O 1º TURNO DA SUPERLIGA FEMININA 2019/2020

Na semana passada, foi encerrado o 1º turno da Superliga Feminina. Três times brigavam pela liderança da competição: Sesc/RJ, Minas e Praia Clube. O duelo no clássico mineiro definiu as posições. Com a vitória do Praia sobre o Minas por 3×2, o time de Bernardinho terminou o 1º turno em primeiro, com uma derrota em 11 jogos. O Praia ficou em 2º lugar também com uma derrota, mas com um saldo de sets inferior. Já o Minas fechou o turno em 3º lugar, com duas derrotas em 11 jogos.

Dado o restrospecto da temporada até o momento, o Praia apresenta uma campanha mais consistente que o rival Minas. Em 4 jogos entre os dois clubes, o Praia venceu por três vezes, sendo duas em decisões de título do Mineiro e da Supercopa. A vitória minas-tenista aconteceu no Mundial de Clubes, em jogo válido pela disputa do 5º lugar da competição.

Além da vantagem nos confrontos, o Praia também possui mais opções de elenco que o Minas. Tal fato ficou ainda mais evidente depois que o atual campeão da Superliga dispensou a americana Deja MacClendon após o fim do 1º turno. Para o seu lugar, trouxe a ponteira búlgara Dobriana Rabadzhieva. Resta saber se ela irá corresponder à altura. Na atual conjuntura, na disputa pelo título da Superliga, o Praia está a frente do Minas.

Sobre o Sesc/RJ, líder do turno, é bom ressaltar a campanha de recuperação realizada pela equipe em relação a fracassada temporada anterior. No entanto, mesmo nas vitórias, o time comandado por Bernardinho demonstrou algumas oscilações, principalmente, graças à irregularidade da ponteira Drussyla. Com problemas de contusão, a jogadora entrou em quadra no sacrifício. Tanto que, no recesso do final de ano, se submeteu a um processo cirúrgico para resolver o problema.

No quesito decepção dois times lideram a corrida já na largada: Bauru e São Caetano. O primeiro, alçado à condição de favorito, ficou aquém das expectativas. Com mais derrotas que vitórias, o time dirigido pelo campeão olímpico Anderson Rodrigues corre contra o tempo para diminuir os prejuízos. Recentemente, anunciou a contratação da central Adenízia. Já o São Caetano, tradicional equipe do ABC paulista, não ganhou de ninguém e luta desesperadamente contra o rebaixamento. Nas atuais condições, só um milagre salva o São Caetano da Superliga B.

Na contra-mão de Bauru e São Caetano, está o Pinheiros. Depois de ficar de fora dos playoffs da Superliga na última temporada, pela 1ª vez na história, o clube da capital paulista realiza uma excelente campanha. Mesmo com o desfalque importante da oposta Edinara, em vários jogos da competição, o Pinheiros apresentou um voleibol de alto nível, dando trabalho aos favoritos, além de conquistar vitórias surpreendentes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s