cruzeiro perdeu dentro de casa, no ginásio do Riacho, em Contagem, para o Taubaté. O resultado reverteu a vantagem cruzeirense de decidir em casa, a série melhor de cinco. O placar da partida ficou em 3×1 para o Taubaté, com parciais de 30/28, 25/19, 22/25, 26/24. O ponteiro Lucarelli do Taubaté e o oposto Evandro do Cruzeiro foram os maiores pontuadores do duelo com 21 pontos. Lucarelli ainda foi escolhido o melhor em quadra pelos internautas. Ele recebeu o troféu Viva Vôlei.

Após o jogo, Lucarelli comentou sobre o desempenho de sua equipe. “Sabíamos que seria um jogo difícil. Estou feliz porque a equipe toda jogou muito bem. Suportamos a pressão do saque deles. Os jogadores foram todos bem e a equipe está de parabéns. Um jogo de semifinal é como uma partida de xadrez e hoje conseguimos sacar bem, o que foi importante”.

O segundo jogo da série está marcado para terça-feira, 9 de abril, às 21h30, no ginásio do Abaeté, em Taubaté, São Paulo, com transmissão do SPORTV 2. Já a terceira partida ocorre no próximo sábado, 13 de abril, em Contagem, às 21h30, também com transmissão do SPORTV 2. Se o Cruzeiro vencer um desses jogos, uma 4ª partida será necessária, em Taubaté.

Fonte: CBV

PLAYOFF SEMIFINAL – Minas e Praia largam na frente

image

Na última segunda-feira, foi encerrada a primeira rodada do playoff semifinal da Superliga Feminina. Em Belo Horizonte, o líder da fase regular, Itambé/Minas venceu o jogo 1 da série melhor de três jogos, contra o Osasco, por 3×1, com parciais de 24/26, 25/15, 25/17, 25/13. A ponteira Gabi do Minas foi a maior pontuadora do confronto, com 17 pontos. A levantadora Macris, também do Minas, foi eleita a melhor em quadra pelos internautas. Ela recebeu o troféu Viva Vôlei.

Ao final do jogo, ela comentou sobre a partida. “Foi um começo muito bom, mas temos que manter a atenção porque a série é longa. Agora temos que descansar e seguir treinando forte porque sabemos do poder de reação do Osasco. É hora de seguir concentradas e focadas no nosso jogo”.

No outro duelo válido pela semifinal, o Praia Clube bateu o Bauru, fora de casa, no ginásio Panela de Pressão e fez 1×0 na série. Sem muitas dificuldades, o atual campeão da Superliga dominou o adversário e venceu pelo placar máximo, com parciais de 25/15, 25/15, 25/20. A oposta americana Fawcett do Praia foi a maior pontuadora da partida. Ela anotou 18 pontos. A ponteira Michelle, também do Praia, foi escolhida a melhor do jogo em votação popular. Ela recebeu o troféu Viva Vôlei.

Ao fim da partida, Michelle conversou com a assessoria da CBV. “Hoje nossa equipe está de parabéns porque cumprimos tudo que foi pedido pelo Paulinho. Nosso sistema de bloqueio e defesa funcionou e o nosso saque entrou durante a partida. Vamos continuar estudando a equipe delas porque será ainda mais difícil na próxima segunda-feira”.

PRÓXIMOS JOGOS
A sequência da série semifinal da Superliga Feminina prossegue na segunda-feira, 8 de abril. Em Uberlândia, o Praia recebe o Sesi/Bauru para o segundo jogo do playoff, a partir das 19h, com transmissão do SPORTV 2. Em caso de vitória, o time garante classificação para a grande final da temporada 2018/2019 da Superliga. Se o Bauru vencer, uma nova partida acontece, na quinta-feira, 11 de abril, também em Uberlândia, para definir o finalista.

Já em Osasco, o Minas enfrenta o time da casa, em busca da qualificação para a final. Com um novo triunfo sobre o adversário, o Minas garante vaga na decisão da Superliga. O jogo ocorre na segunda-feira, 8 de abril, às 21h30, com transmissão do SPORTV 2. Caso Osasco conquiste a vitória, uma nova partida será necessária para definir o finalista da competição. O desempate da série acontece em Belo Horizonte, na Arena Minas, sexta-feira, 12 de abril.

Fonte: CBV

AS SEMIFINAIS DA SUPERLIGA

imageA 25ª edição da Superliga, em momentos decisivos. Começam hoje as semifinais da competição na categoria feminina. No naipe masculino, o início das semifinais ocorre no sábado, 6 de abril. Entre as mulheres, disputam duas vagas na grande final, em uma série melhor de três jogos, as seguintes equipes: Itambé/Minas, Dentil/Praia Clube, Sesi/Bauru e Osasco/Audax. No masculino, lutam por um lugar na decisão, em uma série melhor de cinco jogos, os seguintes times: Sesi/SP, Sada/Cruzeiro, EMS/Funvic/Taubaté e Sesc/RJ. Abaixo você confere os detalhes dos confrontos.

FEMININO

Itambé/Minas X Osasco/Audax
Grande favorito da série semifinal contra o Osasco, com a vantagem de decidir em casa, caso seja necessário a terceira partida, o Minas não foi devidamente testado na fase anterior da Superliga, quando eliminou o Curitiba. Contra a surpresa do torneio, o Minas conseguiu ceder uma parcial ao seu adversário, dentro de casa, na Arena Minas. Algo inesperado, mesmo tratando-se da zebra da competição. Ao longo da temporada, o técnico Lavarini poupou em diversos momentos a ponteira Natália, devido a uma contusão, um dos destaques do time.

Tal estratégia não restringiu-se a não utilização da jogadora. Em diversos jogos da Superliga, foi possível notar que, o Minas tentou esconder ao máximo a distribuição da levantadora Macris. Com muita variação, não é possível afirmar com clareza, qual será a última bola ou desafogo do Minas, nos momentos decisivos. Diante de Osasco, o time pode sofrer com a falta de ritmo. O retrospecto na temporada é amplamente favorável. Com 3 vitórias tranquilas, em 3 jogos.

Após superar uma das séries de quartas-de-final mais equilibradas da história da Superliga, o Osasco enfrenta o Minas, pela primeira vez, em anos, na condição de franco-atirador. Apesar de contar com jogadoras de alto nível técnico, com chances de vencer a batalha das semifinais, a excelente campanha adversária na temporada, coloca toda a responsabilidade de vencer o duelo no Minas. Se a oposta americana Hooker repetir o desempenho do jogo 3 das quartas-de-final, contra Barueri, a Superliga poderá rever, pela segunda vez em sua história, a eliminação do líder da fase regular da competição, antes da final, como na edição 2013/2014.

Para o Osasco, essa tarefa não será das mais fáceis. O time ainda não venceu o Minas no ano. Pior, as performances contra o adversário, em três jogos, foram as piores da temporada. Apesar de vencer uma parcial, em dois dos três jogos, o Osasco não ofereceu resistência ao Minas. Para mudar a perspectiva, será preciso outra postura, caso contrário, o time não conseguirá mudar essa escrita.

PLAYOFF SEMIFINAL
01/04 21:30 JOGO 1 Minas X Osasco
08/04 21:30 JOGO 2 Osasco X Minas
Se necessário
12/04 21:30 JOGO 3 Minas X Osasco

Dentil/Praia Clube X Sesi/Bauru
Única equipe que avançou as semifinais sem perder parciais, em dois jogos, contra o Fluminense, o Praia escolheu realizar o 1º jogo das semifinais contra o Bauru, fora de casa. Com a confiança em alta, a aposta pode ser considerada arriscada. Enfrentar o Bauru, no Panela de Pressão, é sempre complicado, ainda mais, numa fase decisiva. Na fase anterior, o Bauru fez a primeira partida em casa, com a desvantagem de decidir fora, e eliminou o Sesc/RJ do campeoníssimo Bernardinho.

Claro que, o Praia apresenta um jogo superior ao do Rio, no momento. No entanto, tal escolha, de jogar o 1º jogo fora, parece menosprezo ao adversário, na opinião do blog. Bernardinho sempre escolheu jogar o 1º jogo fora, por uma questão de logística. Porém, a decisão do Praia é estranha, já que, contra o Fluminense, o time realizou o jogo 1 das quartas-de-final, em Uberlândia.

O Sesi/Bauru também chega nas semifinais com a confiança em alta. O time eliminou dessa fase, o maior vencedor da história da Superliga, o Sesc/RJ. Com chance de surpreender mais uma vez, o Bauru ainda não venceu o Praia na temporada. Um dos jogos do ano contra o adversário, também foi em um momento decisivo, pela semifinal da Copa do Brasil. Com uma derrota no tie-break, o Bauru mostrou que vai dar muito trabalho ao Praia, nas semifinais da Superliga.

A levantadora Fabíola desempenha uma das melhores temporadas dos últimos anos. Com muitas opções no elenco, o jovem e promissor técnico Anderson Rodrigues pode alterar o seu time, de acordo com as conveniências das partidas. Os pilares da equipe no ataque são a oposta Diouf e a ponta/oposta Tiffany. Não foi por acaso que o Bauru eliminou o Sesc/Rio. O time mereceu estar nas semifinais pela 1ª vez em sua história. A série está em aberto.

PLAYOFF SEMIFINAL
01/04 19:00 JOGO 1 Sesi/Bauru X Praia Clube
08/04 19:00 JOGO 2 Praia Clube X Sesi/Bauru
Se necessário
11/04 20:30 JOGO 3 Praia Clube X Sesi/Bauru

MASCULINO

Sesi/SP X Sesc/RJ
Com a vantagem de decidir em casa, o Sesi/SP chega as semifinais da Superliga, mais inteiro que o seu adversário. O time dirigido por Rubinho, fez uma campanha impecável no returno. Sem perder nenhum jogo, terminou na liderança da competição, desbancando o Cruzeiro. O confronto com o Sesc/RJ, nessa fase, é o mesmo da temporada passada. Naquela oportunidade, o Sesi/SP eliminou o Rio, em três jogos.

No entanto, no ano, em três jogos, o time perdeu duas partidas para o Sesc. Uma delas, decisiva, na semifinal da Libertadores do Vôlei. Se o restrospecto é desfavorável, tecnicamente o Sesi está em um momento superior ao seu adversário. Agora, é bom lembrar, que na temporada anterior, o Sesc não tinha em seu elenco um dos melhores opostos do mundo, Wallace.

O Sesc/Rio surpreendeu positivamente na série quartas-de-final contra o Minas. Com o retorno do ponteiro Maurício Borges, o time ganhou em consistência. Após um bom 1º turno, em que terminou na liderança, a equipe dirigida por Giovane teve uma queda espantosa de rendimento. Muito irregular, quase comprometeu a vaga nas semifinais.

Não dá para saber qual time estará em quadra contra o Sesi/SP. Se conseguir manter o padrão de jogo das partidas contra o Minas, o Sesc tem chances de bater o Sesi/SP. Para tanto, a distribuição do levantador Tiaguinho será decisiva. Caso Wallace fique sobrecarregado, o desafogo ficará por conta de Maurício Borges.

PLAYOFF SEMIFINAL
06/04 19:00 JOGO 1 Sesi/SP X Sesc/RJ
09/04 19:00 JOGO 2 Sesc/RJ X Sesi/SP
13/04 19:00 JOGO 3 Sesi/SP X Sesc/RJ
Se necessário
16/04 19:00 JOGO 4 Sesc/RJ X Sesi/SP
19/04 20:30 JOGO 5 Sesi/SP X Sesc/RJ

Sada/Cruzeiro X EMS/Funvic/Taubaté
O atual pentacampeão da Superliga, o Cruzeiro, encara pela segunda temporada consecutiva, o Taubaté nas semifinais. Ao contrário do ano passado, as duas equipes estão enfraquecidas, seja pela perda de peças importantes, seja por problemas internos. Apesar disso, a série promete. O Cruzeiro teve muitas dificuldades com o saque flutuante do Maringá, pelas quartas-de-final da Superliga.

O oposto Evandro é o radar do time. Quando sua performance é alta, o time não encontra muitos obstáculos para vencer os seus adversários. Quando seu rendimento é baixo, a equipe precisa se reinventar para vencer os jogos. Foi assim contra o Maringá, no jogo 1 da fase anterior, e na decisão da liderança, pela fase regular, contra o Sesi/SP. O ponta americano Sander é o destaque individual do Cruzeiro na temporada.

O Taubaté busca a reconstrução do time com a disputa em andamento. Com vários percalços internos de bastidores, inclusive com troca de técnico, durante a temporada, o time de estrelas espera reverter a situação na competição. Não sabemos se resta tempo para tanto. O treinador da seleção brasileira masculina, Renan Dal Zotto, assumiu o time com essa missão.

Na história da Superliga, não é comum a recuperação almejada por Taubaté. Nos anais do torneio, não há equipe campeã com o histórico do time na temporada. Mais que improvável, não se pode descartar a possibilidade pelo número de estrelas do time no elenco. O desafio será superar o supercampeão Cruzeiro. Caso consiga, a confiança cresce e a equipe terá o caminho aberto para o título.

PLAYOFF SEMIFINAL
06/04 21:30 JOGO 1 Cruzeiro X Taubaté
09/04 21:30 JOGO 2 Taubaté X Cruzeiro
13/04 21:30 JOGO 3 Cruzeiro X Taubaté
Se necessário
16/04 21:30 JOGO 4 Taubaté X Cruzeiro
20/04 19:30 JOGO 5 Cruzeiro X Taubaté

O MATA-MATA NA SUPERLIGA MASCULINA

image

Nesse sábado, 23 de março, tem início a fase quartas-de-final da Superliga Masculina. Os confrontos foram definidos com o fim da 1ª fase da competição. Com uma vitória por 3×0, fora de casa, contra o Cruzeiro, o Sesi/SP terminou na liderança da fase regular. Portanto, seu adversário nas quartas-de-final será o 8º colocado, Itapetininga. Já o Cruzeiro, vice-líder enfrenta o Maringá. Os demais duelos ocorrem entre: Taubaté, 3º colocado, contra Vôlei Renata, 6º colocado, e, Sesc/Rio, 4º colocado, versus Fiat/Minas, 5º colocado. Abaixo você confere os detalhes dos duelos de quartas-de-final da Superliga Masculina.

Sesi/SP X Vôlei Itapetininga
O líder da fase regular, Sesi/SP, encerrou o returno sem nenhuma derrota. O time dirigido pelo técnico Rubinho não perde na competição há 13 jogos. Embalado, com a conquista do 1º lugar geral, conseguiu escapar do confronto com o Copel Telecom Maringá, responsável por sua eliminação na Copa do Brasil. Ainda, nas últimas edições da Superliga, o líder da 1ª fase foi o campeão do torneio. Seu principal atacante, o jovem oposto Alan está em grande fase. Mesmo sem o ponteiro Lipe, em plena forma, o Sesi possui uma respeitável linha de recepção. Com o passe na mão, é difícil parar o levantador William. Contra o Itapetininga, o restrospecto do Sesi/SP é favorável, com duas vitórias por 3×0 na fase regular.

Já o Vôlei Itapetininga, é uma das gratas surpresas da temporada. Com uma das promessas do voleibol masculino brasileiro, o ponteiro Vítor Birigui, e o reforço do oposto cubano Sanchez, o time do interior paulista possui grande potencial no ataque. Na 1ª fase, o Itapetininga desbancou adversários diretos pela vaga nos playoffs, como Corinthians e o Vôlei Ribeirão, com resultados inesperados, como as vitórias contra Taubaté, Minas e Sesc/Rio. Seu oponente nas quartas-de-final, o Sesi/SP, passou incólume pelo confronto, com duas derrotas por 3×0. Também pesa o fato do Itapetininga ter titubeado contra equipes menores como os rebaixados Caramuru e São Judas.

PLAYOFF QUARTAS-DE-FINAL
23/03 21:30 JOGO 1 Sesi/SP X Vôlei Itapetininga
28/03 19:00 JOGO 2 Vôlei Itapetininga X Sesi/SP
Se necessário
30/03 19:00 JOGO 3 Sesi/SP X Vôlei Itapetininga

Sada/Cruzeiro X Copel Telecom Maringá
O Cruzeiro terminou em 2º lugar na fase de classificação da Superliga, pela 1ª vez, em cinco temporadas. No começo da competição, o atual campeão sofreu com o calendário apertado. Com o andar do torneio, o time ganhou consistência técnica e tática, mas foi surpreendido por um resiliente Sesi/SP. Contra o Maringá, o Cruzeiro deverá enfrentar alguma resistência, já que a equipe paranaense é uma das surpresas da Superliga. No entanto, nada diminui o seu favoritismo no confronto. O campeoníssimo Marcelo Mendez perdeu algumas peças nos últimos anos, mas a estrutura do seu sistema de jogo permanece. O ponteiro americano Sander, um dos destaques da equipe, é a bola de desafogo do levantador Cachopa.

Apontado como uma das surpresas da temporada, o Maringá encara o Cruzeiro como franco-atirador. Os dois times já se enfrentaram em duelo decisivo, na semifinal da Copa do Brasil 2019. O Maringá vendeu caro a derrota. Aliás, um dos feitos do time no ano, foi eliminar o Sesi/SP, líder da Superliga, fora de casa, na mesma Copa do Brasil. Fora de casa, na Superliga, levou o jogo contra o Cruzeiro para o tie-break. Com um orçamento menor, mas com bons jogadores, Maringá mostrou ser possível competir em alto nível, mesmo com um custo baixo, em comparação com o seu adversário de quartas-de-final.

PLAYOFF QUARTAS-DE-FINAL
24/03 19:00 JOGO 1 Sada/Cruzeiro X Copel Telecom Maringá
28/03 21:30 JOGO 2 Copel Telecom Maringá X Sada/Cruzeiro
Se necessário
30/03 21:30 JOGO 3 Sada/Cruzeiro X Copel Telecom Maringá

EMS/Funvic/Taubaté X Vôlei Renata/Campinas
Um dos maiores investimentos da temporada, Taubaté enfrentou durante a fase regular uma tremenda crise interna. Sob a direção de Castellani, o time de grandes estrelas não engrenou na competição e sofreu pressão de seus dirigentes e torcida. O técnico argentino com problemas de relacionamento com os jogadores, segundo a imprensa, não suportou a turbulência e foi demitido. Em seu lugar, assumiu o técnico da seleção brasileira masculina, Renan Dal Zotto. Resta saber, se ele terá tempo para reconstruir a equipe. Contra o Campinas, a série de quartas-de-final promete ser uma das mais equilibradas dessa fase. Com um grande elenco no papel, não se deve subestimar o Taubaté.

O Campinas cumpre o seu papel na temporada até aqui, com uma campanha regular. Para alçar voos mais altos, o time precisa de algo mais. O momento certo para crescer na competição é agora. Contra o Taubaté, adversário que supera uma crise, será uma boa oportunidade para surpreender. No ano, o time já foi eliminado pelo oponente na Copa do Brasil, por 3×1. Na fase regular da Superliga, conseguiu uma vitória por 3×0, dentro de casa. No domínio adversário, sofreu uma derrota, pelos mesmos 3×0. Está claro que o mando será preponderante na série. Para ter chances de avançar de fase, Campinas deve mostrar a que veio, logo no primeiro jogo, caso contrário sua missão ficará complicada e o time acabará sucumbindo.

PLAYOFF QUARTAS-DE-FINAL
23/03 11:30 JOGO 1 EMS/Funvic/Taubaté X Vôlei Renata/Campinas
27/03 19:15 JOGO 2 Vôlei Renata/Campinas X EMS/Funvic/Taubaté
Se necessário
29/03 19:00 JOGO 3 EMS/Funvic/Taubaté X Vôlei Renata/Campinas

Sesc/Rio X Fiat/Minas
O Sesc/Rio encerrou o turno na liderança da competição. No returno, o time sofreu uma queda vertiginosa de rendimento e quase ficou fora do top 4. Para se ter uma ideia, o Sesc/Rio perdeu 7 dos 11 jogos, no returno. Segundo consta, o técnico Giovane Gávio chegou a ameaçar os jogadores com corte de salários. Não se sabe, o que de fato explica a baixa no rendimento. Contra o Minas, a persistir essa situação, o Sesc/Rio terá enormes dificuldades. O oposto campeão olímpico Wallace está sobrecarregado. O time sentiu a ausência do ponteiro Maurício Borges, ao longo da temporada. A expectativa é pelo seu retorno. De qualquer maneira, o Sesc não terá vida fácil contra o Minas. A série está em aberto.

O Minas conta com a força de sua camisa para avançar de fase. A seu favor, o mau momento do adversário. Não teria melhor oponente, no momento, para o Minas, nessa situação. Mesmo decidindo a série fora de casa, o Minas poderá desbancar o Sesc/Rio. A regularidade será primordial. Se o Minas repetir o feito da Copa do Brasil, quando eliminou o Sesc, no Rio de Janeiro, ele terá a chance de fechar a série em casa, com o apoio de sua torcida. No retrospecto na temporada da Superliga, uma vitória para cada lado, por 3×1. A grande diferença é realmente o momento das duas equipes na competição. Isso será determinante para a definição da série.

PLAYOFF QUARTAS-DE-FINAL
23/03 14:30 JOGO 1 Sesc/Rio X Fiat/Minas
27/03 21:30 JOGO 2 Fiat/Minas X Sesc/Rio
Se necessário
29/03 21:30 JOGO 3 Sesc/Rio X Fiat/Minas

OS PLAYOFFS DA SUPERLIGA FEMININA

image

Começa hoje a fase quartas-de-final da Superliga Feminina. Os confrontos foram definidos, ao final da última rodada da fase regular, na sexta-feira passada. Com uma vitória por 3×0 sobre o Curitiba, fora de casa, o Minas terminou na liderança da 1ª fase. Seu primeiro adversário nos playoffs será justamente o Curitiba, 8º colocado. Com a derrota para o Sesc/Rio, por 3×0, em Uberlândia, o Praia Clube, vice-líder, enfrenta o Fluminense, 7º colocado. Já o Sesc/Rio, 3º, encara o Sesi/Bauru, 6º. Finalizando os confrontos dessa fase, o Barueri, 4º, joga contra o Osasco, 5º. Abaixo você confere os detalhes dos duelos de quartas-de-final da Superliga Feminina.

Minas X Curitiba
O líder da fase regular, Itambé/Minas terá pela frente, teoricamente, o confronto mais tranquilo das quartas-de-final. Diante do Curitiba, o time comandando pelo italiano Stefano Lavarini não deverá encontrar dificuldades. No entanto, ao final do returno, o Minas deu sinais de desgaste físico em virtude do calendário apertado e do excesso de jogos. Não a toa, Lavarini poupou a ponteira Natália em diversos jogos da fase classificatória. Por isso mesmo, ao contrário de outras temporadas, o Minas escolheu realizar o jogo 1 do duelo contra o Curitiba, fora de casa. Para evitar o cansaço, ao que parece, o Minas se aproveitou do fato de ter encerrado a 1ª fase, em Curitiba, contra o time da casa, e preferiu permanecer na cidade para o jogo 1.

Já o Curitiba, com uma surpreendente campanha, desbancou das quartas-de-final, o tradicional Pinheiros e o São Caetano, do técnico Antônio Rizola. O time paranaense subiu da Superliga B, nesta temporada, e conquistou a classificação com um desempenho acima do esperado. Contra o Minas, será um franco-atirador. Para o Curitiba, daqui em diante, o que vier é lucro. Mesmo inferior tecnicamente, o time deverá oferecer alguma resistência ao Minas. Principalmente, no jogo 1, dentro de seus domínios. O retrospecto na 1ª fase, não é muito favorável. Nos dois jogos realizados, o Curitiba saiu derrotado por 3×0.

PLAYOFF QUARTAS-DE-FINAL
18/03 19:00 JOGO 1 Curitiba X Minas
21/03 19:00 JOGO 2 Minas X Curitiba
Se necessário
25/03 19:00 JOGO 3 Minas X Curitiba

Praia Clube X Fluminense
O atual campeão da Superliga, Praia Clube, vice-líder da fase classificatória, enfrenta nas quartas-de-final o adversário mais imprevisível dos playoffs, o Fluminense. Com campanha irregular, não dá para saber qual Fluminense entrará em quadra contra o Praia. Durante a fase regular, o tricolor carioca oscilou bastante e teve muitas dificuldades diante dos times considerados inferiores tecnicamente. No entanto, o Fluminense conseguiu a proeza de derrotar os favoritos Rio e Osasco, fora de casa, no turno. Já nas duas partidas realizadas com o Praia, o time das Laranjeiras não teve a mesma sorte. Perdeu, os dois jogos, no Rio e em Uberlândia, por 3×0.

Para o Praia todo cuidado é pouco. A equipe ainda ressente do entrosamento da levantadora americana Lloyd com suas atacantes. Outras jogadoras tiveram queda de rendimento. Apesar disso, o time de Uberlândia conseguiu bater o Minas, seu principal adversário pelo título, pela 1ª vez na temporada, em BH, no 2º turno, por 3×2. Não fosse a inesperada derrota para o São Caetano, no returno, em casa, por 3×1, o Praia teria terminado a fase regular em 1º lugar, e conquistado o direito de decidir em casa, em todas as fases do playoff.

PLAYOFF QUARTAS-DE-FINAL
18/03 21:30 JOGO 1 Praia X Fluminense
21/03 21:30 JOGO 2 Fluminense X Praia
Se necessário
25/03 21:30 JOGO 3 Praia X Fluminense

Sesc/Rio X Sesi/Bauru
Com problemas de contusão durante a temporada, o Sesc/Rio do técnico Bernardinho, ainda precisa se ajustar, se quiser alçar voos mais altos na competição. Com o retorno de Drussyla, o time ganhou um novo padrão tático. Com todas as peças à disposição, Bernardinho poderá surpreender os adversários com variações em seu sistema de jogo. Contra o Bauru, a equipe carioca não irá encontrar moleza. Nos dois jogos da fase regular, o Sesc/Rio teve muitas dificuldades para bater o Bauru. Apesar de ter vencido os confrontos, as duas partidas foram decididas apenas no tie-break. Para complicar ainda mais, pela Copa do Brasil, o Rio foi eliminado pelo Bauru, fora de casa, por 3×2, no mês de janeiro.

Já o Bauru, terminou a fase regular de forma melancólica. Dentro de casa, foi derrotado por um desmotivado Fluminense, já classificado, por 3×1. O técnico Anderson Rodrigues possui várias opções no elenco, mas as peças não se encaixam. Com Tiffany deslocada para a ponta, o time sofre na recepção e ganha em potência de ataque. Porém, ao que parece, a jogadora está sobrecarregada e bem marcada pelos adversários. Também, segundo a imprensa, existe pressão por resultados. A boa notícia, é que o Rio não vive a sua melhor fase, e já foi eliminado pelo Bauru na Copa do Brasil deste ano.

PLAYOFF QUARTAS-DE-FINAL
19/03 21:30 JOGO 1 Sesi/Bauru X Sesc/Rio
22/03 21:30 JOGO 2 Sesc/Rio X Sesi/Bauru
Se necessário
26/03 21:30 JOGO 3 Sesc/Rio X Sesi/Bauru

Hinode/Barueri X Osasco/Audax
Um dos confrontos mais parelhos, senão o mais equilibrado das quartas-de-final, Barueri contra Osasco, promete fortes emoções. Como na temporada passada, o duelo se repete, na mesma fase da competição, mas dessa vez, com a vantagem de decidir em casa, para o time de José Roberto Guimarães. No entanto, desde a sua criação, Osasco tem sido a pedra no sapato de Barueri, responsável pelas eliminações do time no Campeonato Paulista, na Superliga e na Copa do Brasil. Com a polonesa Skowronska em grande forma, Barueri espera mudar essa escrita. Na fase classificatória, para variar, foram duas derrotas, 3×2, em casa, 3×0, em Osasco.

Depois de tropeçar no começo da temporada, Osasco realizou uma das melhores campanhas no returno e já ameaça os favoritos Minas e Praia. A oposta americana Hooker é uma das esperanças da equipe no ataque. Ela cresceu sua performance no fundamento e será uma das dores de cabeça para o time de José Roberto Guimarães. Junto com ela, toda a equipe de Osasco melhorou o seu rendimento. Apesar de decidir fora de casa, não dá para descartar Osasco. Ainda mais, quando o restrospecto contra o adversário é favorável.

PLAYOFF QUARTAS-DE-FINAL
19/03 19:00 JOGO 1 Barueri X Osasco
22/03 19:00 JOGO 2 Osasco X Barueri
Se necessário
26/03 19:00 JOGO 3 Barueri X Osasco