SÉRVIA É CAMPEÃ EUROPEIA TAMBÉM NO MASCULINO

No último domingo, em Paris, a seleção masculina de vôlei da Sérvia conquistou o título do Europeu 2019. Pela segunda vez na história, a Sérvia ganhou o ouro na competição. Anteriormente, os sérvios foram campeões em 2011. Em 2019, na decisão, a seleção da Sérvia derrotou a surpreendente Eslovênia, de virada, por 3×1, com parciais de 19/25, 25/16, 25/18, 25/20. O ponteiro Uros Kovacevic foi eleito o MVP – melhor jogador do campeonato. Completou o pódio do torneio, na 3ª posição, a seleção polonesa que bateu a França, na disputa do bronze, pelo placar de 3×0.

O sérvio Kovacevic, melhor jogador do Europeu 2019/Divulgação CEV

IRÃ É TRICAMPEÃO ASIÁTICO

No último sábado, 21 de Setembro, em Teerã, no Irã, a seleção iraniana masculina de vôlei sagrou-se campeã asiática. Foi o terceiro título do Irã na história da competição. Anteriormente, os iranianos também conquistaram o continente em 2011 e 2013. Em 2019, na decisão, a seleção iraniana derrotou os australianos por incontestáveis 3×0, com parciais de 25/14, 25/17, 25/21. Completou o pódio do torneio, na 3ª posição, a seleção japonesa. Na disputa do bronze, o Japão venceu a Coréia do Sul, por 3×1, com parciais de 25/23, 25/17, 23/25, 25/22.

BRASIL MANTÉM HEGEMONIA NO CONTINENTE

A seleção brasileira masculina de vôlei manteve a hegemonia no Campeonato Sul-Americano. Jogando em Santiago, no Chile, o Brasil conquistou o 32º título da competição. Na decisão, a seleção masculina derrotou a Argentina, no tie-break, após reverter uma desvantagem de 2×0 no placar. A única vez em que os brasileiros não foram campeões sul-americanos foi em 1964, quando não participaram do torneio por problemas políticos. O oposto do Brasil Alan foi eleito MVP do campeonato. Completou o pódio do Sul-Americano 2019, na 3ª posição, a seleção chilena, depois de bater a Venezuela por 3×0, na disputa do bronze.

Ao fim do jogo, o ponteiro Douglas Souza, responsável pelo ponto do título, conversou com a assessoria da CBV sobre a conquista. “Sabíamos que seria um jogo difícil, uma final do Sul-Americano sempre é difícil e muito importante para o nosso time, quanto mais contra a Argentina. Para o nosso time, que é muito novo, foi importante adquirir essa grande experiência e saímos com mais energia ainda para os próximos desafios”.

SELEÇÃO DO SUL-AMERICANO 2019

A seleção do Campeonato Sul-Americano 2019 foi composta pelo levantador argentino Sánchez, o oposto argentino Lima, os central chileno Araya e o central brasileiro Flávio, o ponteiro Leal do Brasil e o ponteiro Bonacic do Chile, e o líbero argentino Danani.

A CAMPANHA DO TÍTULO

Fase de grupos

10/09 Brasil 3×0 Equador 25/10, 25/16, 25/14

11/09 Brasil 3×0 Colômbia 25/15, 25/10, 25/17

12/09 Brasil 3×1 Argentina 25/23, 25/21, 18/25, 25/21

Semifinal

13/09 Brasil 3×0 Chile 25/16, 25/17, 25/21

Final

14/09 Brasil 3×2 Argentina 24/26, 22/25, 31/29, 25/20, 15/13

A comemoração do título/Maurício Palma/Fevochi

O SUL-AMERICANO MASCULINO

Começa hoje no Chile, nas cidades de Santiago e Temuco, o Sul-Americano Masculino de vôlei. O Brasil defende uma hegemonia histórica na competição. Em toda às vezes que disputou o torneio, a seleção brasileira masculina nunca perdeu o campeonato. Foram 31 títulos, em 32 edições. A exceção se deu em 1964, quando o Brasil não participou do Sul-Americano por problemas políticos. Naquele ano, a seleção da Argentina foi a campeã do continente, em Buenos Aires.

2019

Participam do Campeonato Sul-Americano 2019, oito seleções divididas em dois grupos. O Brasil está no grupo A, ao lado de Equador, Colômbia e Argentina. O outro grupo é formado por Chile, Venezuela, Peru e Bolívia. Os dois primeiros de cada chave avançam de fase. A estreia brasileira acontece nessa terça-feira, 10 de Setembro, às 22h, hora de Brasília, contra o Equador.

O técnico Renan Dal Zotto poupou do Sul-Americano alguns de seus principais jogadores. Entre eles: Bruninho, Lucarelli, Maurício Souza, Maurício Borges e Lucão. Todos eles ficaram em Saquarema treinando para a Copa do Mundo. O oposto Wallace já havia pedido dispensa para cuidar da família e não joga mais esse ano pelo Brasil. O objetivo da medida é dar rodagem e testar jovens promessas.

Foram convocados para o Sul-Americano 2019, por Renan Dal Zotto, os seguintes atletas: os levantadores Cachopa e Carísio, os opostos Alan e Filipe Roque, os centrais Flávio, Isac, Matheus Bispo e Cledenilson, os ponteiros Leal, Douglas Souza, Hugo e Victor Birigui, e os líberos Thales e Maique.

Competição

A cada nova edição do Sul-Americano de vôlei masculino cresce a ameaça ao predomínio brasileiro na competição. Em 2017, a esperada final com a Argentina não ocorreu. Isso mostra que o nível do voleibol jogado no continente aumenta paulatinamente. Não são apenas os argentinos que podem nos oferecer resistência. Venezuela e Chile já estão no radar.

A julgar pelo fato de Brasil e Argentina pouparem seus principais jogadores da competição, tudo pode acontecer. Claro, as duas seleções são as principais favoritas. No entanto, a Venezuela de Rodriguez e o Chile dos irmãos Parraguirre estão evoluindo. E é bom lembrar que Venezuela ou Chile estarão nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020, pois brasileiros e argentinos já estão classificados.

Dada a conjuntura, o que se espera do Brasil no Sul-Americano é a afirmação de jovens promessas como Victor Birigui, um ganho maior de entrosamento de Leal com a seleção, além da manutenção da hegemonia histórica no continente.

A tabela do Sul-Americano 2019

10/09 Grupo A 22:00 Brasil x Equador

11/09 Grupo A 22:00 Brasil x Colômbia

12/09 Grupo A 16:00 Brasil x Argentina

13/09 Semifinal 1 19:30

13/09 Semifinal 2 21:30

14/09 Final 21:30

APÓS 8 ANOS, CUBA VENCE CAMPEONATO CONTINENTAL

No último final de semana, em Winnipeg, no Canadá, a seleção cubana masculina de vôlei sagrou-se campeã continental da região da Norceca. Foi o primeiro título de Cuba na competição do continente após um jejum de 8 anos. Ainda em 2019, no mês de Agosto, os cubanos conquistaram a Norceca Champions Cup e levaram a medalha de prata no Pan de Lima.

Na decisão do campeonato continental da Norceca, contando com o reforço do central Simon, reintegrado ao país, Cuba derrotou o time B dos Estados Unidos por 3×1, com parciais de 25/18, 21/25, 25/20, 25/20. Foi uma revanche do revés da 1ª fase, quando os americanos venceram por 3×0. O ponteiro cubano López foi eleito MVP da competição.

Completou o pódio do torneio, na 3ª posição, a seleção canadense. Jogando em casa, com o time considerado titular, o Canadá bateu o México, na disputa do bronze, pelo placar máximo, com parciais de 25/14, 25/18, 25/12.

SÉRVIA É TRICAMPEàEUROPEIA

A seleção feminina de vôlei da Sérvia conquistou o título do Campeonato Europeu 2019. Pela terceira vez na história, a Sérvia ganhou a medalha de ouro na competição, a segunda de forma consecutiva. Anteriormente, a atual campeã mundial da modalidade, foi campeã europeia em 2011 e 2017. Completou o pódio do torneio, na 3ª posição, a seleção italiana que venceu a Polônia na disputa do bronze.

GRANDE FINAL

Jogando em Ankara, na Turquia, na grande final de 2019, a seleção da Sérvia derrotou a seleção turca de virada, no tie-break, com parciais de 21/25, 25/21, 25/21, 22/25, 15/13. A oposta Boskovic da Sérvia foi a maior pontuadora da decisão com 23 pontos. Ela ainda foi eleita MVP do Europeu 2019. Foi a segunda premiação consecutiva dela no campeonato. Em 2017, Boskovic também foi escolhida como melhor jogadora da competição.

A CAMPANHA DO TÍTULO

Fase de grupos

23/08 Sérvia 3×0 Finlândia 25/17, 25/15, 25/17

25/08 Bulgária 1×3 Sérvia 25/16, 21/25, 20/25, 16/25

26/08 França 1×3 Sérvia 19/25, 13/25, 25/17, 23/25

28/08 Sérvia 3×0 Grécia 25/21, 25/17, 25/21

29/08 Turquia 1×3 Sérvia 25/23, 19/25, 22/25, 22/25

Oitavas-de-final

01/09 Sérvia 3×0 Romênia 25/20, 25/17, 25/23

Quartas-de-final

04/09 Sérvia 3×0 Bulgária 25/19, 25/18, 28/26

Semifinal

07/09 Sérvia 3×1 Itália 25/22, 25/21, 21/25, 25/20

Final

08/09 Sérvia 3×2 Turquia 21/25, 25/21, 25/21, 22/25, 15/13

TURQUIA É FINALISTA DO EUROPEU PELA 2ª VEZ

Em jogo válido pelas semifinais do Campeonato Europeu feminino de vôlei 2019, jogando dentro de casa, em Ankara, a Turquia derrotou a Polônia e garantiu classificação para a final da competição contra a Sérvia. Está é a segunda vez na história que a seleção turca feminina chega a decisão do Europeu. Em 2003, também em Ankara, a Turquia perdeu o título para a Polônia e ficou com a medalha de prata.

Nos últimos anos, pelo Europeu, as turcas estiveram muito próximas das finais. Nas edições de 2015 e 2017, a seleção turca disputou o bronze por duas vezes consecutivas contra a Sérvia e o Azerbaijão, respectivamente. O saldo final foi o 4º lugar em 2015 e o 3º lugar em 2017. Em 2011, a Turquia também foi medalha de bronze, após derrotar a Itália no tie-break.

No jogo em que selou a passagem para a final, nesse sábado, a Turquia superou a Polônia por 3×1, com parciais de 25/17, 25/16, 14/25, 25/18. A central Eda Erdem foi a maior pontuadora do confronto com 19 pontos. Pelo lado polonês, a oposta Smarzek anotou 18 pontos.

A grande final do Europeu 2019 acontece neste domingo, 8 de setembro, a partir das 13h30. A disputa de bronze entre Itália e Polônia ocorre mais cedo, às 10h.

SÉRVIA BATE ITÁLIA E ESTÁ NA DECISÃO DO EUROPEU

A seleção feminina de vôlei da Sérvia conquistou a classificação para a decisão do título europeu de 2019. Esta é a segunda final consecutiva na competição. Em 2017, a Sérvia foi campeã derrotando a Holanda, em Baku, no Azerbaijão. Caso vença novamente, o time sérvio será tricampeão europeu. Além de 2017, a Sérvia foi campeã europeia em 2011.

No duelo em que avançou para a grande final do Europeu 2019, as servias bateram a Itália pelo placar de 3×1, com parciais de 25/22, 25/21, 21/25, 25/20, na reedição da final do Mundial 2018, no Japão. Na ocasião, a Sérvia foi campeã mundial pela primeira vez, após derrotar a seleção italiana no tie-break.

No jogo de hoje, disputado em Ankara, na Turquia, a italiana Paola Egonu foi a maior pontuadora do confronto com 26 pontos. Pelo lado sérvio, Boskovic anotou 22 pontos. Na grande final da competição, a Sérvia enfrenta a Turquia pelo título, neste domingo. Já a Itália joga com a Polônia valendo o bronze.

AS SEMIFINAIS DO EUROPEU FEMININO

Começa hoje a fase final do Campeonato Europeu de Vôlei Feminino 2019. Pela semifinal da competição, a atual campeã Sérvia enfrenta a seleção italiana, em Ankara, na Turquia. No outro confronto válido pela mesma etapa do torneio, as anfitriãs turcas duelam com a Polônia por uma vaga na decisão. Os dois jogos ocorrem nesse sábado, com transmissão da ESPN extra, a partir das 11h.

Para conquistar a classificação para essa fase, a Sérvia eliminou a Bulgária nas quartas-de-final por 3×0, com parciais de 25/19, 25/18, 28/26. A oposta Boskovic foi a maior pontuadora da partida com 22 pontos.

O adversário sérvio na semifinal, no caso a Itália, garantiu a vaga no confronto, após vitória de virada sobre a Rússia por 3×1, com parciais de 25/27, 25/22, 27/25, 25/21. Egonu foi o destaque individual. Ela marcou 28 pontos.

Uma das sedes do Europeu 2019, com o apoio da torcida, a Turquia passou de fase, ao vencer a Holanda pelo placar de 3×0, com parciais de 25/20, 25/22, 25/20. Baladin da Turquia e Sloetjes da Holanda empataram na pontuação total do jogo com 16 pontos.

Última seleção a avançar para as semifinais, a Polônia derrotou a Alemanha no tie-break. Jogando em casa, na cidade de Lodz, a seleção polonesa venceu de virada com parciais de 22/25, 25/16, 25/19, 17/25, 15/11. A ponteira Stysiak anotou 22 pontos, sendo uma das responsáveis pela classificação polonesa.

OS AMISTOSOS DA SELEÇÃO MASCULINA

No último final de semana, a seleção brasileira masculina de vôlei encerrou uma série de amistosos contra os argentinos, com vistas à disputa do Sul-Americano e da Copa do Mundo. Foram 4 jogos, dois em cada país. No saldo final da maratona de jogos, o Brasil venceu três partidas e a Argentina venceu uma. As duas seleções utilizaram os confrontos para testar formações e dar rodagem aos jogadores mais jovens dos times. Não participaram de nenhum jogo dos amistosos, pela seleção brasileira, o central Lucão e o oposto Wallace. Pela seleção argentina, o ponteiro Conte, o levantador De Secco e o central Solé também ficaram de fora.

JOGO 1

No primeiro do duelo dos amistosos contra a Argentina, na província de El Calafate, em Santa Cruz, na sexta-feira, 23 de Agosto, o Brasil foi derrotado por 3×1, com parciais de 25/22, 25/27, 25/19, 25/21. O time brasileiro não contou com suas principais peças e foi comandando pelo técnico Giuliano Ribas, o Juba. Iniciaram o jogo pelo Brasil: o levantador Thiaguinho, o oposto Filipe Roque, os ponteiros Douglas Souza e Kadu, os centrais Flávio e Matheus Bispo, e o líbero Maique. Os argentinos mesclaram sua equipe, com metade do elenco medalha de ouro no Pan de Lima e metade do time que conquistou a classificação para os Jogos de Tóquio 2020 no Pré-Olímpico.

JOGO 2

No segundo jogo da série de amistosos, também em território adversário, no sábado 24 de Agosto, o Brasil deu o troco nos argentinos. Os brasileiros chegaram a abrir uma vantagem de 2×0 no placar, desperdiçando vários match-points na terceira parcial, permitindo o empate da Argentina na disputa. No fim, vitória brasileira por 3×2, com parciais de 25/23, 25/22, 28/30, 20/25, 15/10. Em relação à equipe do dia anterior, o técnico Juba fez duas alterações. O ponteiro Victor Birigui entrou no lugar de Kadu e o levantador Rendrick no lugar de Thiaguinho. O oposto Filipe Roque foi o maior pontuador do Brasil com 22 pontos. Ao final da partida, o técnico Juba comentou sobre a vitória.

“Hoje, nosso estudo em cima do adversário foi mais em organizar o nosso sistema. Rodamos bastante o time, colocamos atletas para testes, hoje fizemos algumas mudanças e tivemos respostas positivas. O objetivo foi cumprido, já que viemos para cá para levar esses meninos de volta para o Brasil amadurecidos”, disse Juba.

JOGO 3

Na terceira partida dos amistosos, jogando em Campinas, São Paulo, no ginásio do Taquaral, na sexta-feira, 30 de Agosto, a seleção brasileira não deu chances para os argentinos. Triunfo incontestável por 3×0, com parciais de 25/13, 25/19, 25/20. O time brasileiro contou com a atuação do levantador Bruninho e dos ponteiros Leal e Lucarelli. O técnico Renan Dal Zotto dirigiu a equipe pela primeira vez na série de jogos contra a Argentina. Ele comentou sobre o desempenho da seleção, na segunda vitória contra os argentinos.

“Foi um bom jogo. Jogamos bem, pressionando o tempo todo no saque e as coisas fluíram. Foi uma boa apresentação, acho que a torcida curtiu bastante e a nossa equipe não baixou a guarda em nenhum momento. Depois de um set tranquilo, como foi o primeiro, a tendência é dar uma baixada na guarda, mas isso não aconteceu. Ficamos foçados o tempo todo e o time está de parabéns”, falou Renan.

JOGO 4

No quarto e último jogo dos amistosos com a seleção Argentina, no sábado, 31 de Agosto, também em Campinas, o Brasil encerrou a série com a terceira vitória contra os argentinos. O resultado positivo foi de virada, pelo placar de 3×1, com parciais de 23/25, 25/17, 25/23, 27/25. O Brasil entrou em quadra com modificações na equipe, em relação à partida do dia anterior, assim como a Argentina. O técnico Renan Dal Zotto manteve o oposto Alan e o central Maurício Souza como titulares. Entraram no time: o levantador Cachopa, o central Isac, os ponteiros Douglas Souza e Maurício Borges, além do líbero Maique. Pela Argentina, entraram o levantador Sanchéz e o ponteiro Martínez, reforços do Sesc/Rio para a temporada 2019/2020 da Superliga Masculina.

Ao fim do jogo, o aniversariante do dia, o ponteiro Leal falou sobre a vitória e a sua entrada no jogo, no 4º set. “Estava esperando poder jogar e estou muito feliz. Tive a oportunidade de fechar um jogo importante para o nosso time. Esse é o primeiro aniversário com a camisa da seleção brasileira e agora é só comemorar”.

Fonte: CBV