AS ESTATÍSTICAS DA SUPERLIGA FEMININA

image

Após 7 rodadas da Superliga Feminina 2018/2019, ao que parece, o investimento em jogadoras estrangeiras feito pelos clubes correspondeu às expectativas, em alguns casos. Vejamos: entre os destaques individuais da competição, no quesito pontuação, 3 das cinco melhores colocadas são estrangeiras.

A polonesa Skowronska é maior pontuadora da Superliga, até aqui, com 132 pontos. A segunda maior pontuadora também é estrangeira. A cubana Herrera aparece na vice-liderança com 113 pontos. Para encerrar a lista de destaques internacionais, a outra estrangeira bem colocada no quesito pontuação é a italiana Diouf com 104 pontos, 4º lugar geral.

Na eficiência de ataque, por enquanto, apenas brasileiras aparecem entre as cinco primeiras. Por terem jogado menos partidas, em virtude do Mundial de clubes, a ponteira Lana e a central Carol Gattaz, ambas do Minas, lideram a lista em 1º e 2º lugar, respectivamente, com menos dados que as concorrentes. Em seguida, na 3ª e 4ª colocação, estão as centrais Andressa Picussa do Bauru e Juciely do Sesc/Rio. Encerra a lista em 5º, outra central, Lara Nobre do Fluminense.

No bloqueio, a liderança é da central Mayhara do Sesc/Rio, com 22 pontos diretos no fundamento. Em 2º lugar, com 18 pontos, a central Lara Nobre do Fluminense. Na 3ª colocação, Juciely do Sesc/Rio. Em 4º, Walewska do Osasco. Fecha a lista, Adriani Vilvert do Camboriú, com 17 pontos de bloqueio.

No fundamento saque, em 1º, está a ponteira Neneca do Brasilia com 0,71 de aproveitamento e cinco pontos diretos no serviço. Na 2ª colocação, a oposta americana do Praia, Nicole Fawcett. Em 3º lugar, a ponteira Natália do Minas. Fecham a lista, no 4º e 5º lugares, Paula do Camboriú e Francynne do Praia, respectivamente.

No fundo de quadra, o destaque fica por conta do Minas. Aparecem em 2º e 3º lugares, duas atletas do clube, com mais de 70% de aproveitamento na recepção. São elas: a ponteira Gabi e a líbero Leia. A ponta Mari Casemiro, do Pinheiros, lidera com 75%. Também estão bem colocadas no fundamento as líberos do Bauru e do Osasco. No 4º lugar, Tássia, com 72%. Em 5º, Camila Brait, com 71%.

Infelizmente, a metodologia utilizada pelo sistema de estatísticas da CBV não contempla dois fundamentos importantes que não pontuam. Tanto na defesa, quanto no levantamento, não há disponibilidade de dados. Dado que o levantamento engloba várias questões como precisão, eficiência e trabalho sem o passe na mão, a análise estatística da CBV fica incompleta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s