AS FINAIS DA VNL FEMININA 2022

Começa na próxima quarta-feira, 13 de Julho, em Ancara, na Turquia, as finais da Liga das Nações feminina de vôlei 2022. As sete melhores seleções da 1ª fase, mais a Turquia, disputam o título da temporada, em formato eliminatório. Segunda melhor campanha na fase regular, o Brasil enfrenta o Japão, nas quartas-de-finais da competição. A seleção brasileira feminina chega em condições de brigar pelo título, mas os favoritos são outros. Turquia, Itália, Estados Unidos estão um passo à frente do Brasil. O próprio Japão, adversário brasileiro nos playoffs e sensação da temporada, chega nas finais com chances de título maiores do que o Brasil.

Uma prova disso, é que antes do começo da VNL 2022, o Brasil encarou dois amistosos contra o Japão, sendo superado nos dois confrontos. Pode-se argumentar que as japonesas perderam seus últimos quatro jogos na competição, segundo muitos para escolher o seu adversário no mata-mata. Mas, a verdade é que o Japão fortaleceu-se muito após a decepcionante eliminação na 1ª fase dos Jogos Olímpicos, dentro de casa, em Tóquio. O grande responsável por tal crescimento, é o retorno do técnico Manabe ao comando da seleção feminina japonesa.

O Japão é a sensação da temporada da VNL 22/Volleyball World/Divulgação FIVB

CRUZAMENTO OLÍMPICO

Se conseguir passar pelo Japão, o Brasil terá pela frente o vencedor do confronto entre Sérvia e Estados Unidos. Caso aconteça a lógica nesse duelo, as brasileiras irão reeditar a última final olímpica contra os Estados Unidos, atual tricampeão da VNL, nas semifinais do torneio. A única coisa certa é que a final de 2019 e 2021 da Liga das Nações feminina não se repetirá. Nas duas ocasiões, as brasileiras foram superadas pelos Estados Unidos.

Além disso, caso nem Estados Unidos, nem Brasil, conquistem a VNL 2022, uma nova seleção campeã será conhecida na competição. Algo que não ocorre, desde 2007, quando a Holanda foi campeã do Grand Prix, se considerarmos a competição como legítima percursora da VNL. As duas maiores apostas para quebrar essa escrita são a Turquia, sede das finais, e a Itália, que é liderada por uma das melhores jogadoras do mundo na atualidade, a oposta Paola Egonu. A China, mesmo correndo por fora, também pode chegar. Sérvia, sem suas principais jogadoras, e Tailândia, em busca da sonhada vaga olímpica, tem chances pequenas de título.

Paola Egonu, oposta da Itália, é candidata ao prêmio de MVP da VNL 22/Volleyball World/Divulgação FIVB

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s