SUPERLIGA FEMININA 2022/2023

Começa nesta sexta-feira, 28 de Outubro, a Superliga Feminina 2022/2023. O maior clássico do voleibol nacional abre a competição, no Rio de Janeiro, com transmissão do SPORTV 2. Osasco e Sesc/Flamengo se enfrentam a partir das 21h, no ginásio da Tijuca. Outros cinco jogos, ao longo dos próximos dias, complementam a 1ª rodada da Superliga Feminina 2022/2023. São eles: Pinheiros x São Caetano, Minas x Abel Moda, Sesi/Bauru x Unilife Maringá, Brasília Vôlei x Praia Clube, Fluminense x Barueri.

Para a temporada 2022/2023, a Superliga voltará a ter finais na TV aberta. Dessa forma, o título da competição será disputado em jogo único. As outras fases eliminatórias do torneio serão decididas em melhor de três jogos. Além do retorno da final em jogo único, a Superliga promete o uso da tecnologia do Challenge nesta edição de 2022/2023. Além disso, prevê punição aos clubes em casos de homofobia, racismo, entre outros. Confira abaixo um panorama da competição para a temporada 2022/2023.

FAVORITISMO

Apesar do favoritismo, Praia Clube e Minas devem oscilar no começo da competição, devido ao calendário. As duas equipes se apresentaram em cima da hora, graças ao recente fim da temporada de seleções. Será a chance dos adversários. Mais uma vez, Osasco deve ser o principal desafiante dos clubes mineiros. O time de Luizomar de Moura foi a equipe que mais se reforçou para a temporada. No entanto, na disputa do Campeonato Paulista 2022, o Osasco decepcionou, ficando de fora das finais. A surpresa da competição estadual ficou por conta do Pinheiros, que chegou na decisão do título de 2022.

SURPRESAS

Falando em surpresas, quem pode chegar mais adiante na Superliga Feminina 2022/2023 é justamente o Pinheiros, ao lado do Fluminense. Essas duas equipes devem atrapalhar a vida dos favoritos. Infelizmente, com a queda de investimento, o Barueri de José Roberto Guimarães deve lutar apenas para chegar nos playoffs. Já Sesi/Bauru e Sesc/Flamengo devem brigar pelo G4.

REBAIXAMENTO

De volta à Superliga Feminina, o São Caetano luta para não cair novamente. A equipe de São Paulo até tem chances de chegar nos playoffs ao lado de Brasília Vôlei e Maringá, mas o foco deve ser permanecer na divisão de elite da Superliga. Para tanto, o São Caetano deve superar os mesmos adversários da luta pelo mata-mata.

O Minas é o atual campeão da Superliga Feminina/Divulgação CBV/Wander Roberto/Inovafoto

*Errata O blog publicou que o jogo Sesc/Flamengo e Osasco abriria a temporada 2022/2023 da Superliga Feminina. De fato, o clássico do voleibol nacional foi o jogo de estreia da temporada, mas outra partida também aconteceu ontem entre Fluminense e Barueri.

A 1ª RODADA DA SUPERLIGA MASCULINA 2022/2023

Teve início a temporada 2022/2023 da Superliga Masculina. A rodada inaugural da competição aconteceu no último final de semana. O atual campeão da Superliga, Sada/Cruzeiro, enfrentou o estreante do Nordeste, Rede Cuca Vôlei, no jogo de estreia. Outras cinco partidas complementaram a 1ª rodada da Superliga Masculina 2022/2023. Confira abaixo, o panorama da abertura da competição.

1ª RODADA

Na sexta-feira, 21 de Outubro, o Sada/Cruzeiro começou a Superliga Masculina 2022/2023 com o pé direito. Jogando em Fortaleza, contra o Rede Cuca, o Sada/Cruzeiro foi pressionado pelo serviço do time nordestino, nas duas primeiras parciais, porém venceu a estreia na Superliga, por 3×0, com parciais de 25/21, 25/20, 25/15. O ponteiro Rodriguinho foi o maior pontuador do confronto, com 17 pontos.

O levantador argentino Uriarte à direita, é um dos reforços do Sada/Cruzeiro para a temporada/Agência i7/Sada/Cruzeiro

No sábado, 22 de Outubro, dois jogos agitaram a rodada inaugural da Superliga Masculina 2022/2023. Em Montes Claros, o América Vôlei foi surpreendido, dentro de casa, pelo Araguari Vôlei. O placar final do jogo ficou em 3×2, a favor do Araguari Vôlei, com parciais de 25/23, 20/25, 25/22, 20/25, 15/10.

A outra partida do sábado, aconteceu em Campinas, em um dos jogos mais equilibrados da rodada, no duelo entre Vôlei Renata e Farma Conde São José. Em jogo de recuperação, o São José bateu o rival Vôlei Renata, atual tricampeão paulista, no tie-break, com parciais de 16/25, 30/28, 23/25, 25/21, 15/12. O cubano Sanchez foi o maior pontuador da virada do São José, com 30 pontos.

No domingo, 23 de Outubro, mais dois jogos da Superliga Masculina 2022/2023 aconteceram no estado de São Paulo. Na Vila Leopoldina, o Sesi/SP teve muitas dificuldades no confronto com o Suzano. O jogo marcou o retorno da equipe do interior paulista à primeira divisão da Superliga. No fim, deu a lógica, com vitória do Sesi/SP, por 3×2, com parciais de 25/23, 23/25, 18/25, 25/17, 15/13.

Mais tarde, na reedição do duelo de quartas de final da última Superliga, o Vôlei Guarulhos bateu o Apan/Blumenau, em casa, por 3×1. O ponteiro Lucas Cho Cho do Guarulhos foi o maior pontuador do jogo, com 22 pontos. Ele ainda recebeu o troféu Viva Vôlei de melhor jogador do confronto.

O ponteiro Lucas Cho Cho com o troféu Viva Vôlei/Mauro Horita

Por fim, na segunda-feira, 24 de Outubro, o Minas foi até Brasília fazer o seu jogo de estreia na competição. Em uma das melhores apresentações da 1ª rodada, o Minas venceu o Brasília no domínio adversário, em sets diretos, com parciais de 25/21, 25/22, 25/16. Honorato e Vissoto do Minas, foram os maiores pontuadores do jogo, com 12 pontos cada. O ponteiro Honorato ficou com o troféu Viva Vôlei de melhor jogador da partida.

O Minas é o atual vice-campeão da Superliga Masculina/Rogério Guerreiro/Divulgação Brasília Vôlei

Fonte: CBV

NA ABERTURA DA TEMPORADA, SESI/BAURU CONQUISTA SUPERCOPA

O Sesi/Bauru começa a temporada em alta/Divulgação CBV/Inovafoto/Cristiano Zanardi

O Sesi/Bauru conquistou a Supercopa feminina de vôlei 2022. Foi o primeiro título do time do interior paulista na história da competição, o segundo na temporada. Neste ano, recentemente, o Sesi/Bauru foi campeão paulista. Já pela Supercopa de 2022, disputada no novo ginásio do Sesi, a equipe liderada por Dani Lins bateu o Minas na decisão, por 3×1, com parciais de 26/24, 19/25, 25/23, 25/22. Mesmo com a derrota, a oposta Kisy do Minas foi a maior pontuadora da final do torneio, com 20 pontos. Pelo lado da equipe campeã, a oposta Ivna marcou 19 pontos. Ao final do jogo, a levantadora Dani Lins foi eleita a “Craque de Ouro Unicesumar”. Com o resultado, o Minas continua sem vencer a Supercopa feminina. Em 4 finais do torneio, o Minas perdeu todas.

Ao final do confronto, a levantadora Dani Lins falou sobre a conquista do título, em entrevista para a imprensa. “Agora estou sentindo uma mistura de emoções. Gratidão pela homenagem, pelas pessoas que compareceram hoje para nos apoiar. E já esperávamos um jogo equilibrado pela qualidade do adversário. Hoje é dia de comemorar, mas amanhã já temos que mudar o foco pensando na Superliga”.

Além de ganhar o título, Dani Lins também foi homenageada com as ex-companheiras de seleção pelo ouro em Londres/Divulgação CBV/Inovafoto/Cristiano Zanardi

SUPERLIGA MASCULINA 2022/2023

Começa nesta sexta-feira, 21 de Outubro, a Superliga Masculina 2022/2023. O atual campeão da competição, Sada/Cruzeiro, enfrenta em Fortaleza, o Rede Cuca Vôlei. A partida terá transmissão do SPORTV 2, a partir das 20h. Outros cinco jogos, ao longo dos próximos dias, complementam a 1ª rodada da Superliga Masculina 2022/2023. São elas: América Vôlei x Café Vasconcelos/Araguari, Sesi/SP x Suzano, Brasília Vôlei x Minas, Vôlei Guarulhos x Apan Eleva, Vôlei Renata/Campinas x Farma Conde São José.

Para a temporada 2022/2023, a Superliga voltará a ter finais na TV aberta. Dessa forma, o título da competição será disputado em jogo único. As outras fases eliminatórias do torneio serão decididas em melhor de três jogos. Além do retorno da final em jogo único, a Superliga promete o uso da tecnologia do Challenge nesta edição de 2022/2023. Além disso, prevê punição aos clubes em casos de homofobia, racismo, entre outros. Confira abaixo um panorama da competição para a temporada 2022/2023.

FAVORITISMO

O Sada/Cruzeiro é o principal favorito ao título da temporada da Superliga. O time multicampeão pode engatar uma nova sequência de títulos da competição, após quebrar um jejum de três anos sem vencer o torneio, na temporada passada. Como todos devem recordar, a última final da Superliga Masculina foi entre duas equipes mineiras, até então, algo inédito na história do torneio. Nesta temporada, será difícil repetir o feito. Sesi/SP, Vôlei Renata/Campinas, Vôlei Guarulhos e São José dos Campos são os candidatos a estragar os planos mineiros.

CAFÉ COM LEITE

Como já dito pelo blog, em outras temporadas, a versão masculina da Superliga tende a ser dominada por paulistas e mineiros. Para se ter uma ideia, 9 times da competição pertencem aos dois estados. Portanto, uma fase eliminatória apenas com times dos dois estados está no radar. Apesar disso, esse cenário é improvável neste momento, graças à participação do Apan Blumenau, que provavelmente deve ser o único time de fora de Minas e São Paulo classificado para os playoffs.

REBAIXAMENTO

De volta à Superliga, o tradicional time de Suzano tem pretensões modestas no seu retorno ao torneio. Jogando em uma nova arena, o time deve lutar pela permanência na Superliga. Seus principais adversários na luta contra o rebaixamento são: Brasília Vôlei, Araguari e Rede Cuca. Para o blog, Suzano deve conseguir alcançar seus objetivos. Único representante do Nordeste, Rede Cuca Vôlei é o principal candidato ao rebaixamento.

O Sada/Cruzeiro é o atual campeão da Superliga Masculina/Divulgação CBV/Eliezer Esportes/MTC

O BALANÇO DO MUNDIAL FEMININO 2022

Teve fim, no último sábado, em Apeldoorn, na Holanda, o Mundial feminino de vôlei 2022. A Sérvia foi a grande campeã da competição. Foi o segundo título mundial sérvio. O Brasil terminou mais uma vez com a prata. Dado o retrospecto dos últimos grandes torneios, ficou um gosto amargo para o Brasil. Completou o pódio, em 3º lugar, a seleção italiana, após bater os Estados Unidos, atuais campeões olímpicos, na disputa do bronze, por 3×0. Leia na sequência, um balanço do Mundial feminino 2022.

SELEÇÃO BRASILEIRA

O Brasil, mais uma vez, foi mais longe do que muitos imaginariam antes do começo do Mundial 2022. Mas, assim como nos Jogos de Tóquio e na última Liga das Nações, o Brasil teve um rendimento abaixo do esperado na decisão do Mundial 2022 contra a Sérvia. Faltou oposta! José Roberto Guimarães fez o que estava ao seu alcance. Durante a competição, ele trocou de opostas, por três vezes, em partidas decisivas contra China, Japão e Itália. Na decisão do título, realmente, não deu para o Brasil. Enquanto a seleção brasileira não encontrar uma oposta do mesmo quilate que Boskovic e Egonu, ficaremos dependentes de uma estratégia tática “perfeita”, além de uma boa performance de Gabi.

A seleção brasileira feminina no pódio do Mundial 2022/Divulgação FIVB

CAMPEÃ MUNDIAL

Na última edição dos Jogos Olímpicos, a Sérvia foi muito criticada por uma suposta dependência de Boskovic. Mesmo assim, foi bronze. Com a chegada de Danielle Santarelli ao comando da seleção do leste europeu, a Sérvia evoluiu na distribuição de seu jogo, mesmo após a saída da talentosa levantadora Maja. Na decisão do título do Mundial 2022, as ponteiras e centrais da Sérvia foram muitos mais efetivas do que as brasileiras. Uma prova cabal de que o discurso sobre jogo coletivo nos Jogos de Tóquio era enganoso. Na verdade, a Sérvia não contou na Olimpíada com a ponteira Mihajlovic em excelente forma. Ela se lesionou antes dos Jogos. Sorte dos adversários, porque no Mundial 2022, a Sérvia provou que tem banco.

Boskovic da Sérvia foi eleita MVP do Mundial 2022/Divulgação FIVB

RANKING INTERNACIONAL

Com a conquista do Mundial 2022, a Sérvia assumiu a liderança do ranking internacional, com 393 pontos. Com dois pontos a menos, a Itália está na vice-liderança, com 391 pontos. O Brasil vem logo em seguida, em 3º lugar, com 381 pontos. Os Estados Unidos que não foram muito bem no Mundial 2022, estão na 4ª posição, com 354 pontos. Fechando o top 5 do ranking internacional aparece a China, com 338 pontos.

SURPRESAS E DECEPÇÕES

Como toda grande competição, o Mundial 2022 teve surpresas e decepções. Na primeira categoria, a principal foi a seleção da Polônia, que por pouco não belisca uma semifinal de Mundial. Além das polonesas, foram bem no torneio, as seleções do Canadá, Tailândia e Bélgica, com reflexos no ranking da FIVB. Já na categoria de decepções, três grandes grandes seleções tiveram um rendimento abaixo das expectativas: Estados Unidos, Turquia e Holanda.

Os Estados Unidos amargaram o 4º lugar no Mundial 2022/Divulgação FIVB

FORMATO DE DISPUTA

Data hoje, a FIVB anunciou que adotou o formato de disputa do Mundial masculino 2022 também para o feminino, a partir de 2026. A mudança veio em boa hora! O formato de disputa do Mundial feminino não era confuso, mas problemático. Para que uma 2ª fase tão extensa, se os cruzamentos eliminatórios da competição eram dentro dos próprios grupos, divididos por sedes distintas? Realmente, era melhor ir logo adiante com o mata-mata, do que um número de jogos intermináveis que não valiam de nada! A questão agora é o inchaço do Mundial. A partir de 2026, o torneio contará com a adição de 8 países, passando de 24 para 32 o número de seleções participantes. Haja jogo de baixa qualidade, hein!

SÉRVIA É BICAMPEàMUNDIAL

A Sérvia venceu o Mundial feminino de vôlei 2022. Foi o segundo título sérvio na história da competição. Anteriormente, a Sérvia ganhou o Mundial em 2018. Neste ano, na decisão contra o Brasil, em Apeldoorn, na Holanda, a Sérvia foi campeã mundial, com vitória de 3×0, com parciais de 26/24, 25/22, 25/17. Com o resultado, a Sérvia foi campeã mundial invicta, com 12 vitórias em 12 jogos. Já o Brasil perdeu a sua quarta final de Mundial na história. Em 1994, 2006 e 2010, as brasileiras também foram derrotadas na final da competição, para Cuba e Rússia, por duas vezes, respectivamente.

A Sérvia, pela segunda vez consecutiva, no lugar mais alto do Mundial/Divulgação FIVB

NÚMEROS

Em grande forma, a oposta Boskovic da Sérvia foi a maior pontuadora da decisão do Mundial 2022, com 24 pontos. Mesmo errando mais, a Sérvia foi superior do que o Brasil, em quase toda finalíssima. Com agressividade no serviço, 4 pontos no total, eficiência no bloqueio, 9 pontos no total, a Sérvia não deu chances para o Brasil. Para se ter uma ideia da superioridade da Sérvia, o time do leste europeu foi campeão mundial, com 50 pontos de ataque contra apenas 33 do Brasil. Discreta, Gabi terminou o jogo, como maior pontuadora do Brasil, empatada com a central Carol e oposta Lorenne, com apenas 9 pontos.

🇧🇷 BRASIL Macris (0), Lorenne (9), Gabi (9), Rosamaria (4), Carol (9), Carol Gattaz (4), Nyeme (L). Entraram: Roberta (0), Kisy (1), Pri Daroit (0) Tainara (5), Natinha (L). Técnico: José Roberto Guimarães

🇷🇸 SÉRVIA Drca (6), Boskovic (24), Busa (8), Lozo (7), Stevanovic (11), Popovic (7), Pusic (L). Entraram: Milenkovic (0), Lazovic (0). Técnico: Danielle Santarelli

PÓS – JOGO

Ao final do jogo, a oposta Boskovic da Sérvia, eleita MVP do Mundial 2022, falou sobre a conquista em entrevista para o Volleyball World. “Estou sem palavras. Essas garotas, esse time, essa energia! Fizemos isso sem perder uma única partida. Estou muito feliz e muito orgulhosa de fazer parte dessa equipe. Quero agradecer a todos que nos apoiaram nas últimas três semanas, especialmente minha família”.

A oposta Boskovic, MVP do Mundial 2022/Divulgação FIVB

SELEÇÃO DO MUNDIAL 2022

MVP – Boskovic da Sérvia

Levantadora – Drca da Sérvia

Oposta – Boskovic da Sérvia

Ponteiras – Gabi do Brasil e Sylla da Itália

Centrais – Carol do Brasil e Danesi da Itália

Líbero – Pusic da Sérvia

A CAMPANHA DO TÍTULO

O pôster da Sérvia, bicampeã mundial/Divulgação FIVB

Fase de grupos

25/9 Sérvia 3×0 Canadá

26/9 Sérvia 3×2 Bulgária

29/9 Sérvia 3×0 Alemanha

30/9 Sérvia 3×0 Cazaquistão

01/10 EUA 0x3 Sérvia

2ª Fase

04/10 Sérvia 3×0 Polônia

05/10 Sérvia 3×0 Rep.Dominicana

07/10 Sérvia 3×0 Tailândia

08/10 Sérvia 3×0 Turquia

Quartas de final

11/10 Sérvia 3×2 Polônia

Semifinais

12/10 Sérvia 3×1 EUA

Final

15/10 Brasil 0x3 Sérvia

ITÁLIA FICA COM O BRONZE DO MUNDIAL 2022

A Itália ficou com o bronze do Mundial feminino de vôlei 2022. Jogando em Apeldoorn, na Holanda, as italianas derrotaram os Estados Unidos, na disputa do 3º lugar da competição, em sets diretos, com parciais de 25/20, 25/15, 27/25. A Itália foi superior do que os Estados Unidos nos fundamentos que pontuam. Além disso, as italianas erraram menos que a seleção estadunidense. Mais uma vez no torneio, Paola Egonu foi a maior pontuadora de uma partida, dessa vez, com 30 pontos. Pelos Estados Unidos, a oposta Drews marcou 10 pontos. Com o resultado, é a primeira vez na história dos Mundiais, que a seleção da Itália vence uma disputa de bronze. Anteriormente, a Itália perdeu o 3º lugar no Mundial para Sérvia e Brasil, em 2006 e 2014, respectivamente.

A seleção italiana comemorando a conquista do bronze, após a vitória/Divulgação FIVB

PELA 4ª VEZ, BRASIL É FINALISTA DO MUNDIAL

O Brasil é finalista do Mundial feminino de vôlei 2022. Jogando em Apeldoorn, na Holanda, o Brasil eliminou a Itália, pelas semifinais da competição, pelo placar de 3×1, com parciais de 25/23, 22/25, 26/24, 25/19. Mesmo com o revés, a oposta italiana Paola Egonu foi a maior pontuadora do confronto, com 30 pontos. Pelo Brasil, a ponteira Gabi marcou 20 pontos. Com o resultado, o Brasil disputará sua quarta final de Mundial feminino. Anteriormente, o Brasil foi finalista do torneio em 1994, 2006, 2010. Na decisão, as brasileiras enfrentam a Sérvia, neste sábado, 15 de Outubro, às 15h, com transmissão do SPORTV 2 e da TV Globo. O Brasil está em busca de um título inédito. Já a Sérvia pode ser bicampeã mundial. Também no próximo sábado, mais cedo, às 11h, Estados Unidos e Itália jogam pelo bronze.

O bloqueio brasileiro foi um dos destaques da semifinal com a Itália/Divulgação FIVB

NÚMEROS

Apesar do ataque italiano ter marcado 67 pontos no fundamento contra 56 do Brasil, o bloqueio brasileiro fez a diferença no jogo, mais uma vez neste Mundial 2022. As brasileiras fizeram 21 pontos de bloqueio na partida contra apenas 7 das italianas. Somente a central Carol do Brasil marcou 10 pontos diretos no fundamento. Uma marca superior a todo o conjunto italiano. Para se ter uma ideia, a melhor bloqueadora da Itália no confronto, foi a central Danesi com 3 pontos.

A estratégia de contenção de danos do Brasil, em relação à oposta italiana Egonu, como no jogo da 2ª fase do Mundial, funcionou. Egonu saiu de quadra com aproveitamento abaixo de 20% no ataque, um número menor do que no primeiro jogo entre Brasil e Itália no Mundial 2022. Pelas extremidades, a atacante mais eficiente do jogo foi Rosamaria do Brasil, com aproximadamente 38% de aproveitamento.

Outro número decisivo da semifinal foi o número de erros. As brasileiras cederam apenas 13 pontos em erros contra 21 das italianas. Nem mesmo a superioridade do serviço italiano, em números diretos de pontos, foram 4 pontos totais, contra nenhum do Brasil, foi capaz de mudar o panorama do jogo na semifinal. Prova disso, foi o desempenho do sistema defensivo brasileiro.

Para encerrar, o técnico José Roberto Guimarães surpreendeu a comissão técnica italiana, com a escalação de Lorenne como oposta e Rosamaria na entrada de rede. Tal situação, deu mais possibilidades para a levantadora Macris, que fez na semifinal contra a Itália, sua melhor apresentação no Mundial 2022, até o momento. Definitivamente, o bloqueio italiano não achou o jogo do Brasil.

🇮🇹 ITÁLIA Orro (1), Egonu (30), Bosetti (5), Sylla (17), Danesi (10), Lubian (8), De Gennaro (L). Entraram: Malinov (0), Pietrini (7). Técnico: Davide Mazzanti

🇧🇷 BRASIL Macris (2), Lorenne (14), Gabi (20), Rosamaria (11), Carol (17), Carol Gattaz (11), Nyeme (L). Entraram: Pri Daroit (0), Roberta (0), Kisy (2). Técnico: José Roberto Guimarães

Gabi teve 63% de eficiência na recepção/Divulgação FIVB

PÓS – JOGO

Ao final do jogo, a ponta-oposta Rosamaria falou sobre a vitória na semifinal, em entrevista para a FIVB. “Esta é uma vitória dos sonhos para nós, pois queríamos muito estar na final. Acho que nosso bloqueio e defesa funcionaram muito bem esta noite e esse é um dos nossos principais pontos fortes, mas ainda podemos fazer melhor. Estamos muito animados por estar na final. Mantivemos nosso plano de jogo e, mesmo quando a Itália criou problemas para nós, ainda estávamos com os pés no chão e focados o suficiente para manter nossa organização em quadra. A Sérvia será um adversário muito difícil, mas vamos lutar até o fim como fizemos hoje”.

A ponta-oposta brasileira Rosamaria entrou jogando como titular, pela 1ª vez no Mundial 2022/Divulgação FIVB

SÉRVIA É A PRIMEIRA FINALISTA DO MUNDIAL 2022

A Sérvia é finalista do Mundial feminino de vôlei 2022. Jogando em Gliwice, na Polônia, a Sérvia bateu os Estados Unidos, pelas semifinais da competição, por 3×1, com parciais de 25/21, 25/20, 17/25, 25/23. O poderio ofensivo sérvio fez a diferença no jogo, graças ao desempenho da oposta Boskovic. Mais uma vez no torneio, ela foi a maior pontuadora de uma partida, dessa vez, com 33 pontos. Pelos Estados Unidos, a ponteira Robinson Cook marcou 18 pontos. Com o resultado, a Sérvia disputará a segunda final consecutiva de Mundial. Anteriormente, a Sérvia foi campeã da competição, em 2018. O adversário da Sérvia na final sairá do confronto entre Brasil e Itália, amanhã, 13 de Outubro. Aos Estados Unidos restou a disputa do bronze, com o perdedor da semifinal entre brasileiras e italianas.

A oposta Boskovic da Sérvia teve quase 50% de aproveitamento no ataque, contra os Estados Unidos/Divulgação FIVB