O FIM DA TEMPORADA DA SUPERLIGA MASCULINA

Foi encerrada a temporada 2019/2020 da Superliga Masculina. Em reunião entre os clubes e a CBV, por vídeo conferência, foi decidido por votação, na manhã de segunda-feira, 20 de Abril, o fim da competição, em virtude da pandemia do covid-19. Também foi acertado na reunião que não haverá vencedor da disputa na temporada.

Segundo fontes da imprensa, a vaga para o Sul-Americano de 2021 ficará com o líder da Superliga 2019/2020, até a 21ª rodada da fase regular, no caso, o Taubaté. No entanto, ele não será o único representante brasileiro no torneio. De acordo com a mesma fonte, o Brasil terá três times no Sul-Americano 2021. Além do Taubaté, o atual campeão sul-americano, o Sada/Cruzeiro, também está garantido. A terceira vaga brasileira na disputa ficará com o campeão da Copa Brasil.

Cartolagem a parte, durante essa terça-feira, 21 de Abril, o EMS/Funvic/Taubaté causou polêmica nas redes ao declarar-se bicampeão da Superliga Masculina, após a reunião de ontem dos clubes com a CBV. O vencedor da competição em 2018/2019, realizou postagem na internet, nomeando-se “campeão moral”. Foi o estopim para os adversários reagirem.

O campeoníssimo treinador do Cruzeiro, Marcelo Mendez, respondeu utilizando o significado da expressão “campeão moral” no dicionário Aurélio. Segundo ele, a situação descrita por Taubaté, não corresponde com a forma como foi decidido o encerramento da Superliga Masculina, pelos clubes. Detalhe: o Cruzeiro foi voto vencido. A Federação Mineira de Vôlei também respondeu à postagem do Taubaté com ironias.

Em seu site, a CBV também manifestou-se sobre a polêmica postagem de Taubaté. Nas palavras de Radamés Lattari, a Confederação Brasileira de Vôlei reforçou que não há campeão da temporada da Superliga Masculina 2019/2020. A entidade máxima do vôlei no Brasil ficou surpresa com a postagem de Taubaté, esclarecendo que não há vencedor dessa temporada.

O FIM DA TEMPORADA DA SUPERLIGA FEMININA

Foi encerrada a temporada 2019/2020 da Superliga Feminina. Em reunião dos clubes com a CBV, por vídeo conferência, foi decidido nesta quinta-feira de manhã, 19 de março, que a competição está finalizada, em virtude da pandemia do covid-19. A volta estava prevista para junho, porém os contratos com as atletas terminavam em maio. Também foi acertado na reunião que não haverá vencedor da disputa na temporada. A vaga para o Sul-Americano de 2021 está em aberto, sem definição. Segundo fontes da imprensa, existe a possibilidade de acontecer um torneio, em setembro de 2020, com os oito melhores da Superliga Feminina 2019/2020 para definir a vaga dessa competição, no mesmo formato da Copa do Brasil.

Cartolagem a parte, na opinião do blog, existem duas possibilidades para resolver esse imbróglio, caso o tal torneio não seja disputado, em setembro. A primeira seria declarar o Praia Clube como campeão da temporada 2019/2020 da Superliga Feminina, apoiado na fase regular da competição. O time de Uberlândia terminou a 1ª fase com a melhor campanha, com 20 vitórias e 2 derrotas, em 22 jogos, e portanto seria o postulante por direito da vaga no Sul-americano. A outra opção, não menos polêmica, seria considerar o título da Copa do Brasil 2020, conquistado pelo Sesc/RJ, como herdeiro natural da vaga no Sul-Americano, baseado na decisão de hoje dos clubes, em não declarar o campeão da Superliga Feminina 2019/2020.

Seja qualquer for a decisão, não será fácil costurar um acordo político, em meio a uma conflagração geral entre clubes e CBV, fruto de polêmica na votação do fim do ranking de atletas na Superliga Feminina, na semana retrasada. Quem se considerar prejudicado, pode tomar medidas radicais como não entrar em quadra na provável competição de setembro. Nesse caso, é bom observar a posição dos dirigentes do Praia e do Sesc. Eles são os maiores interessados, caso o torneio de setembro não seja disputado. Hoje mesmo, após reunião dos clubes com a CBV, dirigentes do Praia se manifestaram em suas redes sociais, comemorando o título da temporada, consequentemente, a detenção da vaga no Sul-Americano 2021 e também da Supercopa.

A ÚLTIMA RODADA DA SUPERLIGA FEMININA

Foi encerrada a fase regular da temporada 2019/2020 da Superliga Feminina. No último domingo, 8 de março, a rodada teve início com a vitória do Barueri sobre o Curitiba por 3×1. Com o resultado, o time de José Roberto Guimarães confirmou a 6ª posição geral na tabela. Seu adversário na fase eliminatória da competição será o Minas, 3º colocado.

Já o Curitiba, conhecia o seu oponente de quartas-de-final antes do começo da rodada. Garantido nas quartas-de-final, em 8º lugar, o time do Paraná terá o líder Praia Clube pela frente.

Ontem, 10 de março, a 11ª rodada do returno teve o seu complemento. Em Belo Horizonte, o Minas bateu o líder Praia Clube, de virada, por 3×1, no clássico mineiro, mas o resultado não foi suficiente para o atual campeão da Superliga ficar com a vice-liderança. Isso porque, o Sesc/RJ cumpriu o seu papel derrotando o Pinheiros por 3×0, em São Paulo.

Falando em clássico, no Rio de Janeiro, também pela última rodada do returno, aconteceu o segundo Fla x Flu da história da Superliga Feminina. Depois de abrir 2×0 no placar, com o mando de quadra, o Flamengo permitiu a virada do Fluminense, com 15/6 no tie-break, a favor do tricolor.

Com esses resultados nos clássicos da rodada, tanto em Minas, como no Rio, mais o triunfo do Sesc sobre o Pinheiros, ficou definido outro confronto nas quartas-de-final da competição, entre o Sesc/RJ e o Fluminense. Já o Flamengo conseguiu escapar do rebaixamento, mesmo sendo derrotado, após o revés do Valinhos dentro de casa, para o Osasco, por 3×1.

Fechando a rodada, o já rebaixado São Caetano não foi páreo para o Bauru. Com uma vitória pelo placar de 3×0, a equipe comandada pelo campeão olímpico Anderson Rodrigues garantiu a vantagem de realizar dois jogos em casa, se necessário, no duelo de quartas-de-final contra o Osasco.

Tabela dos playoffs

Com o fim da rodada, a CBV divulgou as datas e os horários da próxima fase da Superliga Feminina 2019/2020. O mata-mata da competição começa nesse próximo sábado, 14 de março, às 19h, em Bauru, no ginásio Panela de Pressão, com transmissão da TV Cultura e do SPORTV 2, com o jogo entre Sesi/Bauru e Osasco.

A sequência das partidas segue no domingo, 15 de março, na Arena Minas, em Belo Horizonte, às 20h, com o confronto entre Minas e São Paulo/Barueri. O jogo também será transmitido pelo SPORTV 2.

Na segunda-feira, 16 de março, em Curitiba, na Universidade Positivo, o Curitiba recebe o Praia, às 19h30, com transmissão do SPORTV 2.

Encerrando a 1ª rodada dos playoffs, no ginásio do Hebraica, no Rio de Janeiro, às 19h, o Fluminense enfrenta o Sesc/RJ, com transmissão do SPORTV 2. Abaixo você confere a tabela completa das quartas-de-final.

1ª rodada Quartas-de-final

14/03 19:00 Sesi/Bauru x Osasco

15/03 20:00 Minas x São Paulo/Barueri

16/03 19:30 Curitiba x Praia Clube

17/03 19:00 Fluminense x Sesc/RJ

2ª rodada

19/03 19:00 Osasco x Sesi/Bauru

19/03 21:30 São Paulo/Barueri x Minas

20/03 19:00 Praia Clube x Curitiba

20/03 21:30 Sesc/RJ x Fluminense

3ª rodada se necessário

23/03 19:00 Sesi/Bauru x Osasco

23/03 21:30 Minas x São Paulo/Barueri

24/03 19:00 Praia Clube x Curitiba

24/03 21:30 Sesc/RJ x Fluminense

Todos os jogos serão transmitidos pelo SPORTV 2.

EMS/FUNVIC/TAUBATÉ CONQUISTA TÍTULO INÉDITO DA SUPERLIGA

image

O Taubaté derrotou o Sesi/SP, ontem, na Arena Suzano, em Suzano, na quinta partida da série melhor de cinco, válida pelas finais da Superliga Masculina, e sagrou-se campeão da competição, pela primeira vez em sua história. Na temporada vigente, foi o segundo troféu do Taubaté. Em 2018, o time venceu o Campeonato Paulista, também contra o Sesi/SP, pela quinta vez. Anteriormente, o Taubaté foi campeão paulista em 2014, 2015, 2016, 2017. No jogo do título da Superliga, o Taubaté bateu o Sesi/SP, por 3×1, com parciais de 25/21, 25/22, 21/25, 25/20. O oposto Vissoto do Taubaté foi eleito o melhor em quadra, no duelo decisivo, por votação popular, pela internet, e recebeu o troféu Viva Vôlei.

Após o jogo, Vissoto falou com a assessoria da CBV, sobre a conquista do título. “A conquista da Superliga foi um sonho realizado. Fiquei muito tempo fora do Brasil e estar de volta em um time cheio de craques foi muito prazeroso. Estou muito feliz e emocionado. Minha família está aqui no ginásio e o fato deles poderem ter assistido tudo isso foi ainda mais especial. Nunca imaginei viver essa emoção na minha carreira e estou muito contente. Só tenho que agradecer a esse grupo”.

Já o levantador William do Sesi/SP valorizou a campanha de sua equipe. “Chegar a final da Superliga é muito difícil. Parar e analisar o que aconteceu é difícil agora, foi super disputado. Ganhou o time que conseguiu abrir e sustentar por mais tempo a vantagem. Mas, foi uma baita final. Cinco jogos lindos. Estou chateado pela derrota, mas feliz pelo que a equipe produziu. Chegar a uma final é muito complicado e não posso ser egoísta e achar que tem alguma coisa errada. Vamos pensar na próxima temporada”.

SESI/SP William, Alan, Lucas Loh, Lipe, Éder, Gustavão, Murilo (L). Entraram: Evandro, Franco, Renato, Alan Patrick. Técnico: Rubinho

EMS/FUNVIC/TAUBATÉ Raphael, Vissoto, Conte, Lucarelli, Lucão, Otávio, Thales (L). Entraram: Uriarte, Abouba, Douglas Souza, Fabiano. Técnico: Renan Dal Zotto

SELEÇÃO DA SUPERLIGA MASCULINA
O ponteiro Lucarelli do Taubaté foi escolhido MVP da Superliga, melhor jogador do campeonato. O levantador Raphael do Taubaté foi eleito o craque da galera. A seleção da temporada 2018/2019 da Superliga Masculina foi composta pelo levantador William do Sesi/SP, o oposto Alan do Sesi/SP, os ponteiros Lucarelli do Taubaté e Lucas Loh do Sesi/SP, os centrais Lucão do Taubaté e Éder do Sesi/SP, e o líbero Thales do Taubaté. O técnico Rubinho do Sesi/SP foi escolhido o melhor treinador da Superliga.

A CAMPANHA DO TÍTULO
Fase regular
22 jogos, 17 vitórias e 5 derrotas, 47 pontos, 3º lugar geral
Playoffs
23/03 Taubaté 3×2 Vôlei Renata/Campinas
25/14, 25/17, 25/27, 21/25, 15/12
27/03 Vôlei Renata/Campinas 3×1 Taubaté
25/23, 20/25, 25/15, 25/20
29/03 Taubaté 3×1 Vôlei Renata/Campinas
25/18, 25/17, 23/25, 25/13
Semifinal
06/04 Cruzeiro 1×3 Taubaté
28/30, 19/25, 25/22, 24/26
09/04 Taubaté 3×2 Cruzeiro
25/15, 19/25, 16/25, 29/27, 15/12
13/04 Cruzeiro 2×3 Taubaté
25/21, 34/36, 19/25, 25/19, 12/15
Final
23/04 Sesi 3×0 Taubaté
25/22, 25/22, 25/22
27/04 Taubaté 3×0 Sesi
25/23, 25/22, 25/20
30/04 Sesi 2×3 Taubaté
25/20, 23/25, 25/27, 30/28, 13/15
04/05 Taubaté 1×3 Sesi
22/25, 23/25, 25/18, 21/25
11/05 Sesi 1×3 Taubaté
21/25, 22/25, 25/21, 20/25

image
O campeão da Superliga 2018/2019, Taubaté/Divulgação CBV

PLAYOFF FINAL – Sesi leva decisão para o 5º jogo

image

O Sesi/SP derrotou o Funvic/Taubaté pela 2ª vez nas finais da Superliga Masculina e levou a decisão do título da competição para o jogo 5. Em partida válida pelo 4º jogo das finais, em Suzano, na Arena Suzano, o time dirigido pelo técnico Rubinho empatou a série em 2×2, ao vencer os comandados de Renan Dal Zotto, por 3×1, com parciais de 25/22, 25/23, 18/25, 25/21. O ponteiro Lucarelli do Taubaté foi o maior pontuador do confronto com 20 pontos. Pelo Sesi, o oposto Alan anotou 19 pontos. O ponteiro Lipe do Sesi foi escolhido pelos internautas o melhor em quadra. Ele recebeu o troféu Viva Vôlei.

Ao final do jogo, ele falou sobre a partida com a assessoria da CBV. “São duas equipes do mais alto nível, os jogos estão espetaculares. Bonitos para o público, divertido para nós jogarmos, uma série digna de final da Superliga, do voleibol brasileiro. Não podemos pensar lá na frente, é uma disputa de cinco jogos, o que ocorre em um jogo ou outro não pode influenciar para a sequência. Se tivéssemos vencido, também não poderia influenciar. Temos que ter maturidade para entrar na partida preparados, sem dar um passo em falso. As duas equipes são muito competentes. Chegar concentrado, jogar o jogo, foi isso que fizemos muito bem”.

O duelo decisivo das finais, o 5º jogo da série, acontece no sábado, 11 de maio, a partir das 21h30, em Suzano, na Arena Suzano, com transmissão do SPORTV 2. Caso Taubaté vença o confronto, será campeão pela 1ª vez na história da Superliga Masculina. Se o Sesi triunfar novamente, irá conquistar o segundo título do torneio. Anteriormente, foi campeão na temporada 2010/2011.

EMS/FUNVIC/TAUBATÉ Raphael (1), Vissoto (7), Lucão (9), Otávio (1), Lucarelli (20), Conte (18), Thales (L). Entraram: Uriarte (0), Aboubacar (7), Athos (6), Douglas Souza (1), Fabiano (0). Técnico: Renan Dal Zotto

SESI/SP William (2), Alan (19), Éder (8), Gustavão (7), Lipe (15), Lucas Lóh (12), Murilo (L). Entraram: Evandro (1), Franco (1), Barreto (0). Técnico: Rubinho

PLAYOFF FINAL – Taubaté empata série final com o Sesi

image

O Funvic/Taubaté derrotou o Sesi/SP, no último sábado, em jogo válido pelas finais da Superliga Masculina, e empatou a série melhor de cinco, em 1×1. Em partida realizada no ginásio do Abaeté, em Taubaté, o atual pentacampeão paulista venceu o Sesi/SP por 3×0, com parciais de 25/23, 25/22, 25/20. Com o resultado, o Taubaté quebrou uma invencibilidade de 19 vitórias consecutivas do Sesi na Superliga. O ponteiro Lucarelli do Taubaté foi o maior pontuador do confronto, com 16 acertos. Pelo Sesi, o oposto Alan anotou 14. O ponteiro argentino Conte do Taubaté foi eleito melhor em quadra e recebeu o troféu Viva Vôlei.

Ao final do jogo, ele conversou sobre a vitória do seu time, com a assessoria da CBV. “Acredito que o mais importante foi a reação do time. Na primeira partida, não conseguimos entrar no jogo. Fomos lá ver o que acontecia. E hoje, a agressividade que tivemos desde o começo fez a diferença. Nosso time é forte e vai precisar sempre estar em 110%. No primeiro jogo não foi assim, mas serviu para nos acordar. Agora a série está empatada e vamos com tudo para o próximo jogo”.

As duas equipes voltam a se enfrentar hoje, 30 de abril, na Arena Suzano, em Suzano, em duelo válido pelo terceiro jogo da série melhor de cinco, às 21h30, com transmissão do SPORTV 2. Uma quarta partida está marcada para o sábado, 4 de maio, também na Arena Suzano. Caso seja necessário, uma quinta partida ocorre no sábado, dia 11 de maio, para definir o campeão da temporada.

EMS/FUNVIC/TAUBATÉ Raphael (1), Vissoto (4), Lucão (5), Otávio (4), Lucarelli (16), Conte (11), Thales (L). Entraram: Uriarte (2), Abouba (9), Douglas Souza (1), Fabiano (0). Técnico: Renan Dal Zotto

SESI/SP William (1), Alan (14), Éder (8), Gustavão (4), Lucas Lóh (9), Lipe (6), Murilo (L). Entraram: Evandro (0), Franco (1), Barreto (0) Renato (0). Técnico: Rubinho

O argentino Conte comemora ponto/Divulgação CBV

ITAMBÉ/MINAS É BICAMPEÃO DA SUPERLIGA FEMININA

image

O Minas derrotou o Praia Clube de Uberlândia, ontem, fora de casa, no ginásio Sabiazinho, na segunda partida da série melhor de três, válida pelas finais da Superliga Feminina, e sagrou-se bicampeão da competição, após um jejum de 17 anos. Foi o quinto título nacional do Minas na história, no naipe feminino. Anteriormente, a equipe mineira havia vencido a antiga Liga Nacional, na temporada 1992/1993, a Copa dos Campeões, em 2000, a Superliga, em 2001/2002 e a Copa do Brasil, em 2019. Na temporada vigente, este foi o quarto troféu do Minas. Em 2018, o time venceu o Campeonato Mineiro. Em 2019, a Copa do Brasil e o Sul-americano. Além disso, foi vice-campeão mundial, em dezembro passado.

No jogo do título, o Minas venceu o Praia, de virada, por 3×1, com parciais de 17/25, 25/23, 25/14, 28/26. A ponteira Natália do Minas foi a maior pontuadora do confronto, com 23 pontos. Ela ainda foi eleita a melhor em quadra, no duelo decisivo, por votação popular, pela internet, e recebeu o troféu Viva Vôlei. Pelo Praia, a ponteira Michelle foi a maior pontuadora do time de Uberlândia, com 16 pontos.

Após a partida, Natália conversou com a assessoria da CBV, depois da premiação, sobre a sua parceria de sucesso com a outra ponteira do Minas, Gabi. “Desde que fiquei sabendo que jogaria novamente ao lado da Gabi fiquei muito feliz. É uma dupla que já tinha dado certo no Rio, e temos uma parceria que dá muito certo. Ela é como uma irmã para mim, temos uma sintonia muito boa dentro de quadra, só de olhar já sabemos o que a outra quer. A nossa equipe também encaixou muito bem, como uma família. É difícil encontrar um grupo que lute assim. As meninas que vieram do banco tiveram um papel muito importante no jogo de hoje. Quero agradecer a todos que me ajudaram, departamento médico e fisioterapia, a comissão técnica do Minas e a diretoria do clube”.

Já o técnico do Praia, Paulo Coco, lamentou a perda do título e enalteceu a presença de sua torcida. “É fantástico ver que Uberlândia está respirando o voleibol. Vamos continuar trabalhando para sermos mais fortes na próxima temporada. Fizemos um jogo equilibrado, lutamos muito. Tivemos um ano de aprendizado, com problemas físicos, uma temporada exigente, mas a equipe se entregou e lutou até o último momento. Conseguimos o título inédito da Supercopa, mas o Minas mereceu pela temporada que fez, foi mais regular durante o ano, elas são merecedoras da conquista”.

DENTIL/PRAIA CLUBE Lloyd (2), Fawcett (8), Fabiana (15), Carol (11), Michelle (16), Rosamaria (14), Suelen (L). Entraram: Ananda (0), Paula Borgo (3), Ellen (1), Laís (0). Técnico: Paulo Coco

ITAMBÉ/MINAS Macris (2), Bruna Honório (6), Carol Gattaz (12), Mara (8), Natália (23), Gabi (17), Léia (L). Entraram: Bruninha (0), Malú (3), Georgia (0), Mayany (1). Técnico: Stefano Lavarini

SELEÇÃO DA SUPERLIGA FEMININA
A levantadora Macris do Minas foi escolhida MVP da Superliga, melhor jogadora do campeonato. A central Carol Gattaz do Minas foi eleita a craque da galera. A seleção da temporada 2018/2019 da Superliga Feminina foi composta por: a levantadora Macris do Minas, a oposta americana Fawcett do Praia, as ponteiras Natália e Gabi do Minas, as centrais Carol Gattaz do Minas e Carol do Praia, e a líbero Camila Brait do Osasco. O técnico italiano do Minas, Stefano Lavarini foi escolhido o melhor treinador da competição.

A CAMPANHA DO TÍTULO
Fase regular
22 jogos, 20 vitórias e 2 derrotas, 59 pontos, 1º lugar geral
Playoffs
18/03 Curitiba 0x3 Minas
18/25, 30/32, 19/25
21/03 Minas 3×1 Curitiba
25/14, 25/20, 20/25, 25/11
Semifinal
01/04 Minas 3×1 Osasco
24/26, 25/15, 25/17, 25/13
08/04 Osasco 1×3 Minas
15/25, 25/19, 25/27, 19/25
Final
21/04 Minas 3×2 Praia
28/26, 25/22, 17/25, 17/25, 15/6
26/04 Praia 1×3 Minas
25/17, 23/25, 14/25, 26/28

image
A comemoração do título/Divulgação CBV