SELEÇÃO MASCULINA ANUNCIA AMISTOSOS

Na tarde desta quinta-feira, 13 de Maio, a Confederação Brasileira de Vôlei anunciou três amistosos do Brasil contra a Venezuela, como parte da preparação para a disputa da Liga das Nações 2021. A seleção brasileira masculina enfrentará os venezuelanos na próxima semana, nos dias 21, 22 e 23 de Maio. As partidas estão marcadas para a Arena Carioca 3, no Parque Olímpico, no Rio de Janeiro. Todos os jogos serão transmitidos pelo SPORTV 2. O jogo do dia 23 também terá exibição em sistema aberto, na TV Globo, às 10h da manhã.

Em virtude da ausência do técnico Renan, que está em recuperação da COVID-19, o Brasil será comandando pelo assistente Carlos Schwanke. A decisão pelo comando foi tomada em conjunto, de acordo com a gerente de seleções da CBV, Júlia Silva. Em conversa com a assessoria da CBV, Schwanke disse estar satisfeito com a oportunidade de realização dos amistosos.

“Estamos em uma fase muito importante da preparação. Agora com o grupo completo podemos ter a real situação em que todos se encontram fisicamente. Trabalho técnico e tático evoluindo bem durante as semanas. Acredito que os amistosos vão servir para nortear ainda mais a comissão técnica e preparar para o início da VNL. Os jogos amistosos serão muito importantes para dar oportunidade para todos jogarem”.

Amistosos do Brasil

21/05 19:00 Brasil x Venezuela SPORTV 2

22/05 17:00 Brasil x Venezuela SPORTV 2

23/05 10:00 Brasil x Venezuela SPORTV 2 e TV Globo

A CONVOCAÇÃO DE RENAN DAL ZOTTO

Com o anúncio da convocação de Leal e Lucarelli, na semana passada, aparentemente, Renan Dal Zotto encerrou a lista de jogadores chamados para a disputa da Liga das Nações 2021 e das Olimpíadas de Tóquio. A boa notícia, é a recuperação do técnico Renan Dal Zotto. Ele está internado com COVID desde o mês de Abril. Depois de um período entubado, Renan está com o quadro clínico estável, segundo nota da CBV. Ainda segundo a mesma fonte, ele perguntou sobre os treinamentos da seleção brasileira. Os trabalhos em Saquarema estão sendo dirigidos pelos auxiliares Carlos Schwanke e Ricardo Tabachi.

Neste momento, é difícil prever sobre a presença de Renan na “bolha” de Rimini, na Itália, dirigindo o Brasil na Liga das Nações 2021. Para isso, ele precisa estar totalmente recuperado, em no máximo duas semanas. Sem ele, nas primeiras semanas de competição, provavelmente o Brasil será dirigido por um dos auxiliares técnicos. Além disso, sem a presença de Renan, existe o temor da seleção brasileira perder a oportunidade de ajustar a equipe para as Olimpíadas de Tóquio, durante um torneio de alto nível como a Liga das Nações.

Durante o último ciclo olímpico (2017 em diante), a seleção brasileira masculina alcançou o ápice da preparação na Copa do Mundo 2019. O Brasil conquistou o seu terceiro título na história da competição. Com o adiamento dos Jogos Olímpicos, devido a pandemia da COVID – 19, os jogadores da seleção ficaram muito tempo sem jogar juntos. Com certeza, de alguma forma, haverá perda técnica. Porém, isso vale para todas as seleções. Por isso, a importância da Liga das Nações 2021 para recuperação do ritmo e o entrosamento dos jogadores.

Convocação

Além dos ponteiros Leal e Lucarelli, já haviam sido convocados para defender o Brasil na temporada 2021, os seguintes atletas: os levantadores Bruninho, Cachopa, Carísio, os centrais Flávio, Maurício Souza, Lucão, Isac, Matheus Pinta, os opostos Wallace, Alan, Filipe Roque, os líberos Thales e Maique, e os ponteiros Douglas Souza, Maurício Borges, João Rafael, Vaccari e Rodriguinho. Segundo fontes da imprensa, a temporada da seleção brasileira masculina começa com uma série de amistosos contra a Argentina, no CDV, em Saquarema, na segunda quinzena de Maio.

A CONVOCAÇÃO DE JOSÉ ROBERTO GUIMARÃES

Com o anúncio da convocação de Gabi, na última quinta-feira, 6 de Maio, aparentemente, José Roberto Guimarães encerrou a lista de jogadoras chamadas para a disputa da Liga das Nações 2021 e das Olimpíadas de Tóquio. A má notícia, amplamente divulgada ao final da Superliga 2020/2021, foi o pedido de dispensa da central Thaísa do Minas. Em entrevista ao Bola da Vez, da ESPN, ela alegou dores no joelho para comunicar o pedido ao técnico José Roberto.

Ao que parece, os problemas para Zé Roberto ainda não terminaram. Nesta sexta-feira, 7 de Maio, foi publicado pelo Blog do Voloch do jornal O Tempo e também pelo Webvolei, que a ponteira Natália fraturou o dedo mindinho da mão esquerda. A jogadora confirmou a informação em suas redes sociais.

Segundo o Blog do Voloch, Natália ficará de fora da Liga das Nações 2021, disputada na “bolha” de Rimini, na Itália. Ela passará por uma pequena cirurgia. A informação não foi confirmada pela assessoria da CBV. A recuperação de Natália está prevista para cinco semanas. Segundo a CBV, Natália desfalcará o Brasil por duas semanas.

Não é novidade para José Roberto, a dificuldade em colocar em quadra o seu time ideal. Durante todo o último ciclo olímpico (2017 em diante), a seleção brasileira feminina de vôlei encontrou problemas para dar entrosamento e ritmo de jogo para as suas principais peças. Dá para contar nos dedos, as vezes em que José Roberto Guimarães conseguiu escalar o time “titular” do Brasil. Às vésperas das Olimpíadas, isso pode complicar ainda mais a situação.

Além disso, a definição dos doze nomes da lista final dos Jogos Olímpicos, deve acontecer após o período de testes da Liga das Nações 2021. Sem poder contar com todas as atletas, na VNL 2021, o técnico José Roberto Guimarães poderá ter problemas na definição da lista dos Jogos. Há disputa por posição no meio, nas vagas reservas de levantamento e da saída de rede.

Além da ponteira Gabi, já haviam sido convocadas para defender o Brasil na temporada 2021, as seguintes atletas: as levantadoras Roberta, Dani Lins, Macris, as centrais Carol, Carol Gattaz, Adenízia, Bia, Mayany, as opostas Tandara, Lorenne, Sheilla, as líberos Camila Brait e Nyeme, a ponta/oposta Rosamaria, e as ponteiras Fernanda Garay, Natália e Ana Cristina. De acordo com fontes da mídia, a temporada da seleção brasileira feminina começa com uma série de amistosos contra Argentina, no CDV, em Saquarema, no próximo dia 16.

FIVB ANUNCIA SEDE DA LIGA DAS NAÇÕES 2021

Na última sexta-feira, 12 de Março, a FIVB anunciou a cidade de Rimini, na Itália, como sede da Liga das Nações 2021. A escolha é válida para os dois naipes. Além disso, a competição será disputada no formato de “bolha”. O objetivo é resguardar a segurança sanitária das seleções durante o período do evento.

Ao todo, em 32 dias, 124 partidas acontecerão, em cada naipe. O torneio feminino começa no dia 25 de Maio indo até 25 de Junho. O torneio masculino inicia no dia 28 de Maio indo até 27 de Junho. Na fase classificatória, cada seleção realizará 15 partidas. Os quatro melhores de cada naipe disputam as finais, no sistema de “cruzamento olímpico”.

Na última edição da Liga das Nações, em 2019, o Brasil ficou com a medalha de prata no feminino e em 4º lugar no masculino. Os Estados Unidos são os atuais bicampeões da competição na categoria feminina. A Rússia é a atual bicampeã na categoria masculina.

FIVB ANUNCIA LIGA DAS NAÇÕES EM FORMATO DE BOLHA

Na última terça-feira, 26 de Janeiro, a Federação Internacional de Vôlei (FIVB) anunciou que a Liga das Nações 2021 será disputada em formato de bolha. A ideia foi aprovada pelo conselho da entidade. Não há definição sobre a sede do evento, nos dois naipes. A FIVB ainda pretende abrir negociação com os países interessados em receber a VNL 2021.

Segundo a nota da federação, o formato de bolha foi escolhido para garantir a organização do evento e a saúde de todos os envolvidos, em virtude da pandemia do coronavírus. A sede do evento acomodará as 16 seleções de cada naipe, com testes frequentes de detecção do vírus nos atletas. A fórmula original da Liga das Nações será preservada com partidas da 1ª fase e finais no mesmo local.

Bolha

A decisão da FIVB em organizar a sua principal competição anual em formato de bolha chega com um ano de atraso. Em 2020, essa foi a solução encontrada pela NBA – liga profissional de basquete americano, para não paralisar a sua competição, devido ao COVID-19. Era perfeitamente possível para a FIVB, realizar a Liga das Nações 2020 nesse formato, que não é nenhuma novidade.

Em 2003, a mesma FIVB, em meio a um grave surto de gripe na Ásia, tão quanto o coronavírus, promoveu o Grand Prix na Itália, ao invés de realizar o evento no continente asiático. O formato da competição não foi mantido como pretende a FIVB para a VNL 2021, porém realizado com sede única para 1ª fase e finais, como pretendido no formato de bolha. Deu tão certo que a Itália sediou as finais do evento no ano seguinte. Portanto, comprovando que, a solução encontrada para a VNL 2021 poderia ter ocorrido na edição do ano passado, não fosse a má vontade política.