DIÁRIO OLÍMPICO – episódio 10

Foi encerrada a 1ª fase dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, no naipe feminino. Jogando pelo grupo A, o Brasil derrotou o Quênia por 3×0, garantindo a liderança da chave, com 14 pontos. Ainda pelo mesmo grupo, a República Dominicana conquistou classificação em 4º lugar, após vitória contra o Japão, em confronto direto. Fechando o rol de classificados do grupo, em 2º e 3º lugar, Sérvia e Coreia do Sul.

Pela outra chave, os Estados Unidos bateu a Itália, ficando com a liderança do grupo B. Mesmo com a derrota, as italianas terminaram na vice-liderança do grupo. As outras duas seleções classificadas da chave são o Comitê Olímpico Russo e a Turquia. Em confronto direto, a Turquia escapou do Brasil, ao derrotar as representantes russas, por 3×2, deixando o confronto nas quartas-de-final com as brasileiras para o Comitê Russo.

Em seguida ao fechamento da 1ª fase da Olimpíada de Tóquio, foram sorteados os confrontos da próxima fase. Como foi dito acima, o Brasil enfrentrará o Comitê Olímpico Russo. O vencedor desse confronto pega o vencedor do jogo entre Coreia do Sul e Turquia nas semifinais. No outro lado do chaveamento, os Estados joga contra a República Dominicana. O vencedor desse confronto pega o vencedor do jogo entre Itália e Sérvia nas semifinais.

Episódio 10

Abrindo a última rodada da fase classificatória, Sérvia e Coreia do Sul se enfrentaram pelo grupo A. Sem resistências das coreanas, a Sérvia dominou o jogo do começo ao fim, conquistando uma vitória por 3×0, com parciais de 25/18, 25/17, 25/15. Boskovic marcou 13 pontos pela Sérvia. Já a ponteira Kim marcou 9 pontos pela Coreia.

Na sequência de jogos do dia, pelo grupo B, Itália e Estados Unidos duelaram pela liderança da chave. Em partida decidida apenas no tie-break, melhor para a seleção estadunidense, com parciais de 21/25, 25/16, 25/27, 25/16, 15/12. Egonu da Itália foi a maior pontuadora do confronto com 28 pontos. Pelos Estados Unidos, Drews marcou 22 pontos.

A seleção norte-americana, líder do grupo da morte/Divulgação FIVB

Ainda pelo grupo B, Turquia e Comitê Olímpico Russo entraram em quadra valendo fugir do confronto contra o Brasil na próxima fase. Em mais um jogo decidido no set desempate, a Turquia venceu a partida, por 3×2, com parciais de 21/25, 25/23, 25/23, 15/25, 15/10. A oposta Boz foi o destaque na pontuação, com 22 pontos. Pelo Comitê Russo, Voronkova marcou 20 pontos.

Cumprindo tabela pelo grupo B, a China jogou com a Argentina, na despedida da treinadora Lang Ping. Sem sustos, as chinesas deram um presente para a campeã olímpica na quadra e como treinadora, com uma vitória por 3×0, com parciais de 25/15, 25/22, 25/19.

A técnica chinesa Lang Ping à esquerda/Divulgação FIVB

Antes do jogo do Brasil contra Quênia, em confronto direto pela última vaga nas quartas-de-final, Japão e República Dominicana jogaram pelo grupo A. Controlando os nervos, as dominicanas eliminaram da competição, a seleção anfitriã dos Jogos Olímpicos. O placar final ficou em 3×1, com parciais de 25/10, 25/23, 19/25, 25/19, a favor das dominicanas. Koga do Japão marcou 22 pontos. Rivera da República Dominicana fez 17 pontos.

ENCERRANDO 1ª FASE, BRASIL GANHA DO QUÊNIA

A central Carol foi o destaque brasileiro na partida/Divulgação FIVB

Pela última última rodada da fase classificatória, em jogo válido pelo grupo A, o Brasil passou pelo Quênia. Foi a quinta vitória consecutiva brasileira na competição. A seleção feminina está invicta. O placar final do confronto ficou em 3×0, com parciais de 25/10, 25/16, 25/8, a favor do Brasil. Com o resultado, as brasileiras confirmaram o 1º lugar da chave A. A central Carol foi a maior pontuadora do confronto com 12 pontos. Pelo Quênia, Chumba marcou 8 pontos.

Ao final do jogo, a central Carol comentou sobre a partida, em entrevista na área de imprensa. “Entramos no jogo muito determinadas e focadas no resultado. Jogamos no nosso melhor nível contra o Quênia. A vitória era fundamental e fizemos nosso trabalho. Agora zerou tudo, sabemos que o Comitê Olímpico Russo cresceu muito na competição. Vamos precisar forçar muito nosso saque e a partir de agora cada jogo é uma final”.

Na próxima fase da competição, o Brasil enfrenta o Comitê Olímpico Russo. Quem perder estará eliminado. A partida está marcada para quarta-feira, 4 de Agosto, às 9h30 da manhã, com transmissão da Tv Globo, SPORTV e BandSports. Já a seleção do Quênia deu adeus à competição, com 5 derrotas, em 5 jogos.

🇧🇷BRASIL Roberta (2), Tandara (7), Gabi (7), Garay (5), Carol (12), Carol Gattaz (6), Brait (L). Entraram: Rosamaria (6), Natália (4), Bia (5), Ana Cristina (1). Técnico: José Roberto Guimarães

🇰🇪QUÊNIA Wacu (1), Chumba (8), Kasaya (6), Moim (3), Ekaru (1), Wisah (3), Kundu (L). Entraram: Joy (0), Jepkirui (1), Chemtai (0), Lorine (1). Técnico: Luizomar de Moura

A seleção brasileira terminou a 1ª fase invicta/Divulgação FIVB

COMITÊ RUSSO SERÁ ADVERSÁRIO DO BRASIL

O Comitê Olímpico Russo será o adversário do Brasil na próxima fase do torneio feminino de vôlei dos Jogos Olímpicos de Tóquio. A definição do confronto aconteceu após a partida entre as representantes russas e a Turquia. Em jogo válido pelo grupo B, a Turquia saiu vencedora do jogo contra o Comitê Russo, por 3×2, com parciais de 21/25, 25/23, 25/23, 15/25, 15/10. Com o resultado, as representantes russas avançaram de fase em 4º lugar do grupo B. Como líder do grupo A, o Brasil precisa derrotar a frágil seleção do Quênia, pela última rodada da fase classificatória, para confirmar o duelo com o Comitê Russo nas quartas-de-final da Olimpíada de Tóquio 2020.

A ponteira Voronkova, maior pontuadora russa no jogo com a Turquia, com 20 pontos/Divulgação FIVB

DIÁRIO OLÍMPICO – episódio 9

Foi encerrada a 1ª fase dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, no naipe masculino. Jogando pelo grupo B, o Brasil derrotou a França por 3×2, garantindo a vice-liderança da chave, com 10 pontos. Ainda pelo mesmo grupo, o Comitê Olímpico Russo confirmou o 1º lugar, em vitória contra a Tunísia. Já os Estados Unidos foram eliminados pela Argentina, em confronto direto.

Pela outra chave, a Polônia bateu o Canadá, ficando com a liderança do grupo A. Os italianos terminaram em 2º lugar, após vitória sobre a Venezuela. No confronto direto entre Japão e Irã, melhor para os japoneses, que avançaram de fase, em 3º lugar do grupo. Mesmo com a derrota para os poloneses, o Canadá conseguiu a classificação para a fase de quartas-de-final.

Em seguida ao fechamento da 1ª fase da Olimpíada de Tóquio, foram os sorteados os confrontos da próxima fase. O Brasil enfrentará o Japão. O vencedor desse confronto pega o vencedor do jogo entre Comitê Russo e Canadá nas semifinais. No outro lado do chaveamento, a Polônia joga contra a França. O vencedor desse confronto pega o vencedor do jogo entre Itália e Argentina nas semifinais.

Episódio 9

Abrindo a última rodada da fase classificatória, Polônia e Canadá se enfrentaram pelo grupo A. Sem muita resistência, os poloneses dominaram o jogo do começo ao fim, o Canadá foi derrotado por 3×0, com parciais de 25/15, 25/21, 25/16. O oposto polonês fez a sua melhor partida na competição até o momento. Ele marcou 17 pontos. Pelo Canadá, Hoag fez 9 pontos.

O oposto Kurek, em seu melhor jogo na competição. até o momento/Divulgação FIVB

Após a vitória brasileira sobre a França, pelo grupo B, foi a vez do Comitê Russo jogar com a Tunísia. Sem dificuldades, em mais um jogo com amplo domínio de uma seleção, os representantes russos venceram o jogo, por 3×0, com parciais de 25/20, 25/22, 25/16. Mikhaylov foi o maior pontuador do jogo, com 15 pontos.

Na sequência da rodada, agora pelo grupo A, a Itália confirmou a vice-liderança da chave, com uma vitória tranquila sobre a Venezuela. O placar final do confronto ficou em 3×0, com parciais de 25/22, 25/15, 25/17. Em mais uma boa partida na Olimpíada, Juantorena foi o maior pontuador da Itália e do jogo, com 17 pontos. Pela Venezuela, Willner marcou 8 pontos.

Com grande atuação de Nishida, o Japão conquistou classificação para o mata-mata/Divulgação FIVB

Fechando os jogos do grupo A, Japão e Irã entraram em quadra no confronto direto por classificação para a próxima fase. Em partida decidida apenas no tie-break, os japoneses conquistaram a vitória, com parciais de 25/21, 20/25, 29/31, 25/22, 15/13. Nishida marcou 30 pontos pelo Japão. Salehi fez 26 pontos pelo Irã.

Encerrando a fase classificatória, pelo grupo B, mais um confronto direto por vaga nas quartas, dessa vez, entre Estados Unidos e Argentina. Em partida de superação, os argentinos eliminaram os norte-americanos dos Jogos Olímpicos, com uma vitória por 3×0, com parciais de 25/21, 25/23, 25/23. O ponteiro argentino Conte foi o destaque individual na pontuação, com 16 pontos.

O norte-americanos lamentam a eliminação para a Argentina/Divulgação FIVB

EM JOGAÇO, BRASIL DERROTA FRANÇA

O bloqueio brasileiro foi o destaque do jogo/Divulgação FIVB

Pela última rodada da fase classificatória dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, em partida válida pelo grupo B, o Brasil bateu a França. Em partida eletrizante, os brasileiros derrotaram os franceses, por 3×2, com parciais de 25/22, 37/39, 25/17, 21/25, 20/18. Com o resultado, o Brasil garantiu a vice-liderança do grupo B com 10 pontos. O oposto Wallace foi o maior pontuador brasileiro no confronto, com 23 pontos. O ponteiro francês Ngapeth foi o destaque da partida na pontuação com 29 pontos.

Após a partida, o levantador Bruninho comentou sobre o jogo, em entrevista na área de imprensa para o SPORTV. “Estamos numa crescente. Estou otimista e orgulhoso do time que luta o tempo inteiro. Apesar da confiança, o time sabe que ainda existem alguns pontos a serem melhorados e pedem atenção para não deixar com que jogos escapem novamente, o que pode ser fatal em uma fase eliminatória”.

Na próxima fase da competição, o Brasil enfrenta o 2º colocado ou 3º colocado do grupo A. No momento, Itália e Canadá são as seleções colocadas nessa posição. Para saber qual seleção será o adversária do Brasil é preciso esperar o sorteio da FIVB. De qualquer forma, a fase quartas-de-final da Olimpíada 2020 acontece na próxima terça-feira, 3 de Agosto, em Tóquio.

O entrosamento entre Bruninho e Lucão foi outro ponto alto da partida/Divulgação FIVB

O JOGO

O Brasil começou o jogo errando muito no saque. Quando o seu serviço entrou, o bloqueio apareceu. A virada de bola brasileira era eficiente. O volume de jogo das duas seleções era grande. Forçando muito no serviço, sem resultado, a França apostava no saque híbrido. O central Lucão era o destaque do Brasil no jogo. Sem saída, a França apostou na inversão de 5×1. Sem alternativa, com 4 pontos de desvantagem no placar, a França foi para o tudo ou nada no serviço, perdendo a primeira parcial para o Brasil.

A segunda parcial começou com erros de ataque das duas seleções. Aos poucos, a virada de bola da França melhorou. Os franceses venciam os rallys. O Brasil perdeu a sua concentração. Com acerto no serviço, os brasileiros voltaram para o jogo. Os levantadores das duas seleções davam show de distribuição e variação, trocando bolas no ataque. Os franceses eram melhores do que os brasileiros. Douglas Souza entrou no jogo. Os brasileiros conseguiram empatar o set no bloqueio. O Brasil fez uma inversão de 5×1. As duas seleções eram eficientes na virada de bola. A França teve 12 set points. O 2º set durou mais de 50 minutos, com 39/37 para a França.

O Brasil voltou melhor na terceira parcial. Com muito volume jogo, superior ao da França, os brasileiros aproveitavam todos os contra-ataques. A distribuição de Bruninho era perfeita, recolocando Leal no jogo. O entrosamento dele com Lucão foi o destaque na virada de bola. O bloqueio francês estava perdido. O Brasil jogava tão bem, que obrigou o técnico francês a trocar várias de suas peças. No fim, vitória brasileira, por 25/17.

No 4º set, o Brasil manteve o seu ritmo, abrindo 5 pontos de vantagem no placar. A França reagiu com muito volume de jogo. Os brasileiros tiveram alguns apagões, em momentos importantes da parcial. Os franceses sacavam melhor do que o Brasil. Até aquele momento, a diferença da partida estava no número de erros no serviço. Dessa vez, portanto, contra o Brasil. A França conseguiu fechar a parcial em 25/21 e o jogo foi para o tie-break.

No set desempate, novamente, o Brasil abriu vantagem considerável no placar e permitiu a reação da França. O jogo era eletrizante com momentos de suspense nos pedidos de desafio. Mais uma vez, os erros no serviço foram decisivos. As duas seleções tiveram várias chances de match point. No fim, com 20/18, deu Brasil.

🇧🇷BRASIL Bruninho (3), Wallace (23), Leal (20), Lucarelli (21), Lucão (19), Maurício Souza (7), Thales (L). Entraram: Maurício Borges (0), Cachopa (0), Alan (1), Douglas Souza (2). Técnico: Renan Dal Zotto

🇫🇷FRANÇA Toniutti (0), Patry (22), Ngapeth (29), Clevenot (16), Le Goff (9), Chinenyeze (8), Grebennikov (L). Entraram: Brizard (1), Boyer (3), Loauti (1), Bultor (0), Tillie (1). Técnico: Laurent Tillie

O coletivo brasileiro funcionou no ataque/Divulgação FIVB

DIÁRIO OLÍMPICO – episódio 8

Pela 1ª fase dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, em jogo da 4ª rodada do torneio feminino, o Brasil derrotou a Sérvia, praticamente garantindo a liderança da chave A. Ainda pelo mesmo grupo, República Dominicana e Coreia do Sul também venceram os seus jogos. Pela outra chave, a atual campeã olímpica China foi eliminada, por uma combinação de resultados. Os classificados do grupo foram definidos: Itália, Estados Unidos, Comitê Russo e Turquia. Confira os detalhes da 4ª rodada.

Episódio 8

Abrindo o 4º dia de competições do naipe feminino, dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, República Dominicana e Quênia entraram em quadra na Ariaki Arena, pelo grupo A. Sem dificuldades, as dominicanas venceram o seu primeiro jogo na competição, pelo placar de 3×0, com parciais de 25/19, 25/18, 25/10. A central Eve foi a maior pontuadora do jogo, com 13 pontos.

Na sequência do dia, o Comitê Olímpico Russo quebrou a invencibilidade dos Estados Unidos, em jogo válido pelo grupo B. Com grande atuação no serviço e no bloqueio, as representantes russas bateram a seleção norte-americana, por 3×0, com parciais de 25/20, 25/12, 25/19. Goncharova foi o destaque individual com 26 pontos. A nota triste foi a contusão da oposta norte-americana Thompson durante a segunda parcial. Ela saiu do jogo, sendo substituída por Drews.

A oposta Thompson torceu o tornozelo/Divulgação FIVB

Ainda pelo grupo B, com a derrota dos Estados Unidos, uma vitória da Turquia contra a Argentina, eliminaria a China dos Jogos Olímpicos. Com alguma dificuldade nas duas primeiras parciais, a seleção turca venceu a Argentina, por 3×0, com parciais de 25/23, 25/20, 25/18. A ponteira Baladin marcou 14 pontos, sendo a maior pontuadora do jogo.

Após a vitória do Brasil contra a Sérvia, pelo grupo A, Japão e Coreia do Sul disputaram o clássico asiático. Após um começo titubeante, as japonesas conseguiram equilibrar as ações contra as coreanas, mas foram derrotadas no tie-break. O placar final do confronto ficou em 3×2, com parciais de 25/19, 19/25, 25/22, 15/25, 16/14, a favor das coreanas. Recuperada de contusão, Koga do Japão marcou 27 pontos. Pela Coreia, Kim marcou 30 pontos.

A japonesa Koga, recuperada de contusão, marcou 27 pontos, contra a Coreia/Divulgação FIVB

Fechando a rodada, pelo grupo B, mesmo eliminada, a China conquistou sua primeira vitória nos Jogos Olímpicos, quebrando a invencibilidade da Itália na competição. Sem Zhu, as chinesas venceram o jogo, por 3×0, com parciais de 25/21, 25/20, 26/24. Mesmo com o revés, Egonu da Itália foi a maior pontuadora do confronto, com 18 pontos.

A seleção chinesa comemorou como nunca a sua única vitória até o momento/Divulgação FIVB

AS CHANCES DE CLASSIFICAÇÃO NA 1ª FASE

Começa hoje a última rodada da 1ª fase dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Nos dois naipes, o Brasil já garantiu classificação para a fase eliminatória da competição. Entre as mulheres, o Brasil praticamente consolidou a liderança do grupo A. Entre os homens, a posição final do grupo B ainda está em aberto. Ainda estão em jogo, a classificação de outras seleções para a próxima fase, tanto no feminino, quanto no masculino.

No momento, no naipe masculino, os brasileiros estão em 2º lugar da chave, com 3 vitórias e 1 derrota, com 8 pontos. Para não avançar de fase em 4º lugar, fugindo do confronto com a Polônia, o Brasil precisa vencer a França na noite de hoje. Caso saia derrotado, por 3×0 ou 3×1, os brasileiros dependerão do resultado do jogo entre Argentina x EUA. Se perder por 3×2, com vitória dos Estados Unidos, por 3×0 ou 3×1, a ordem de classificação será decidida no point average com a França.

Já a situação no naipe feminino é um pouco mais confortável. Após a vitória sobre a Sérvia, atual campeã mundial, o Brasil necessita apenas vencer a frágil seleção africana do Quênia. Confirmando o favoritismo, as brasileiras avançarão de fase, em 1º lugar do grupo A. Ficando no aguardo para conhecer o seu adversário nas quartas-de-final, que vira do embolado grupo B.

Definição de vagas

Como foi dito acima, ainda estão em aberto, vagas para a fase eliminatória dos Jogos Olímpicos. Na categoria feminina, pelo grupo A, o Japão, anfitrião dos Jogos, briga pela 4ª vaga da chave, no confronto direto contra a República Dominicana. Quem perder estará fora da Olimpíada. A partida decisiva está marcada para segunda-feira, 2 de Agosto, às 7h40 da manhã.

No outro grupo dos Jogos de Tóquio, os 4 classificados já são conhecidos, após uma combinação de resultados, na 4ª rodada, que eliminou qualquer chance da China. Falta definir as posições da chave. Como no grupo A, teremos dois confrontos diretos. Um pela liderança, entre Itália e Estados Unidos. Outro, que definirá o adversário do Brasil, entre Turquia e Comitê Olímpico Russo.

Se a Turquia derrotar as representantes russas, o Comitê Russo ou os Estados Unidos será o adversário do Brasil. Caso as turcas sejam derrotadas, o Comitê Russo foge do Brasil, e ainda tem chances de liderar o grupo. Para isso, precisa contar com uma derrota da Itália contra os Estados Unidos, pelo mesmo placar de sua vitória contra a Turquia. Já se a Itália vencer, será líder da chave. Os Estados Unidos ficarão em 1º com uma vitória sobre a Itália, combinada de derrota do Comitê Russo.

Masculino

Já na categoria masculina, pelo grupo A, Japão e Irã brigam pela última vaga nas quartas-de-final, em confronto direto. Quem vencer deve ficar em 3º lugar do grupo. Isso porque o 3º colocado da chave, Canadá, terá pela frente a Polônia, favorita ao ouro olímpico. Só uma vitória garante o 3º lugar para os canadenses e a liderança do grupo para os poloneses.

Pelo grupo do Brasil, franceses, argentinos e norte-americanos estão embolados. A França precisa de dois sets para garantir a classificação. Já a Argentina e os Estados Unidos se enfrentam no confronto direto pela vaga. Se os Estados Unidos vencer, a Argentina estará eliminada. Se a Argentina ganhar, os Estados Unidos estarão eliminados.

BRASIL ENCAMINHA LIDERANÇA NA CHAVE

A oposta Tandara fez sua melhor partida na competição, até o momento/Divulgação FIVB

Pelos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020, em jogo válido pela 4ª rodada do grupo A, do torneio de vôlei feminino, o Brasil bateu a atual campeã mundial. Jogando na Arena Ariaki, contra a Sérvia, as brasileiras saíram de quadra com uma importante vitória por 3×1, com parciais de 25/20, 25/16, 23/25, 25/19. A oposta Tandara foi a maior pontuadora brasileira no jogo com 19 pontos. Pela Sérvia, Boskovic marcou 32 pontos. Com o resultado, o Brasil encaminhou a liderança do grupo A. Com uma vitória no próximo jogo garante o 1º lugar.

Ao final do jogo, o destaque do Brasil no confronto, a oposta Tandara, comentou sobre a vitória na área de imprensa. “Estamos mostrando como o nosso grupo é forte. Tenho que agradecer as jogadoras por todo o apoio que tenho recebido. A Olimpíada é um campeonato de tiro curto e precisamos de todas as 12 jogadoras. Treinei muito para esse momento e hoje joguei mais confiante. Agora é pensar nos próximos desafios”.

O adversário brasileiro da última rodada da 1ª fase será a seleção africana do Quênia. A partida está marcada para segunda-feira, 2 de Agosto, às 9h45 da manhã, com transmissão da Tv Globo, SPORTV e BandSports. Já a seleção da Sérvia, enfrenta a Coreia do Sul, no Domingo, 1º de Agosto, às 21h.

A levantadora Roberta surpreendeu o bloqueio sérvio/Divulgação FIVB

O JOGO

Brasileiras e sérvias começaram a partida emparelhadas no placar. O Brasil abriu frente no marcador explorando a fragilidade da linha de passe da seleção europeia. Em contrapartida, a Servia cometia muitos erros no serviço. A oposta Tandara estava inspirada. O bloqueio sérvio tinha dificuldades com o jogo da levantadora Roberta. As sérvias pareciam desinteressadas. Nem mesmo o aproveitamento no ataque de Boskovic foi capaz de parar o Brasil.

Na segunda parcial, as brasileiras realizaram seu melhor set no jogo. Com amplo domínio, principalmente, pelo volume de jogo, o Brasil obrigou o técnico da Sérvia a trocar sua peças. A ponteira Mihajlovic foi para o banco. Ao que parece ainda não ganhou ritmo de jogo, após contusão. Ele ainda fez uma troca simples de levantadora e central. Não adiantou muito, porque a Sérvia continuo errando demais.

Na terceira parcial, as brasileiras perderam eficiência no ataque. O bloqueio sérvio melhorou a leitura do jogo da levantadora Roberta. A Sérvia ainda se ajustou no fundo de quadra, pontuando mais em contra-ataques, pela primeira vez no jogo, mais do que o Brasil. Além disso, errou menos. Resultado: o jogo foi para o 4º set.

Na última parcial do jogo, a disputa se deu ponto a ponto, até pouco mais da metade do set. O Brasil começou a amortecer os ataques de Boskovic, além de pará-la no bloqueio, por três vezes. A Sérvia fez novas modificações, com mais um entra e sai, mas não resolveu a situação porque a rede encalhou. O Brasil aproveitou a situação, abriu uma vantagem de 5 pontos e fechou o jogo em 3×1.

🇷🇸SÉRVIA Ognjenovic (1), Boskovic (32), Milenkovic (9), Mihajlovic (3), Rasic (5), Aleksic (3), Popovic (L). Entraram: Busa (10), Popovic (2), Mirkovic (0). Técnico: Zoran Terzic

🇧🇷BRASIL Roberta (4), Tandara (19), Garay (17), Gabi (12), Carol (10), Carol Gattaz (10), Brait (L). Entraram: Natália (0), Rosamaria (0), Ana Cristina (0). Técnico: José Roberto Guimarães

A seleção brasileira em conjunto/Divulgação FIVB

DIÁRIO OLÍMPICO – episódio 7

Pela 1ª fase da Olimpíada de Tóquio 2020, em jogo válido pela 4ª rodada do torneio masculino, o Brasil se recuperou da derrota na rodada anterior, vencendo o Estados Unidos, pelo grupo B, conquistando classificação antecipada. Ainda pela mesma chave, Argentina e França também venceram os seus jogos e estão no páreo. Pelo grupo A, Itália e Polônia venceram e também já estão classificadas. Confira os detalhes da 4ª rodada.

Episódio 7

Abrindo o 4º dia de competições do vôlei masculino, Canadá e Venezuela entraram em quadra na Ariaki Arena, em Tóquio, pelo grupo A. Sem sustos, a Venezuela até ameaçou alguma reação na segunda parcial, o Canadá venceu o confronto, por 3×0, com parciais de 25/13, 25/22, 25/12. Hoag do Canadá foi o maior pontuador com 16 pontos. Pela Venezuela, Fayola marcou 9 pontos.

Logo após a vitória brasileira sobre os Estados Unidos, Polônia e Japão se enfrentam, em mais um jogo do grupo A. Os japoneses deram trabalho para a Polônia, mas pecaram nos momentos decisivos. O placar final do confronto ficou em 3×0, com parciais de 25/22, 25/21, 26/24. Leon da Polônia marcou 17 pontos. Ishikawa do Japão marcou 16 pontos.

O levantador polonês Drzyzga em destaque/Divulgação FIVB

Na sequência da rodada, agora pelo grupo B, a Tunísia quase aprontou uma zebra para cima da Argentina. Os tunisianos fizeram 2×0 no placar, com duplo 25/23. Os argentinos correram atrás do prejuízo levando o jogo para o tie-break, com 25/19, 25/18. No set desempate prevaleceu a experiência dos argentinos, que fecharam a partida com 15/8.

O oposto tunisiano Ben Tara, deu trabalho para os argentinos/Divulgação FIVB

Fechando os jogos da rodada do grupo A, Itália e Irã disputaram o jogo mais equilibrado dessa chave no dia. Já com bom ritmo de jogo, a Itália estava sofrendo para encontrar seu jogo, os italianos bateram os iranianos, em partida parelha, por 3×1, com parciais de 30/28, 25/21, 21/25, 25/21. Mais uma vez nos Jogos, Juantorena foi o destaque italiano com 20 pontos.

Encerrando o dia de competições, pelo grupo B, a partida mais esperada da rodada: Comitê Olímpico Russo contra França. Como dito mais cedo no blog, os franceses realizaram sua melhor partida nos Jogos, até o momento, com show de Ngapeth, e estão próximo da classificação inédita na história da Olimpíada.

O ponteiro francês Ngapeth/Divulgação FIVB